Blog

RSS
  • Top 10 2010

    13 Ene 2011, 13:51

    Janelle Monáe - The ArchAndroid

    Janelle resgatou neste ano a faceta mais charmosa do pop, que é a fusão de vários estilos em uma sonoridade pessoal e contagiante. Não obstante, ainda se trata ainda de um álbum conceitual, em plena era do iTunes e subsequente desmembração do formato. Sim, Tightrope é um single do caralho, comercial e tudo, mas o disco possui uma corajosa coesão. Desde seu primeiro EP, ela dá a impressão de ser uma artista dedicada à sua arte (redundância inevitável), e por isso, até o momento, merece todo meu respeito e admiração.


    Lloyd Miller & The Heliocentrics - s/t

    Músico e etnomusicólogo, Lloyd Miller nunca se importou muito em ser reconhecido. Muito pelo contrário, provavelmente preferiria estar vivendo entre os berbéries, tocando de improviso em fogueiras no meio do deserto. A parceria com os Heliocentrics, que já haviam gravado um disco com o badalado Mulatu Astatke, foi uma grata surpresa, trazendo à tona, disfarçada em grooves, uma pequena amostra da vasta pesquisa que Miller dedica ao jazz do oriente.


    Ali Farka Touré & Toumani Diabaté - Ali and Toumani

    Dois mestres. Um legado. 'Nuff said.


    Bei Bei & Shawn Lee - Into The Wind

    A falta de reconhecimento deste disco é de dar agonia, tamanho o talento da chinesa Bei Bei He. Ela provavelmente poderia ter levado o disco inteiro sozinha, mas simples de trato do jeito que é (como pude notar por uma breve troca de mensagens), a parceria com o Shawn Lee era a faísca que ela precisava para disparar sua música a nível global. Para se ter uma ideia, além de ser professora do Gu Zheng, seu instrumento, ela costuma tocar em igrejas, museus e lugares relacionados à comunidade chinesa.


    Woima Collective - Tezeta

    2010 decididamente foi um ótimo ano ano para a música instrumental, em especial dos subgêneros que orbitam ao redor do "Ethno jazz". Além dos discos desta lista, bandas novas e não-tão-novas-assim (como o The Budos Band) vem ganhando espaço e reconhecimento por seus ótimos trabalhos, embora "não-nativas" aos estilos que procuram explorar. É o caso de Imperial Tiger Orchestra (Suiça), The Apples (Israel), Biri Biri (Grécia), entre outras. Da Alemanha, o Woima Collective também vai pelo caminho Ethiopique, adicionando também uma boa dose de Afrobeat e good ol'funk.


    Joanna Newsom - Have One on Me


    Polar Bear - Peepers

    Polar Bear é, de longe, o projeto mais sólido e interessante do fabuloso Seb Rochford, que agora está numa empreitada com Carl Barât e mais uma banca (http://soundcloud.com/bottletopband meio meh). Se o jazz precisa ser salvo e existe uma pessoa para o trabalho, esse é o cara.


    John Legend & The Roots - Wake Up!

    The Roots são uma instituição, intocáveis. Lançaram o ótimo How I Got Over, recheado de colaborações, o qual provavelmente estaria nesta lista, não fosse este disco de covers lançado 3 meses após aquele. Já John Legend sempre foi um cara meio X para mim, fez umas parcerias meio esquisitas – de JAY Z à *ghgh* Ana Carolina – e toca piano tal qual, mas aqui sua voz mostra bom serviço interpretando e recontextualizando músicas de protesto dos anos 60-70, muito bem acompanhada pelo talento dos brous do Roots. Uma homenagem poderosa e pertinente aos dias atuais.


    Holy Fuck - Latin

    Outro disco que quase passou despercebido. Holy fuck parece finalmente ter domado o ímpeto e a imprevisibilidade de seus tecladinhos de 10 real – cojones extras por não ainda utilizarem meios digitais para sincronizar as batidas –, investindo pesado em um funk biomecânico. Uma pedrada atrás da outra. Um adendo: para quem não quiser ouvir o álbum inteiro, "Red lights". Absurdo.


    10º TOKiMONSTA - Midnight Menu

    Confesso que o primeiro lançamento da bela Jennifer Lee não me impressionou muito, apesar de já esboçar aquele algo a mais em seus beats. Já Midnight Menu mostrou um amadurecimento blablabla. Até colocaria o Cosmogramma no lugar deste disco, mas prefiri dar uma chance à moça, que dá um toque de graça ao mundo predominantemente masculino do hip-hop instrumental/abstrato.