RSS
  • Albums I listened in 2015 (until now)

    9 Ene 2015, 20:27


    What every rating means: (the rating for each album can change any time)

    (10): It woke up like this: Flawless
    (9.0 - 9.9): Not flawless, but amazing
    (8.0 - 8.9): It has some minor flaws, but still extremely good
    (7.0 - 7.9): Not pleasing or interesting as the ones with higher ratings, but the experience it's good nonetheless
    (6.0 - 6.9): Good, but it's nothing special/it didn't hooked me (yet, most of albums I listened but didn't paid enough attention may be put in this category)
    (5.0 - 5.9): Not terrible, but not good
    (4.0 - 4.9): Below the average, not much is worthy
    (3.0 - 3.9): A bad album
    (2.0 - 2.9): I will probabbly not listen to this ever again
    (0.0 - 1.9): Extreme rating, burn with fire


    (sorted by order of listening)

    January:

    01. Marilyn Manson - The Pale Emperor (alternative rock, hard rock) (5.5)

    02. Panda Bear - Panda Bear Meets the Grim Reaper (experimental, pyshcedelic pop) (5.5)

    03. Porcelain Black - Mannequin Factory (industrial pop, pop rock) (0.6)

    04. Björk - Vulnicura (art pop, chamber pop) (10)

    05. Sleater-Kinney - No Cities to Love (punk rock, alternative rock) (10)

    06. Viet Cong - Viet Cong (post-punk, alternative rock) (6.1)

    07. Natalie Prass - Natalie Prass (alternative pop, baroque pop) (9.4)

    08. Jessica Pratt - On Your Own Love Again (alternative folk, folk) (8.9)

    Total: 8 albums


    February:

    09. Madonna - Rebel Heart (electropop, dance-pop) (4.3)

    10. Marina & the Diamonds - FROOT (alternative pop, synthpop) (9.0)

    11. Purity Ring - Another Eternity (electropop, synthpop) (4.6)

    12. Rae Morris - Unguarded (alternative pop) (4.5)

    13. A Place to Bury Strangers - Transfixiation (noise rock, shoegaze) (6.0)

    14. Mourn - Mourn (noise rock, punk rock) (6.4)

    15. Susanne Sundfør - Ten Love Songs (experimental pop, alternative pop) (7.7)

    16. Twiggy Frostbite - TWF (dream pop, experimental) (8.0)

    17. Dawn Richard - BlackHeart (alternative r&b, hip-hop) (6.1)

    18. Ibeyi - Ibeyi (experimental pop, trip-hop) (10)

    19. Emile Haynie - We Fall (alternative pop) (6.2)

    20. Marian Hill - Sway (EP) (chillwave, trip-hop) (7.7)

    21. Marika Hackman - We Slept at Last (alternative folk, folk pop) (6.3)

    22. Father John Misty - I Love You, Honeybear (alternative country, folk rock) (6.2)

    23. Kath Bloom - Pass Through Here (folk, lo-fi) (6.0)

    24. Johnny Hooker - Eu Vou Fazer uma Macumba Pra Te Amarrar, Maldito! (mpb, tango) (7.6)

    25. Eternal Death - Eternal Death (synthpop, alternative pop) (3.7)

    26. Say Lou Lou - Lucid Dreaming (synthwave, alternative pop) (6.0)

    Total: 17 albums


    March:

    27. Sasha Siem - Most of the Boys (alternative pop, baroque pop) (7.2)

    28. Echo Lake - Era (dream pop, shoegaze) (6.4)

    29. Swervedriver - I Wasn't Born To Lose You (shoegaze, alternative rock) (6.5)

    30. Fyfe - Control (alternative pop, baroque pop) (6.7)

    31. Clare Maguire - Don't Mess Me Around (EP) (soul, alternative rock) (9.0)

    32. San Cisco - Gracetown (synthpop, alternative pop) (7.0)

    33. Laura Welsh - Soft Control (alternative pop, electropop) (5.4)

    34. Braids - Deep In The Iris (chillwave, dream pop) (6.0)

    35. SoKo - My Dreams Dictate My Reality (alternative rock, post-punk) (9.7)

    36. Death and Vanilla - To Where The Wild Things Are... (dream pop, shoegaze) (6.8)

    37. Laura Marling - Short Movie (folk, folk rock) (9.2)

    38. The Gentle Storm - The Diary (folk metal, symphonic metal) (6.0)

    39. Courtney Barnett - Sometimes I Sit and Think, and Sometimes I Just Sit (alternative rock, folk rock) (8.0)

    40. The Staves - If I Was (folk, folk rock) (6.3)

    41. Cícero - A Praia (alternative folk, mpb) (8.0)

    42. Marriages - Salome (post-rock, alternative rock) (6.3)

    43. Pinkshinyultrablast - Everything Else Matters (shoegaze, dream pop) (6.0)

    Total: 16 albums


    April:

    44. Colleen - Captain of None (avant-garde, minimalism) (7.5)

    45. Nadine Shah - Fast Food (alternative rock, art pop) (9.0)

    46. Darkness Falls - Dance And Cry (synthpop, alternative pop) (5.8)

    47. Milk & Bone - Little Mourning (alternative pop, electropop) (5.8)

    48. Adna - Run, Lucifer (electropop, chillwave) (6.2)

    49. Waxahatchee - Ivy Tripp (alternative folk, folk rock) (6.5)

    50. Sufjan Stevens - Carrie & Lowell (alternative folk, freak folk) (8.5)

    51. Black Atlass - Jade (alternative rnb, chillwave) (5.3)

    52. Allie X - COLLXTION I (EP) (synthpop, electropop) (2.0)

    53. Gabi - Sympathy (art pop, ambient pop) (8.4)

    54. P A R A T I - Superfície (alternative pop, chillwave) (7.0)

    55. Róisín Murphy - Hairless Toys (trip-hop, downtempo) (8.6)

    56. Tei Shi - Verde (EP) (alternative pop, alternative rnb) (7.8)

    57. Stranger Cat - In The Wilderness (alternative pop, synthpop) (6.5)

    58. Petite Noir - The King Of Anxiety (EP)(alternative rnb, soul) (7.5)

    59. Passion Pit - Kindred (synthpop, alternative pop) (5.5)

    60. San Fermin - Jackrabbit (alternative rock, baroque pop) (6.1)

    61. Unknown Mortal Orchestra - Multi-Love (psychedelic rock, electro-funk) (8.0)

    62. Torres - Sprinter (alternative rock, folk rock) (10)

    63. Dísa - Sculpture (alternative pop, electropop) (EP) (7.2)

    64. Jacco Gardner - Hypnophobia (psychedelic rock, baroque pop) (6.0)

    65. Lower Dens - Escape From Evil (dream pop, post-punk) (7.5)

    66. Lisa Alma - Sweater (chillwave, alternative rnb) (7.3)

    67. Duda Brack - É (alternative rock, alternative pop) (10)

    68. Kendrick Lamar - To Pimp a Butterfly (hip-hop, funk) (8.0)

    69.Trupe Chá de Boldo - Presente (alternative pop, jazz) (6.2)

    70. Clarence Clarity - No Wow (alternative rnb, glitch pop) (6.0)

    71. Lady Lamb - After (alternative rock, folk rock) (7.5)

    Total: 27


    May:

    72. Sóley - Ask the Deep (art pop, chamber pop) (8.5)

    73. Alabama Shakes - Sound & Color (blues rock, soul) (8.3)

    74. Tulipa Ruiz - Dancê (pop florestal, pop alternativo) (7.8)

    75. Aurora - Running With The Wolves (EP) (alternative pop, electropop) (7.9)

    76. Shamir - Ratchet (alternative rnb, hip-hop) (7.5)

    77. Jenny Hval - Apocalypse, Girl (freak folk, experimental) (9.4)

    78. Sharon Van Etten - I Don't Want to Let You Down (EP) (alternative folk, folk rock) (7.3)

    79. The Holydrug Couple - Moonlust (psychedelic rock, experimental rock) (6.3)

    80. Scout Paré-Phillips - Heed The Call (freak folk, gothic country) (5.0)

    81. David Duchovny - Hell Or Highwater (folk rock, alternative rock) (6.0)

    82. Karin Park - Apocalypse Pop (alternative pop, electropop) (7.2)

    83. Holly Herndon - Platform (glitch pop, experimental pop) (9.0)

    84. Princess Chelsea - The Great Cybernetic Depression (alternative pop, electropop) (4.7)

    85. The Weather Station - Loyalty (dream folk, alternative folk) (7.6)

    86. Luiza Lian - Luiza Lian (alternative pop, mpb) (7.5)

    87. Brandon Flowers - The Desired Effect (synthpop, new wave) (6.4)

    88. ::M∆DE::IN::HEIGHTS:: - Without My Enemy What Would I Do (chillwave, electropop) (6.5)

    89. Jamie xx - In Colour (future garage, alternative dance) (8.8)

    90. Various Artists - Remembering Mountains: Unheard Songs By Karen Dalton (freak folk, alternative country) (9.0)

    91. Downtown Boys - Full Communism (punk rock, dance punk) (6.0)

    92. Son Lux - Bones (chillwave, chamber pop) (7.7)

    Total: 21


    June:

    93. Florence + the Machine - How Big, How Blue, How Beautiful (alternative rock, chamber pop) (9.9)

    94. Soak - Before We Forgot How To Dream (alternative folk, folk pop) (7.3)

    95. Sun Kil Moon - Universal Themes (folk rock, alternative country) (6.5)

    96. Of Monsters and Men - Beneath the Skin (alternative pop, folk pop) (8.0)

    97. Turnover - Peripheral Vision (alternative rock, shoegaze) (6.3)

    98. Nate Ruess - Grand Romantic (alternative pop, synthpop) (5.5)

    99. Flo Morrissey - Tomorrow Will Be Beautiful (folk pop, alternative folk) (8.5)

    100. No Joy - More Faithful (shoegaze, noise pop) (7.9)

    101. Mika - No Place in Heaven (synthpop, alternative pop) (7.8)

    102. Alina Baraz & Galimatias - Urban Flora (EP) (alternative rnb, chillwave) (7.5)

    103. Holly Miranda - Holly Miranda (alternative pop, folk pop) (6.9)

    104. Active Child - Mercy (alternative rnb, chillwave) (6.5)

    105. 종현 - BASE (electropop, alternative rnb) (6.8)

    106. Timbre - Sun & Moon (chamber folk, progressive folk) (9.0)

    107. God Is An Astronaut - Helios | Erebus (post-rock, alternative rock) (8.7)

    108. Ducktails - St. Catherine (psychedelic pop, alternative rock) (7.0)

    109. Everything Everything - Get to Heaven (art pop, alternative pop) (7.9)

    Total: 18


    July:

    110. Carly Rae Jepsen - E•MO•TION (synhpop, dance pop) (8.0)

    111. Doldrums - The Air Conditioned Nightmare (synthpop, electropop) (7.4)

    112. Little Boots - Working Girl (electropop, synthpop) (8.4)

    113. Hindi Zahra - Homeland (folk, alternative pop) (7.0)

    114. Tame Impala - Currents (psychedelic pop, alternative rock) (8.0)

    115. Lucy Rose - Work It Out (alternative folk, folk pop) (8.2)

    116. Years & Years - Communion (electropop, dance-pop) (3.4)

    117. Beach House - Depression Cherry (dream pop, shoegaze) (10)

    118. Chelsea Wolfe - Abyss (darkwave, gothic rock) (10)

    119. The Sandwitches - Our Toast (alternative rock) (7.4)

    120. Mac DeMarco - Another One (psychedelic rock, lo-fi) (6.5)

    121. XOV - WILD (alternative rnb, electropop) (6.3)

    122. Miguel - WILDHEART (alternative rnb, soul) (7.0)

    123. MS MR - How Does It Feel (alternative pop, synthpop) (8.8)

    124. Wolf Alice - My Love Is Cool (alternative rock, noise rock) (8.0)

    125. The Black Ryder - The Door Behind the Door (dream pop, space rock) (7.7)

    126. Shana Falana - Set Your Lightning Fire Free (psychedelic rock, dream pop) (8.2)

    127. Bad Bad Hats - Psychic Reader (alternative rock, garage pop) (7.7)
  • Retrospectiva 2014: Os 63 melhores álbuns de 2014

    27 Dic 2014, 20:56

    RETROSPECTIVA 2014:

    Pessoas que brilharam no meu s2 esse ano:

    oiGlush, mooaraujo, Nekrovoor, wholovesme-, sober-, ThePaulBranco, DennysH_ RheiselSilva, matheusper, RheiselSilva, kuih, mikeyunicorns, oofpv, volupiaken, thesleepycloud, estranhos giowbr, bodyelectric_, Joaomob, keanequeen e quem mais tiver brilhado, se você não apareceu aqui, mas conversou cmg já se sinta colocado bjs <3

    E chegamos naquela época do ano de novo, mais um fim de ano, mais um ano que passou rápido demais, mais um ano cheio de MÚSICA, mais um ano com mais uma bíblia do Marcus <3 Tô nessa vida desde 2012 e até quando deus me deixar RESTORADO ABENÇOADO eu vou continuar a fazer essas listinhas. (Mesmo que não muitas pessoas leiam) Antes, vamos de praxe falar do meu ano num geral: Não foi o que eu imaginei que seria. Pois eu pensei que entraria na faculdade, coisa que não aconteceu (não pude mudar de cidade e a faculdade daqui cancelou o curso de Letras, chorando) Nos primeiros 6 meses eu não fiz absolutamente NADA, ai em Junho eu arranjei um emprego de professor de inglês numa escola de inglês que tem aqui e está sendo até agora, uma experiência muito boa... Nunca pensei que eu tinha vocação para ser professor. Na verdade, se me perguntasse ano passado se eu pensava em ser, eu ia responder que não. Mas depois que eu passei a dar aulas, não consigo ver outra coisa para mim fazer. Não penso em dar aula para escola pública, acho muito desgastante e pouco valorizado... Só um pensamento meu. De qualquer forma, foi um ano legal, não teve muita coisa para fazer, fiquei só dando aulas, sem estudar (Nem fiz ENEM, pois esqueci de pagar inscrição, sim eu sou um babaca, i know), foi bem leve e eu fiquei 90% do meu tempo dentro de casa. Virtualmente, eu continuei moderando no grupo Last.fm Brasil e adorei conhecer mais pessoas novas que participaram de lá. Já é quase família rs.

    Agooora, musicalmente já foi meio decepcionante pois eu achei que esse ano ia ser DIXTRUIDOR MEIXMO VIU VIADO, mas foi morno. Teve coisas MUUUUUITO BOAS, mas tiveram bastante medianas também. De qualquer forma, foi um ano legal, assim como todos, porque é meio impossível, pelo menos pra mim, não ter pelo menos 30 álbuns realmente bons num ano.

    Entre outras notícias musicais, tivemos o retorno GLORIOSO da Kate Bush aos palcos depois de 35 anos sem fazer uma turnê, o fim do Crystal Castles, o "fim" do The Knife (embora eu ache que eles "terminaram" que nem aconteceu na época do Silent Shout e voltarão daqui 10 anos) e o lançamento da coletânea de encerramento do MCR :'(

    De qualquer maneira, vamos começar isso <3

    ATENÇÃO: Todos os textos apresentados a seguir contêm a minha OPINIÃO, não tento impor nenhuma delas a ninguém e não as trato como verdade absoluta. Se quiser discutir com civilidade qualquer ponto que discorde, sinta-se a vontade, mas sem ofensas pessoais. Lembre-se: Música é algo bem subjetivo


    (Eu vou fazer uns comentários de consideração para alguns álbuns que ficaram fora do top 32, porque uns 4 ou 5 eu tenho coisas para falar, outros eu não tenho, mas gosto de todos.)

    63. alt-j - This Is All Yours
    62. Keaton Henson - Romantic Works
    61. Sunn O))) & Ulver - Terrestrials
    60. †††- †††
    59. Tiê - Esmeraldas
    58. Swans - To Be Kind
    57. Pitty - SETEVIDAS
    56. I Break Horses - Chiaroscuro
    55. EMA - Future's Void
    54. Sun Kil Moon - Benji
    53. Foxygen - ...And Star Power
    52. Varg - Embroidery
    51. Thievery Corporation - Saudade
    50. sZa - Z
    49. The Honey Trees - Bright Fire
    48. Lisa Gerrard - Twlight Kingdom
    47. Linda Perharcs - The Soul of All Natural Things
    46. Birds of Passage - This Kindly Slumber
    45. Aggaloch - The Serpent & the Sphere
    44. Emma Ruth Rundle - Some Heavy Ocean
    43. Lydia Ainsworth - Right from Real

    42. BANKS - Goddess

    O EP do ano passado foi ótimo, se fosse um álbum seria facilmente um dos meus favoritos, mas ai esse álbum meio que deu uma escorregada. Começando que ela lançou uns 900 mil singles antes do lançamento + músicas do EP e ficou pouquissimas músicas novas. Tem umas MUITO boas, mas tem umas que são bem fraquinhas mesmo. Mas o que me impediu de gostar mais, foi que o álbum não funciona como ÁLBUM, parece mais uma coleção de músicas gravadas do que um álbum. Ele soa cansativo e inconsistente, por isso ficou fora do meu top... Se fosse mais um EP com 5 músicas (Beggin for Thread, Someone New, Under the Table, Drowning e You Should Know) e ela deixasse pra fazer um álbum só de inéditas na próxima, teria sido bem melhor. Desculpa gata, better luck next time xoxo


    41. Sharon Van Etten - Are We There

    40. Zola Jesus - Taiga

    Se vocês perguntarem "Qual foi sua maior decepção musical no ano?" eu falaria que foi esse álbum. Quando anunciou eu pensei logo que ia ser divino maravilhoso aoty destruidor do mundo, mas a Zola me veio com esse estilo Sia de batom preto ai e iiih (não que a Sia não seja boa tá gente, mas vocês entenderam). Acho que o maior problema do álbum é a super produção, que deixou tudo muito plastificado, tipo até os trompetes que tem no álbum parecem sintetizadores do que instrumentos mesmo. A produção vocal tb não ajudou e ficou essa coisa meio sem vida, diferente da carga emocional que a Zola transmitia antes pelos vocais... Se eu fosse fazer um top no dia que foi lançado, esse álbum ia parar direto na lista de piores, mas eu acabei dando umas outras chances pq a Zola gosta bastante do álbum e tal, ai eu acabei curtindo de umas músicas, mas o álbum é muuuuuito abaixo do Conatus e principalmente do Stridulum...Não sei o que ela vai fazer com a carreira nas próximas, mas tomara que ela conserte os erros desse pq a Zola é uma pessoa muito foda <3


    39. Pharmakon - Bestial Burden

    Vocês ainda vão ler bastante disso nessas mini-reviews aqui, "o álbum não tá mais alto pq eu não ouvi tanto", e esse está incluido. O álbum tem um clima tão brutal e diferente do que eu curto, mas que eu acabei curtindo pra caramba, mas por força do destino, eu não ouvi muito e ele ficou barradão do top oficial, mas fica a dica.


    38. Lily Allen - Sheezus

    O álbum ruim que eu mais curti no ano KKK Sim, admito, o Sheezus é ruinzinho, óbvio que os anteriores são melhores e bla bla, mas achei esse tão gostosinho de se ouvir, mesmo com o auto-tune sem noção enfiado ali e sonoridade meio genérica, mas eu super viciei nele no começo do ano, mas admito que não é dos melhores. Mas as letras são boas. Nem jesus agradou todo mundo quando veio a terra, não será Sheezus que agradará n


    37. Gem Club - In Remains
    36. My Brightest Diamond - This Is My Hand

    35. Tinashe - Aquarius

    Outro que eu ouvi tarde demais e ficou injustiçado. Pensei que não ia curtir quando lançou, mas acabei adorando. Tem uma sonoridade muito boa e parece com muitas coisas de uma vez. As dançantes são ótimas e as lentas mais ainda, me lembra algo como uma Ciara alternativa ou uma FKA twigs pop.


    34. Imogen Heap - Sparks

    Simplesmente adoro o conceito e como a Imogen fez esse álbum, tem tanta coisa bem pensada. As músicas também são muito boas, só que esse sofreu daquele "não ouvi tanto", na verdade ouvi bem pouco, ai não me sinto bem colocando ele lá em cima (e nem conseguiria fazer uma review boa), mas ele está representado aqui, é muito bom o álbum.


    33. Jessie Ware - Tough Love

    Então, podemos considerar que esse álbum foi o "injustiçado" do ano, quando eu ouvi ele na primeira vez eu não prestei atenção direito e quando fui reouvir já era ~tarde demais~ e eu já tava embaralhado com as reviews e tal, ai decidi não incorporar ele na lista com reviews completas. Mas a Jessie é maravilhosa, já conhecia e gostava pelo Debut, mas esse álbum só confirmou que ela é ótima mesmo... Se tivesse prestado atenção antes, provavelmente estaria lindamente lá no top 20, mas enfim, a vida não é justa



    32.
    I'm left with nothing but a twisted dream, there must be someone out there who won't abandon me. Cause I give so much, but all they ever do is take



    Artista: Paloma Faith
    Álbum: A Perfect Contradiction
    Gênero: soul, pop, rnb
    Origem: London, England, United Kingdom ()

    Depois do dramático Fall to Grace em 2012, Paloma Faith volta dois anos depois com uma sonoridade mais dançante, inspirada no motown e soul dos anos 60 misturado com alguns toques do synthpop oitentista. Enquanto as melodias certamente farão você se mexer na cadeira, as letras tratam do mesmo assunto do álbum anterior: Corações partidos, traições e fortes decepções amorosas. Tudo muito bem interpretado pela expressiva voz de Faith, que soa como a fusão de Amy Winehouse e Duffy.
    A interpretação de Faith chega ao seu ápice com a incrível balada Only Love Can Hurt Like This, mas ela também consegue soar muito bem e poderosa em canções dançantes como Take Me ou Taste My Own Tears, A Perfect Contradiction catapulta Paloma direto no status de Diva Pop, com uma produção melhor que evidencia suas capacidades vocais. As letras poderiam ser melhores com mais variações temáticas, mas isso não impede que A Perfect Contradiction seja um dos melhores álbuns pop no cenário mainstream do ano.

    Melhores faixas: Taste My Own Tears, Only Love Can Hurt Like This, Trouble with My Baby, Take Me


    31.
    Tender we fall, quiet and alone. Tired and gone, just speechless



    Artista: The Acid
    Álbum: Liminal
    Gênero: ambient, experimental, alternative rnb
    Origem: England, California and Australia

    Esse misterioso trio talvez tenha feito um dos álbuns mais lineares e limitados desse ano, essas não são as qualidades mais animadoras quando você as lê na descrição de um álbum, mas The Acid conseguiu construir uma obra cercada e ambientada por sintetizadores enfumaçados, vocais frágeis reminescentes de cantores folk, soundscapes ambients e um pouco de techno, pincelado com aquele clima de R&B alternativo que está tão aclamado nessa década. E é isso o álbum, faixas hipnotizantes que transformam sua experiência num estranho sonho de 51 minutos, guiados por uma misteriosa voz, ora sensual e enigmática, ora delicada e quebradiça. Não tem nada muito brilhante ou sorridente nesse álbum que tem sua coesidade geralmente quebrada com algumas batidas eletrônicas que não exatamente mudam o seu clima geral. O álbum não é de fácil audição, mas uma vez que você entra em seu clima, é díficil tirar os tristes e estranhamente atrantes murmúrios da sua cabeça.

    Melhores faixas: Ra, Tumbling Lights, Basic Instinct

    30.
    Je sais que nous ne sommes jamais seuls, Lorsque j'entends leur voix sereine, Jaillisant des lointaines mers, Et des crimes en nuances qui s'élèvent



    Artista: Alcest
    Álbum: Shelter
    Gênero: blackgaze, dream pop, shoegaze
    Origem: Bagnols-sur-Cèze, France ()

    Os representantes do metal na minha lista, apareceram nela com um álbum nem tão metal assim. Curto a cena blackgaze, a mistura do black metal e shoegaze é geralmente agradável aos meus ouvidos, mas como entusiasta de músicas mais calmas e suaves acabo preferindo esse a outros álbuns da banda.

    Shelter foi uma grande virada na sonoridade do Alcest, que deixou de lado suas guitarras e seu som mais barulhento contrastando com a calmaria para um som completamente virado para a calmaria. O álbum novo não agradou os antigos fãs, mas ele é um belo álbum, como uma trilha sonora para um sonho, como a trilha sonora para cada desejo seu e memória, a música se torna pesada pelas melodias cintilantes e deslumbrantes, acompanhadas de vocais etereos e brilhantes. Talvez não seja o álbum mais memorável de nenhum dos gêneros em que se encaixa, mas é sim uma boa experiência e extremamente agradável de se ouvir. Mágico e trascendental, Shelter é exatamente o tipo de álbum que fãs de dream pop e shoegaze podem querer.

    Melhores faixas: Wings, La Nuit Marche Avec Moi, L'éveil des Muses

    29.
    I'm a post-teen monster, bold and blind from the top of my head to the shaking ground. Blame the billboards cause they've let me down, I'm a symphony of the world gone wild



    Artista: MØ
    Álbum: No Mythologies to Follow
    Gênero: alternative dance, alternative pop, electropop
    Origem: Odense, Denmark ()

    No Mythologies to Follow embora simples e com uma sonoridade talvez não muito inovadora, soa como a juventude em sua mais pura forma, suas letras retratam a confusão que os jovens talvez sintam no caos que é a sociedade moderna, com suas crises existencias ou amorosas ou qualquer coisa assim.

    O álbum não tem muita profundidade ou trata de assuntos mais sérios, mas acredito que suas simples letras podem fazer muitos jovens se relacionem com ela ou pelo menos encontrem algo de interessante nelas, a sonoridade electropop pendendo apenas um pouco para o alternativo torna a audição do álbum algo agradável e não enjoativo de se ouvir, mesmo que todas tenham uma premissa parecida no geral. A voz de Karen talvez seja o atrativo principal, tendo os vocais gravados e produzidos em seu próprio quarto, eles têm uma textura mais lo-fi que a produção geral do álbum. De qualquer maneira, seu debut deixa Karen num bom lugar para começar sua carreira, com um som pop agradável, mas com autenticidade e personalidade. Que ela consiga seguir sua carreira sempre mantendo sua essência que tornou esse álbum tão fácil de se ouvir e que certos feat's não a mudem...

    Melhores faixas: Fire Rides, Don't Wanna Dance, Piligrim, Maiden

    28.
    I see you smiling with your feet up like your heroes, You'd off yourself to save your reputation. Strong and fearless and deprived just like your heroes. Are you sharpening your sword? Well, you'll fade out anyway



    Artista: Foster the People
    Álbum: Supermodel
    Gênero: alternative rock, psychedelic pop
    Origem: Los Angeles, California, United States ()

    Depois de um álbum de estréia que atinge níveis estratosféricos como o do Foster the People atingiu, é normal que as pessoas enxerguem de uma forma injusta o seu sucessor. Supermodel explicita como a banda conseguiu amadurecer sua sonoridade synthpop e divertida em algo maior e melhor produzido, mas mantendo a essência que os fizeram famosos. O segundo álbum mostra uma variedade de sons muito maior que o primeiro, com influências mais experimentais e psicodélicas, parecendo uma versão mais pop de Tame Impala. As letras e os temas retratados nas músicas são mais centrados e com metáforas mais interessantes, começando já na ótima capa. Temos algumas músicas com as mais diversas influências, até mesmo latinas como "Are You What You want to Be?" ou numa pegada mais folk como em "Fire Escape" e outras mais experimentais como em Tabloid Super Junkie e A Begginer's Guide to Destroying the Moon. Por fim, Supermodel é um ótimo álbum que mostra como uma banda deve amadurecer seu som, ainda mantendo a essência de seus trabalhos anteriores. Foster the People apresentou um ótimo trabalho, que mesmo não sendo reconhecido pela mídia, mostra que a banda é muito mais que uma banda indie que hitou com uma música pegajosa e depois rapidamente sumirá.

    Melhores faixas: Tabloid Super Junkie, Nevermind, Best Friend, A Begginer's Guide to Destroying the Moon

    27.
    No heavy rain’s gonna hold me down anymore. No sin or shame’s gonna strain my soul, oh no. Another day I’m the shine in your eyes. Another day, gonna hold my head up high



    Artista: Oh Land
    Álbum: Earth Sick
    Gênero: alternative pop, electropop, experimental pop
    Origem: Copenhagen, Denmark ()

    Em seu quarto álbum, Oh Land prova mais uma vez porque é uma das cantoras pop mais versáteis e determinadas nos dias atuais. 6 anos depois de seu debut "Fauna" que foi produzido independentemente de outros produtores, a cantora retorna as raízes depois de alegadas experiências frustrantes com gravadoras.

    Em Earth Sick, Nana traz seu encanto pop com uma sonoridade mais experimental, o resultado embora não seja tão cativante quanto o seu debut (que é um dos meus álbuns favoritos de todos) traz uma sensibilidade e sinceridade que não se vê frequentemente em cantoras do gênero, e é isso que destaca Oh Land, a sinceridade com que canta suas letras e o envolvimento perceptível com a construção de seu álbum. Nesse álbum temos músicas mais dançantes únicas como Favor Friends (com direito a mãe dela fazendo um vocal operático no meio da música), Hot 'n' Bothered e Doubt My Legs, no entanto Oh Land brilha nas baladas mais minimalistas como a faixa título e Machine. A cantora deixou as melhores pro finais, No Particular Order e Traibalizer são épicas e dignas de uma artista do calibre de Nana. As falhas aparecem no estilo da produção que parece "demais" em algumas músicas, soando muito expansivas e espalhafatosas como em Daylight e Little Things. No entanto, Earth Sick mostra que Oh Land é uma artista competente, aberta a novas idéias, enquanto mantêm sua essência e originalidade e que tem uma visão artistica decidida e comprometida. O álbum embora exagere em alguns pontos, como disse, é incrivelmente bem produzido para um álbum produzido por uma só artista e financiado pelos fãs. Que Oh Land continue nos agraciando com sua sensibilidade pop e doçura musical por muitos e muitos álbuns.

    Melhores faixas: No Particular Order, Traibalizer, Earth Sick, Machine

    26.
    A gente pode sem medo se pertencer. O amor é cego, mas hoje eu posso ver tão bem



    Artista: SILVA
    Álbum: Vista pro Mar
    Gênero: synthpop, mpb, pop alternativo
    Origem: Vitória, Espírito Santo ()

    Vista Pro Mar é um delicioso álbum, que apresenta caminhos musicais não muitos explorados no Brasil, como o synthpop. SILVA é um sopro de ar fresco na música popular brasileira atual. O álbum tem deliciosos sintetizadores que transmitem paz e alegria, que refletem um clima mais natural e florestal. Acompanhado de instrumentos de sopro, como na faixa título, da suave voz de Silva e suas simples letras, o segundo de álbum de Silva se difere do seu debut que continha um eletrônico mais denso e faixas mais acústicas, o novo álbum é completamente livre e apresenta uma leveza e bom humor extremos. Seja na dançante Universo, na contagiante Disco Novo ou até mesmo na faixa mais triste do álbum, Ainda, o álbum transmite paz de espírito e boas sensações. As letras simples e cativantes, como poemas cantados, são também um charme que vai fazer o álbum ficar na sua cabeça. Vista Pro Mar é um álbum muito fácil de se ouvir e um fácil levantador de astral, com suas músicas leves e despreocupadas.

    Melhores Faixas: Universo, Vista Pro Mar, Disco Novo, Ainda

    25.
    Altering winds swept away what once was hidden beneath guarded shadows and shores. Shifted perspectives, changed to the core. Landscapes I knew, exist no longer



    Artista: Dillon
    Álbum: The Unknown
    Gênero: experimental pop, alternative pop
    Origem: São Paulo, São Paulo, Brasil () (Onde nasceu) / Berlin, Alemanha () (Onde mora)

    O segundo álbum da cantora brasileira-alemã não se diferencia sonoramente e essencialmente do seu debut "This Silence Kills", a melancolia flutuante e o minimalismo entristecido continua preenchendo a totalidade do álbum. A diferença é que The Unknown soa mais sério e confiante que seu antecessor, enquanto This Silence Kills apresentava músicas mais exêntricas e peculiares que pareciam ter saídos do debut da Lykke Li, Youth Novels, The Unknown não apresenta tais músicas e foca num estilo de produção mais minimalista, com melodias do piano aliadas a raras batidas eletrônicas mais intensas e uma voz frágil e hipnotizante recitando as letras como alguém em transe.
    O álbum tem um clima de letargia e parece soar como se estivesse sendo tocado em slow motion e pode não ser tão agradável e fácil de se ouvir como seu antecessor, mas é realmente um belo álbum e que apresenta a maturação da artista e a aquisição de uma personalidade própria em sua música, liberta das comparações que houveram em seu primeiro álbum. Por fim, The Unknown apresenta um som arrastado, introspectivo e muito escondido dentro de si mesmo para ser agradável de se ouvir em diversos momentos, mas quando se está no clima do mesmo, o álbum soa como uma incrível experiência.

    Melhores faixas: The Unknown, 4Ever, Into the Deep, A Matter of Time

    24.
    I can hear a voice. It begins to shout, making me believe I would have no choice. I can feel the eyes looking over me. Following my skin. Cannot cease to be



    Artista: Gazelle Twin
    Álbum: Unflesh
    Gênero: noise pop, experimental, industrial pop
    Origem: Brighton, England ()

    Uma viagem pertubadora e bizarra pelo mundo da misteriosa Gazelle Twin, a cantora que já tinha mostrado ao público sua primeira dose de bizarrice com "The Entire City" volta com um trabalho cada vez mais profundo e afogado nas sombras e no obscurismo, com batidas frenéticas, metálicas e fortes, a cantora altera a sua voz em milhões de formas, cantando de forma mais grossa e monstruosa, assim como mais fina e desesperada... Com ocasionais gritos, guinchos e gemidos durante seus 39 minutos, Unflesh é uma montanha russa do terror aonde nunca se sabe o que poderá acontecer, as músicas são envoltas em um manto de experimentalismo que soa como uma invocação de espirítos ou de zumbis para tomar conta da terra. Se houvesse uma trilha sonora pro famigerado "Apocalipse Zumbi", esse álbum seria ela. Um álbum talvez de díficil digestão nas primeiras ouvidas, é um álbum com uma produção diferenciada, com vários elementos escondidos e detalhes nas sombras, Gazelle mistura os experimentalismos eletrônicos de The Knife, com a vocalização pertubadora de Planningtorock, mas com alguns elementos pop de Die Antwoord, Unflesh é um circo dos horrores extasiante e incrivelmente cativante, se você deixá-lo entrar em sua mente.

    Melhores faixas: Belly of the Beast, Unflesh, Exorcise, Good Death

    23.
    I hear you calling and I want to come. Run straight into the valleys of your arms and disappear there, but I know my love could fail you. Because in a clearing when the sunlight comes exposing all the shadows of our intricate behavior I feel a sort of fading



    Artista: Grouper
    Álbum: Ruins
    Gênero: ambient pop, lo-fi, dream folk
    Origem: Portland, Oregon, U.S. ()

    Ruins é um álbum íntimo, cru e honesto. Gravado com todas as músicas na primeira tentativa (incluindo o beep de um microondas quando a energia caiu na casa da artista), o álbum soa como um portal que o teletransporta para um mundo de suavidade e lembranças, você facilmente consegue se afogar nas calmas melodias geralmente guiadas por um simples piano ou pela tranquilizante, quase sedativa voz de Liz Harris. De acordo com a cantora, o álbum é um documento de alguns dias que ela caminhou entre algumas ruínas e construções antigas em Portugal, fortalecendo ainda mais o sensação dolorosa, mas reconfortante de nostalgia e de passar do tempo que o álbum transmite. O álbum é curto, apenas 8 faixas, mas vale a pena ser ouvido várias e várias vezes. Ruins é um sonho do qual você não quer acordar.

    Melhores Faixas: Call Across Rooms, Labyrinth, Lighthouse

    22.
    Heavy is the head that wears the veil



    Artista: Sophie Ellis-Bextor
    Álbum: Wanderlust
    Gênero: chamber pop, baroque pop, alternative pop
    Origem: Hounslow, London, England ()

    Nunca consegui gostar muito da Sophie, seus álbuns centrados mais no dance pop e em músicas electropop formulaicas nunca captaram completamente meu interesse, mas com Wanderlust ela provou que é realmente uma artista e não só "mais uma".

    A mudança já começa com a produção do álbum, completamente feita por apenas um produtor e escrito completamente por Sophie, o que difere das legiões de compositores e produtores que eram contratados para seus álbuns anteriores.

    O álbum já começa com a luxuosa e extasiante "Birth of an Empire" que arranja um clima teatral e medieval para o álbum e Sophie, com seu sotaque britânico de uma lady do século 18, mantêm a qualidade do álbum por todas suas 11 faixas, interpretando suas letras metafóricas e teatrais, como se elas fossem histórias ou fábulas, cobridas com uma instrumentação classuda e elegante. A primeira parte do álbum tem realmente esse clima mais "conto de fadas" com músicas como Runaway Daydreamer, The Deer & the Wolf e a baladinha Young Blood, mas depois do "Interlude" o álbum pega uma intesidade e potência impactante. Músicas como a magnifica Cry to the Beat of the Band e a witchy "Love is a Camera" que conta com um incrível vídeo. O álbum termina com a delicada "When the Storm Has Blown Over", uma música acústica e suave que fecha o álbum de maneira digna e melancólica. Não sei se essa foi só uma experimentação de Sophie, mas se ela seguir fazedo álbuns nesse estilo, ela com certeza conseguiu mais um admirador. Wanderlust é encantadoramente delicado do começo ao fim, como uma boneca de porcelana.

    Melhores faixas: Cry to the Beat of the Band, Love is a Camera, Birth of an Empire, Until the Stars Collide


    21.
    With the dawn she went away, before mist veiled the earth, nothing remained - except for the wounds - the only gift of her.



    Artista: Sopor Aeternus & the Ensemble of Shadows
    Álbum: Mitternacht - The Dark Night of the Soul...
    Gênero: neoclassical darkwave
    Origem: Frankfurt, Hesse, Germany ()

    Sopor Aeternus talvez seja uma das artistas mais interessantes e misteriosas de todas, sua indendidade nunca revelada, sua imagem um tanto quanto pertubadora, sua poesia macabra, sua voz andrógina e seu modo de cantar como se fosse uma alma que vaga pela terra encanta tanto com a música mais industrial e pesada do começo de carreira, assim como no rumo mais neo=clássico e misterioso que se seguem nos álbuns mais recentes. Algo também interessante em sua carreira é o fato dela não ser financiada por nenhuma grande gravadora e não fazer nenhum tipo de divulgação de seu trabalho ou shows, mas mesmo assim ter verbas para sustentar toda a complexa instrumentação de suas músicas. No seu décimo segundo álbum, Anna (pseudônimo e único nome conhecido da vocalista) segue um caminho mais calmo, mais suave, mas não menos sinistro, a instrumentação geralmente orquestrada e épica de seus álbuns são trocadas por instrumentos de cordas leves, como a harpa, xilofones que deixam um clima "História infantil macabra" no álbum e sintetizadores góticos, talvez seja o álbum mais simples de toda sua carreira... As músicas também estão significantemente mais curtas, tendo poucas que passam dos 7 minutos. No entanto, nada disso compromete a qualidade e a emoção passado pelo álbum de uma cantora que mesmo sendo totalmente incógnita consegue cativar tanto... Seja no seu cover sinistro da clássica dos covers Bang-Bang, seja na melancólica Beuatiful, na macabra Carnival of Souls ou na música mais raivosa do álbum "You Cannot Make Him Love You", Anna passa sinceridade e comprometimento com seu trabalho e uma artisticidade única no mundo musical, Anna Varney mais uma vez nos surpreende e mostra-nos porque é tão especial, de todos os jeitos. Morte longa a Sopor Aeternus & the Ensemble of Shadows!

    Melhores faixas: You Cannot Make Him Love You, The Boy Has Built a Catacomb, Bang-Bang, Carnival of Souls

    20.
    I prefer your love to Jesus



    Artista: St. Vincent
    Álbum: St. Vincent
    Gênero: art pop, baroque pop, alternative rock
    Origem: Tulsa, Oklahoma, United States ()

    Em seu quarto álbum de estúdio, Annie Clark consegue criar o balanço perfeito entre experimentalismo e acessibilidade. Sua guitarra explosiva e vários elementos que podem ser considerados experimentais são misturados com a doçura e a pegajosidade do pop, que cria ganchos muito divertidos e melodias agradáveis e marcantes. As letras existencialistas garantem uma análise profunda e uma audição mais detalhadas, mas ao mesmo tempo tem refrões pop e que deixam a música mais digerível para ouvintes casuais - que consequentemente poderão se sentir interessado pelas músicas e virarão fãs. St. Vincent consegue se balancear entre ambos os mundos de maneira harmoniosa e hábil, sem pender demais para nenhum dos dois lados. Temos músicas sobre a ociosidade da rotina em Birth in Reverse, uma crítica inteligente a era digital em Digital Witness, uma música sentimental para sua mãe em I Prefer Your Love, encaixada junto com a esquizofrênica Rattlesnake e a insana Bring Me Your Loves.

    Com seu cabelo de algodão doce, sua voz doce, suas letras ácidas e sua guitarra inteligente, St. Vincent mostra em seu trabalho mais recente que é uma das cantoras mais competentes e mais sábias da música no momento.

    Melhores faixas: Rattlesnake, Birth in Reverse, Digital Witness, Bring Me Your Loves

    19.
    No excuse for behaviour that no one can defend



    Artista: Neneh Cherry
    Álbum: Blank Project
    Gênero: trip-hop, alternative hip-hop, alternative rnb
    Origem: Stockholm, Sweden ()

    No final dos anos 80, Neneh Cherry estreeou com seu single "Buffalo Stance" e com o álbum "Raw Like Sushi", o single fez muito sucesso na época e catapultou a sueca para um nível alto, com seu hip-hop mais experimental. Agora em 2014, ela volta depois de mais de uma década sem trabalho solo. Com uma instrumentação mais minimalista possível (Across the Water só tem uma batida e uns chocalhos ocasionais) e uma energia bruta e raivosa, Neneh soa mais relevante que nunca em seu novo trabalho. Suas letras são o trabalho de uma mulher de 49 anos, preocupada com a vida com filhos e contas a pagar, mas sua voz e a força passada por seu rap mostram alguém no auge da sua juventude. O produtor Four Tet e RocketNumberNine ainda deram uma aparência mais industrial e agressiva nas batidas de algumas músicas, como Blank Project e Weightless. Ainda temos uma colaboração com sua conterrânea, Robyn em "Out of the Black". Todas as 10 faixas do álbum são grudadas e encaixadas de maneira que tudo soe apressado e cru. Talvez porque tenha sido mesmo, o álbum foi gravado em apenas 5 dias. Por fim, em Blank Project, Neneh faz seu comeback de maneira épica e nos deixa esperando pelo que pode vir a seguir.

    Melhores faixas: Across the Water, Weightless, Blank Project, Out of the Black


    18.
    A child breaks the ice and peers into the hidden depths, to try to untangle the whole of this unholy mess. Well I have no doubt they will figure it out one day



    Artista: Marianne Faithfull
    Álbum: Give My Love to London
    Gênero: alternative rock, blues rock
    Origem: Hampstead, London, England ()

    Marianne Faithfull é a fênix do rock alternativo, depois de alguns anos sem trabalhos muito relevantes, apenas de covers, ela lançou o icônico Broken English que mostrava uma sonoridade bem mais madura e com mais personalidade, um verdadeiro clássico... Depois disso, ela acabou se metendo em problemas como heroína e ficou realmente mal, lançando poucos álbuns realmente bons. Muitos já a davam como "acabada", até que ela se renovou completamente no final dos anos 90 se juntando a contemporâneos do gênero como Beck, Billy Corgan, PJ Harvey e Nick Cave e criando álbuns ótimos e que se equiparavam com o seu ápice... Agora em 2014, depois de dois álbuns de covers, ela lançou um álbum maravilhoso: Give My Love to London, o álbum contêm músicas escritas pela própria, assim como renomados artistas. A interpretação de Marianne das músicas ora agitadas, ora melancólicas são de tirar o fôlego, com sua voz rouca, dolorida e cativante, ela pode fazer você se mexer com as agitadas True Lies e a faixa título, mas como comover e encantar com a arrepiante Late Victorian Holocaust, uma das melhores músicas do ano. O novo trabalho de Faithfull mostra uma artista cada vez mais revigorada e forte, não foi tão reconhecida como o seu trabalho de 1978, mas com certeza se equpiara ao mesmo e se fosse lançado na época, seria um clássico instântaneo. Give My Love to London é simplesmente majestoso e elegante, de uma artista que não sairá da cena musical tão cedo e que mostra um comprotimento real com seu trabalho.

    Melhores faixas: Late Victoria Holocaust, Sparrows Will Sing, I Get Along Without You Very Well, Give My Love to London

    17.
    Someone here's a lie, somewhere underneath, caught between the railing, mirroring the beat. I no longer feel and the years asleep. Show no sense of hope, staring honestly.



    Artista: James Vincent McMorrow
    Álbum: Post Tropical
    Gênero: alternative folk, soul
    Origem: Dublin, Ireland ()

    Embora a capa remeta a verão e praia, o álbum tem uma sensação congelante, James Vincent engloba as 10 músicas do álbum numa sonoridade folk experimental do Bon Iver com o R&B alternativo de James Blake. Sua voz demonstra tons de em um gelado desespero, suas interpretações quase teatrais de algumas músicas como Glacier e Red Dust são de tirar o folêgo, muitas emoções são transmitidas no decorrer do álbum e todas elas são envoltas num cobertor de melancolia causada pela incrível voz de falsetto de James Vincent, a fina superficie delicada deixada por ela em cima de suas músicas. O álbum tem um tom minimalista em sua produção, mas soa grandioso. No mais, Post Tropical é um incrível álbum que exalta as emoções ao máximo e que te deixa extasiado em seu final, como se toda a dor passada pelo vocalista entrasse em seu peito.

    Melhores faixas: Glacier, Cavalier, Red Dust, Gold

    16.
    I know the, all the things you want. A change in time will haunt you. The comfort is no longer present



    Artista: Sleep Party People
    Álbum: Floating
    Gênero: dream pop, shoegaze, ambient
    Origem: Denmark ()

    Sleep Party People é definitivamente uma banda única, seu estilo de música como se fossem pequenas canções de ninar de uma dimensão alternativa, o vocal editado ao extremo, para soar como realmente um ser entre mundos e que veste máscara de coelhos em seus shows. Em seu terceiro álbum eles continuam com a essência de seus anteriores, mas com uma variedade musical maior. Com um vocal um pouco menos editado em algumas músicas, eles deixaram sua música mais pesadas com bastante influência de post-rock e do shoegaze, diferentes das suaves melodias folks de seu primeiro álbum. A essência contrastante de pertubador e atraente continua, mas em outro nível. Com músicas que exploram mais sua própria estrutura como a sequência I See The Sun e I See the Moon e a apocaliptica Death is the Future, Sleep Party People mostra que a banda mudou drasticamente, mas continua a mesma. Floating é uma evolução na sonoridade de uma banda com um trabalho extremamente interessante e peculiar no mundo da música.

    Melhores faixas: Only a Shadow, Scattered Glass, Change in Time, Death is the Future

    15.
    Every day is every day, can't tell one from the other. Wait to fall at the end of it all as stones skip across the water



    Artista: Vashti Bunyan
    Álbum: Heartleap
    Gênero: dream folk, freak folk
    Origem: Newcastle, England ()


    Vashti tem uma carreira um tanto quanto diferente, depois de lançar seu primeiro álbum e não receber nenhum tipo de atenção pela mídia ou pelo público e ser desencorajada por pessoas próximas, Vashti desistiu de buscar uma carreira e foi viver uma vida normal, muitos anos depois, no começo dos anos 2000, seu álbum virou algo como um item de colecionador e ganhou seguidores e admiradores pelo mundo todo. Principalmente depois de artistas como Joanna Newsom, Josephine Foster e Sufjan Stevens declararem terem sido influenciados por ele... Vashti tomou conhecimento desse súbito e tardio reconhecimento do álbum quando uma cópia dele foi vendida por mais de 2 mil doláres no e-bay. Ela relançou o álbum e lançou um segundo álbum em 2005, mais de 40 anos depois do seu primeiro. Agora, com Heartleap, ela lança seu terceiro e último álbum. Enquanto é triste saber que talvez uma artista tão incrível não venha a fazer mais álbuns, é reconfortante saber que é possível ouvir esse ótimo álbum. Heartleap mostra uma Vashti mais melancólica que nunca, mais íntima que nunca. O álbum é uma meditação capaz de te fazer desligar do mundo a sua volta. Os simples acordes seja de piano ou de violão, acompanhado de uma voz serena e reconfortante torna Heartleap um dos álbuns mais íntimos que você poderá ouvir. Heartleap pode ser um adeus, mas soa como uma das melhores e mais marcantes despedidas que ela poderia fazer.

    Melhores faixas: Across the Water, Blue Shed, Jellyfish, Mother

    14.
    A devil's hand across my heart as we dance through the dark. So go ahead, go ahead, love me deep, until you can't



    Artista: Lykke Li
    Álbum: I Never Learn
    Gênero: alternative pop, folk pop
    Origem: Ystad, Skåne, Sweden ()

    O novo álbum de Lykke Li assim como o amor, tem o poder de encantar pelos seus defeitos e falhas, mais do que sua produção ou composição no geral, guiada pela exótica e torturada voz de Lykke, o álbum contêm 9 baladas cheias de emoções desformemente esparramadas pela sua produção e enquanto as letras são realmente cinzas e mostram a realidade de uma alma quebrada, talvez muitas vezes, pelo amor, é a interpretação de Lykke que causa o maior impacto no ouvinte, com sua voz dolorosa e de díficil apreciação numa primeira exposição a ela, tem a capacidade de ecoar em sua mente depois de uma viagem pelos eneblinados lamentos amorosos de Li. Enquanto por fora, as canções possam parecer geladas e repelentes, elas acabam te envolvendo em seu manto de solidão e desolamento, que por fim acaba sendo aconchegante se você deixá-lo penetrar em sua alma. Talvez alguns tenham ficado decepcionados pela pouca variedade musical do álbum, que é marcado por canções simples e acústicas, sendo geralmente guiada por um violão gracioso como em I Never Learn e na estridente Love Me Like I'm Not a Made of Stone ou por um piano melancólico, essa linha só é quebrada por Gunshot que talvez seja a canção mais pop do álbum, mas que não tira toda sua arrebatadora emoção, mas acredito que tudo nesse álbum é sobre o coração de Lykke e ela o despejou completamente nele, talvez tenha sido uma forma de extravasar esses sentimentos presos em sua mente para conseguir prosseguir com sua vida e trabalho de maneira menos dolorosa. De qualquer forma, embora I Never Learn possa soar como uma faca enfiada em seu estômago que então é lentamente retirada, talvez seja o álbum mais acolhedor e agradável de se ouvir de Lykke até agora.

    Melhores faixas: Love Me Like I'm Not Made of Stone, Never Gonna Love Again, I Never Learn, Gunshot


    13.
    Don’t let me show cruelty, though I may make mistakes. Don’t let me show ugliness, though I know I can hate. And don’t let me show evil, though it might be all I take



    Artista: Hundred Waters
    Álbum: The Moon Rang Like a Bell
    Gênero: folktronica, chillwave, dream pop
    Origem: Gainesville, Florida, United States ()

    Em sua diferente e peculiar sonoridade, Hundred Waters cria uma dimensão alternativa com "The Moon Rang Like a Bell", com uma voz delicada e aguda, as faixas são construídas por letras muitas vezes difíceis de decifrar ou apenas suspiros como em Out Alee. O álbum tem uma produção impecável que mistura elementos acústicos eletrônicos numa dança harmoniosa e num equilibrio incrível entre uma enchurrada de emoções e uma brisa suave. Os vocais e o instrumental se misturam e se tornam um só, fazendo com que se você quer apreciar o álbum completamente, é estritamente necessário não tratá-los como algo separado... Provavelmente a faixa mais intíma do álbum seja Broken Blue, a gravação do piano da música foi feita pelo SKype (dá para perceber o riso da vocalista segundos antes da música começar) e o piano sooa bem quebrado e um pouco chiado, algo que eles decidiram não mudar na produção final do álbum, resultando numa faixa lo-fi de uma beleza estranha e um pouco disforme. E acredito que isso possa servir para o resto do álbum, uma beleza disforme, mas que mesmo assim consegue transmitir incríveis sentimentos e soar harmonioso.

    Melhores faixas: Murmurs, Cavity, Broken Blue, Chambers (Passing Train)

    12.
    What lies beyond the fring of the woods?



    Artista: iamamiwhoami
    Álbum: BLUE
    Gênero: synthpop, experimental pop
    Origem: Stockholm, Sweden ()

    No clipe de fountain, a primeira música a ser lançada do trabalho, podemos ver o "cubo" que representou o álbum "kin" sendo queimado na fogueira e suas cinzas serem jogadas no mar, é visível que a transição entre as duas eras é bem significativa e representa um novo começo para o misterioso projeto. Embora BLUE não tenha aquela áurea de mistério presente nas outras eras, com a sensação estranha de não saber quem canta as músicas e quem é a peculiar figura que pula de um lado pro outro nas florestas do clipe, ele consegue passar uma sensação incrível de clareamento.

    É como se durante bounty e kin nós estivessemos na obscuridade da floresta, apenas guiados pela exótica voz, sem saber quem ela realmente é e em BLUE nós conseguimos sair da floresta e o ser se revela para nos mostrar muito mais de seu mundo. As outras eras tinham o foco na floresta, na densidade e nos esconderijo das matas e em BLUE nós temos a sensação de paz e de força das águas. O álbum todo tem uma sensação bem aquática, os sintetizadores parecem tomar formas de ondas, ventos marítimos e pode causar até mesmo o cheiro de maresia. E talvez seja essa sinestesia de transformar sons eletrônicos em elementos da natureza que seja a parte mais cativante de todo o projeto. Seja pela imponente fountain, pela brilhante vista, pela misteriosa e sedutora shadowshow ou pela dançante ripple, BLUE te encanta de muitas maneiras e mostra um lado mais claro e revelador de iamamiwhoami, como se fosse um começo fresco e novo para o projeto. Os enigmáticos vídeos com belas paisagens da Islândia só reforçam a idéia do magnetismo natural que esse álbum tem e são um complemento essencial para o álbum. BLUE, muito mais que uma continuação, é um novo começo e esperamos que muitas coisas sejam feitas a partir desse começo.

    Melhores faixas: shadowshow, fountain, hunting for pearls, the last dancer

    Aqui podemos observar um empate técnico, pois não quis deixar o da Alice fora do top 10, então ficam os dois na décima posição

    10.
    Como vês o amor vai carregar as coisas na hora que ele chegar. Vai levar tudo que conseguir, chutando as paredes que eu construí



    Artista: Alice Caymmi
    Álbum: Rainha dos Raios
    Gênero: pop alternativo, mpb
    Origem: Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil ()

    O timbre marcante e versatilidade da voz de Alice Caymmi fazem suas interpretações de músicas famosas soarem como músicas de autoria própria, Alice interpreta com maestria todos os ritmos e dá sua própria personalidade a grandes músicas de Caetano, Maysa e até mesmo do MC Marcinho. O poder que ela passa por sua imponente voz é digno de uma rainha dos raios, como ela se apropria e dá um significado novo e totalmente diferente para Homem de Caetano, a delicadeza e devoção em Princesa, a fragilidade, mas confiança de Meu Mundo Caiu, sem falar da indescritível emoção na interpretação de Iansã. Tudo no álbum soa como alguém que sabe o que está fazendo e está no caminho certo para ser uma grande artista. Existem duas músicas de autoria própria no álbum, Meu Recado e Antes de Tudo, que infelizmente eu considero as mais fracas do álbum, a composição dela precisa amadurecer e tomar rumos mais abstratos e poderosos como sua voz e sua interpretação magnífica, claro que não é nada que interfira na qualidade do álbum diretamente, mas acredito que ela tem muito futuro e seus próximos álbuns terão uma melhora nesse aspecto. Outro ponto que é interessante ser citado, é a hipnotizante produção do álbum, de muita qualidade para um álbum brasileiro, a instrumentação é perfeitamente colocada e dão todo um clima requintado para o álbum, algo que mistura o acústico, com orquestra e música eletrônica. Alice Caymmi com certeza trouxe uma das melhores surpresas, tanto na música nacional, quanto no geral para mim. Rainha dos Raios mostra uma grande promessa e talvez até o futuro da música pop brasileira, assim eu espero.

    Melhores faixas: Como Vês, Homem, Iansã, Princesa

    10.
    Darling miss delilah While you're wasting your days alone, all your friends are hired, all your friendships are fading. Don't try to cheat the dial, don't look the other way, it could play out wrong. Are you suicidal?



    Artista: Azealia Banks
    Álbum: Broke with Expensive Taste
    Gênero: hip-house, alternative hip-hop, witch hop
    Origem: Harlem, New York, U.S. ()

    Quase uma lenda urbana, o álbum de estreia da rapper Azealia Banks foi finalmente lançado depois de quase 3 anos de espera e muitas discussões, brigas com gravadoras, shades, singles promocionais lançados e ameaças de vazamento. Embora tudo isso possa contribuir para o desgaste do artista e a perca do interesse pelo mesmo, Azealia conseguiu contornar a situação muito bem, primeiramente por sair da sua gravadora sem ceder aos seus desejos de hit, depois por lançar seu álbum sem nenhum tipo de aviso prévio, no entanto nada disso foi mais impactante que a real qualidade do álbum. Azealia entregou aos seus fãs o que eles estavam esperando, um álbum de rap original que mistura elementos do hip-hop com batidas de witch house e o balanço certo entre experimentalismo e música pop. No álbum vemos uma gama de gêneros sendo explorados, temos uma lambada com letras em espanhol em Gimme a Chance, elementos de house em Ice Princess, trap music em Heavy Metal and Reflective e até mesmo surf rock no cover de Ariel Pink "Nude Beach a Go-Go".

    Em seu álbum de estreia, a rapper do Harlem mostra porque é uma das melhores no que faz atualmente e porque é uma das rappers versáteis da atualidade, com uma sonoridade autêntica e uma personalidade forte que pode afastar algumas pessoas, mas que mostra quem ela realmente é e como não está nem ai para o que pensam dela. Broke with Expensive Taste não é exatamente uma revolução musical, mas com certeza é um marco na história do rap e que mostra como um artista não deve depender da aprovação de uma gravadora grande e seguir seus princípios. Broke with Expensive Taste com seu flow ágil, suas rimas criativas e ácidas mostram que Azealia está realmente impondo seu estilo sobre os clássicos e os renovando de uma maneira interessante. Actually, Broke with Expensive is The Real New Classic!

    Melhores faixas: Gimme a Chance, Desperado, JFK, Idle Delilah, 212, Wallace


    09.
    No family is safe when I sashay



    Artista: Perfume Genius
    Álbum: Too Bright
    Genêro: chamber pop, experimental pop, lo-fi
    Origem: Seattle, U.S. ()

    Em seu terceiro trabalho de estúdio, Mike Hadreas volta com um trabalho mais produzido e chamativo, mas igualmente sensível e vulnerável como os anteriores. Suas melodias acústicas de piano guiadas por sua melancólica e delicada voz são geralmente quebradas por músicas com elementos mais tensos e desconfortantes como a obscura My Body ou a estridente Grid que com seus gritos aterrorizantes cria uma atmosfera incrível e muito interessante. Temos também uma aproximação mais "pop" com a faixa Queen, que tem indiscutivelmente uma das melhores letras de 2014. Longpig também se desvencilha da comum áurea "calma" do álbum, com sintetizadores constantes e tambores marcantes e um vocal mais experimental que as outras faixas. I'm a Mother tem uma performance vocal mais profunda e um tanto quanto obscura, com um vocal mais introspectivo e abafado, quase num sussuro por sua vida. Too Bright é um belo misto de beleza, delicadeza, raiva, libertação. Com letras sobre ser odiado por quem você realmente é, as dificuldades de aceitação pessoal e auto-depreciação e instrumentais poderosos de uma forma simples e restringida, Too Bright brilha nas emoções e pela mensagem que o álbum passa, mais do que por suas características no geral. Too Bright passa por momentos aterrorizantes, melancólicos e angelicais, tudo guiado pela incrível artisticidade de Mike Hadreas e sua voz que jorra emoções por cada sílaba cantada. Too Bright é brilhante de sua própria forma, não de uma forma ofuscante, mas sim de forma reconfortante.


    Melhores faixas: Queen, Grid, I'm a Mother, My Body, Fool, Too Bright


    08.
    This is my last kiss antes de dizer que acabou. Sei que ninguém quis, mas hoje eu matei meu amor



    Artista: Thiago pethit
    Álbum: Rock'n'Roll Sugar Darling
    Gênero: alternative rock, dance-rock
    Origem: São Paulo, São Paulo, Brasil ()

    Thiago Pethit parece uma pessoa em constante mudança e seus álbuns representam essa mudança. Em "Berlim, Texas" Pethit mostrava um lado mais frágil, cantando músicas acústicas simples sobre amor com uma murmurada e tímida voz, já em Estrela Decadente (que foi um dos meus favoritos de 2012) ele mostrava um lado mais teatral, esbanjando interpretação em músicas como Surabaya Johnny e Devil in Me... Já em seu terceiro álbum de estúdio, Pethit adota uma atitude mais ousada, algo que ele adotou logo no vídeo para Moon que retrata prostituição masculina. A sonoridade do novo álbum, assim como o título implica, é um "Rock 'n Roll açucarado", as guitarras estão mais evidentes e marcadas, como na faixa título. Ele também mostra um lado mais dançante em "Quero Ser Seu Cão" que é uma sarcástica música de amor/devoção, o álbum varia bastante como na balada "Save the Last Dance", mas continua na mesma vibe sempre, tornando um álbum um muito bem estruturado e construído... O auge chega em Voodoo, quando Pethit parece receber uma entidade da Rita Lee no tempo dos Mutantes e começa a gritar desesperadamente, de uma forma extasiante, só para depois falar que "O inferno é aqui". Um ponto interessante também é a mistura de inglês e português na música, as vezes numa mesma frase ele canta nas duas línguas e isso é feito com tanta naturalidade, que você pensa que ele continua cantando na mesma língua. Suas letras também adotaram uma forma diferente, menos contraídas, ele fala as coisas de formas mais despudoradas e explicitas. O álbum é fechado de forma maestral com a profunda Story in Blue, que só explicita a versatilidade de Pethit e como a música brasileira tem ótimos representantes hoje. Rock'n'Roll Sugar Darling é uma evolução musical e um álbum viciante e extremamente bem executado, merece aquela chupada deliciosa no Rock'n'Roll sim <3

    Melhores faixas: Voodoo, Quero Ser Seu Cão, Rock'n' Roll Sugar Darling, Romeo, Story in Blue

    07.
    Was it a dream or something sinister?



    Artista: Marissa Nadler
    Álbum: July
    Gênero: dream folk, freak folk
    Origem: Massachusetts, United States ()


    Ouvi esse álbum algumas vezes durante o ano, mas não tinha conseguido pegar exatamente o que ele transmitia nessas vezes. Até que praticamente de última hora, eu resolvi ouvir ele num dia chuvoso e frio e tudo pareceu claro. Acabei ouvindo 5 vezes seguidas naquele dia.

    Marissa Nadler com suas baladas acústicas e fantasmagóricas e sua voz etérea e hipnotizante soam como um sopro de vento gelado da madrugada que arrepia todo o seu corpo, enquanto você luta para se esquentar debaixo das cobertas. O clima atmosférico e sublime deixa rastros por sua mente, aonde sua voz que recita letras tão trágicas, mas tão acolhedoras ecoam por todos os cantos obscuros e solitários dela. Como um fantasma vagando pelos corredores de uma igreja abandonada, Marissa flutua sobre os azulejos desbotados e contempla aquele local que antes recebeu tantas pessoas e tantas esperanças e agora não se ouve um clamor sequer.Ela observa os vitrais descoloridos, antes tão brilhantes, olhando o mundo lá fora, enquanto ela está aprisionada naquele local frio e sem vida. Relacionem isso com o interior psicológico de um ser humano e o que vocês têm é uma grande analogia, ao vazio e a ociosidade da tristeza e da solidão.

    Embora a produção de seu álbum possa fazê-lo parecer com um sonho, ele é na verdade quase um pesadelo, mas um pesadelo suave e encantador, que te seduz sorrateiramente que quando você finalmente percebe, está tão inerte em sua atmosfera que você só se deixa levar por ele. Não que isso em questões musicais seja algo ruim, o tom fantasmagórico e obscuro só dá um outro ponto de vista sobre o álbum, que é trágico e gelado, mas extremamente acolhedor.


    Melhores faixas: Drive, Firecrackers, Nothing in My Heart, Holiday In, Dead City Emily

    06.
    And I know that the phantoms on the edge of my dreams are shapes I created but they still disrupt my sleep. An idea growing quietly from something within spreads quicker than the cancer that destroyed your mother's skin



    Artista: Lo-Fang
    Álbum: Blue Film
    Gênero: art pop, alternative soul
    Origem: Columbia, Maryland, United States ()

    Fruto de três anos de trabalho e gravações em lugares ao redor do mundo todo, até mesmo Camboja, Blue Film apresenta a musicalidade de Lo-Fang, pseudônimo de Matthew Hermelein. O mesmo sabe tocar 7 instrumentos, incluindo piano, violino e violoncelo e tocou todos instrumentos presentes no álbum, criando uma sonoridade mais íntima e sincera, acompanhada da sua voz de falsetto frágil e sensual.

    A sonoridade é um tanto quanto intricada, passando de um rnb eletrônico para uma peça acústica e suave em poucos minutos, algumas faixas tem enxertos de música clássica inseridas em seu meio, derivadas do treinamento clássico que Matthew teve desde criança. O álbum passa por muitos climas, muitos deles bem desconfortantes, como o cover distorcido e pertubador de Boris, que com suas letras predatórias soam mais sombrias quando cantadas de um ponto de vista masculina do que do ponto de vista feminino da sua banda original (BOY), a faixa título que praticamente narra o making of de um filme pornô caseiro (Blue Film = filme pornô), a obsessão detalhista de Confusing Happiness ou distância amorosa que enuvia nossos pensamentos de When We're Fire.

    De muitas maneiras, o debut de Lo-Fang soa como algo familiar, mas único ao mesmo tempo, como se canções pop passasem por dentro de um prisma artistico, cheio de cores, sensações, climas e instrumentações diferentes e tornassem algo mais ambicioso, mas ainda mantendo a acessibilidade do pop. Canções como #88 e Look Away são ainda mais interessantes, pela maneira de como elas se modificam através de toda sua duração, a primeira sendo uma peça épica de 7 minutos, passando por uma variedade enorme de colorações e climas, indo dum dançante synthpop, para um sensual rnb, alguma coisa perto de uma sinfonia, para terminar numa canção folk aveludada.

    Por fim, fica Permutations, uma faixa mais calma e solitária que termina o álbum com a frase "And I look to the future as it blooms", passando a mensagem que Blue Film é apenas o começo e que o futuro musical de Lo-Fang está a desabrochar e que ele ainda tem muito do seu potencial as nos mostrar.

    Melhores faixas: Look Away, #88, Boris, When We're Fire, Blue Film

    05.
    I love you the first time, I love you the last time. Yo soy la princesa, comprende mis white lines,'Cause I'm your jazz singer and you're my cult leader. I love you forever, I love you forever



    Artista: Lana del Rey
    Álbum: Ultraviolence
    Gênero: alternative rock, chamber pop
    Origem: Lake Placid, New York, U.S. ()

    Lana del Rey talvez seja um dos fenômenos mais interessantes da música atual, desde sua "explosão", ela vem sido cultuada como uma religião de um lado e odiada como se fosse a segunda queda de Lúcifer do céu pelo outro (as intesidades variam). Se ela é tudo isso ou não, são questões relativas, mas a verdade é que para mim, Ultraviolence foi um álbum definidor de carreira para Del Rey, enquanto Born to Die foi um incrível álbum e um tanto quanto impressionante debut, Ultraviolence mostra a maturação do som em algo que resista mais ao tempo e que prove sua integridade artistica. O álbum produzido por Dan Auerbach, contêm uma sonoridade mais introspectiva e orgânica que o debut da cantora, esqueça as batidas de hip-hop, os sintetizadores mais upbeat ou a voz aguda e infantil como em Off to the Races ou This What Makes Us Girls, o que nos é apresentado é um trabalho mais focado nas guitarras, no vocal profundo e quebrado de Del Rey e a sensiblidade passada enquanto as letras sobre amor intenso e sentimentos de queria-estar-morta são declamadas em músicas que exploram-se e duram muito mais que sua típica canção pop.

    O álbum tem um tom cinza, que remete aos final dos anos 60 e começo dos anos 70 e tem uma estilização mais com a cena folk/hippie da época do que com o estilo pomposo e elegante das divas dos anos 50 de seu álbum anterior, isso é algo retratado principalmente em Brooklyn Baby, aonde a cantora fala "They think I don't understand the freedom land of the seventies". O álbum começa com a épica e um tanto quanto psicodélica Cruel World, que em seus 7 minutos mostra um emaranhado de sentimentos e de sensações, como as de estar rodando em volta de uma fogueira. Logo depois temos as sentimentais Shades of Cool e Brooklyn Baby que tem um clima mais rock alternativo, a primeira sendo uma declamação de amor por alguém inalcançavel ou endurecido pelo tempo e a segunda uma declaração de amor intenso com uma pitada de indireta as pessoas que estão julgando seu relacionamento. O álbum segue o ritmo de rock alternativo, com a entorpecente West Coast, uma mistura de surf rock com o estilo mais lento de Lana, que soa muito bem aos ouvidos e pode ter sido um dos melhores lead singles do ano. Sad Girl e Pretty When You Cry são os momentos mais depressivos do álbum (sim, elas estão bem no fundo mesmo), Sad Girl tem seu título auto-explicativo, enquanto Pretty When You Cry é uma magnifica e frágil canção, com talvez uma das interpretações mais sinceras e com as melhores guitarras do álbum. Money Power Glory e Fucked My Way Up to the Top são canções com um tema lírico mais ligado a luxúria, sendo a segunda mais polêmica, com a cantora admitindo que dormiu com muitos até o seu estrelato e dando algum shade em alguém que a tentou impedir de chegar aonde está agora. "I'm a dragon, you're a whore, don't even know what you're good for". O álbum termina com duas músicas que estilisticamente lembram seu primeiro álbum, Old Money e The Other Woman, Old Money tem um ar mais elegante enquanto The Other Woman é um cover estonteante de Nina Simone, sua voz realmente soa como uma diva do jazz dos anos 50 enquanto canta as sofridas letras sobre rejeição. Lana também disse que essa música é a ponte que liga o Ultraviolence com o seu sucessor, o que já atiça minha ansiedade desde já.

    Em questões líricas, talvez Del Rey não tenha evoluído muito, fazendo uso extenso de seu "banco de palavras" como "free", "wild", "baby", "daddy" entre tantos outros que viraram sua marca registrada, mas mesmo assim o álbum consegue soar como uma evolução e mais do que isso, como uma afirmação de que a cantora realmente está aqui para ficar(Depois de muitos boatos de sua saída do cenário musical depois de seu debut). Por fim, o álbum e nem Lana talvez tenham sido as coisas mais originais do cenário ou as mais autênticas, mas o álbum é extremamente cativante, bem produzido e exala uma sensação impertinentemente diferente no cenário pop atual. Lana pode não ser amada por todos, mas com certeza fica guardada num lugar especial do meu coração.

    Melhores faixas: Brooklyn Baby, Cruel World, Pretty When You Cry, The Other Woman, West Coast, Shades of Cool

    04.
    Is your steel true? Have you an iron will? Have you mastered the laws that nature has built? Because I am no man, but I am alive, and I am no dog, I am a wolf



    Artista: Esben and the Witch
    Álbum: A New Nature
    Gênero: post-rock, post-punk, experimental rock
    Origem: Brighton, England ()

    Temos aqui um caso de uma banda que evolui mais e mais com cada álbum lançado, em seus dois álbuns anteriores eles tinha uma aproximação maior com o dream pop etereo influenciado diretamente por Cocteau Twins fundido com uma pitada de post-rock e new wave, mas embora sendo ótimos álbuns, com uma sonoridade bem produzida, ainda não soava como um trabalho completamente da banda. Faltava algo, uma conexão maior entre o trabalho e o sentimento dos artistas que estão reproduzindo esse trabalho, falta confiança. E em "A New Nature" eles alcançam essa confiança e comprotimento com seu trabalho. A sonoridade é radicalmente diferente, tira-se o dream pop e o new wave, a pitada de post-rock vira um dos elementos principais e adiciona-se doses imensas de noise rock e experimentalismo, algo com mais guitarras, mais percussões marcantes e uma emoção derramada como um tsunami pelos vocais poderosos e ecoantes. Imagine Swans, só que cantado pela PJ Harvey. Essa é provavelmente a vibe que Esben and the Witch vai te passar.

    O terceiro álbum da banda, mostra realmente um renascimento, uma nova natureza para ela. Com uma sonoridade mais bruta, mais crua e agressiva, ela se mostra revigorada. O novo som da banda soa como uma revolução, o álbum tem uma atmosfera de perigo a toda hora, ele te põe no meio de um cenário pós-apocaliptíco, com momentos atmosféricos que já exalam suspense em cada nota, que já te avisam do perigo eminente, ele é quebrado por ocasionais tambores tribais, uivos e gritos de tirar o folêgo. É como se a banda estivesse num casulo durante toda sua carreira e só agora saísse dele. Como uma força da natureza, o álbum transmite a intensidade de um furacão e suas letras pesadas com metáforas estranhas e versos marcantes só reforçam a sensação de devastação interna que você sente ao ouvir o álbum em sua totalidade. O álbum é isso, uma devastação, como um real apocalipse estivesse acontencendo diante de seus olhos. Ora você está no meio dele, desviando dos perigos e lutando por sua vida indo aos limites da capacidade humana como em No Dog ou Blood Teachings, ora você está num local seguro - talvez não por muito tempo, vendo a destruição de longe, prédios caindo e tudo sendo levado. Mas nada se compara a "The Jungle", uma épica faixa de 14 minutos que apresenta um lento começo como um rastejar pela sua sobrevivência e depois explode com os vocais apocaliptícos de Davies, que se espalha como ventania e penetra profundamente em seu interior, a faixa é pincelada com solo de saxofone que dá um toque de esperança nesse cenário tão macabro que é pintado pelo álbum. Por fim, ele termina com Bathed In Light, uma calma e suave faixa que talvez simbolize o fim da destruição toda apresentada pelo álbum e talvez seja a faixa que mais passe a sensação que a capa passa, observar tudo num local destruído como um sobrevivente.

    O mais importante é: Não se afaste pela sonoridade devastadora do álbum, mas sim deixe o álbum te levar debaixo de sua ondas de confusão, ele não quer causar nenhum dano, ele quer uma transformação, uma renovação, ele quer rebelião.

    Melhores faixas: No Dog, Press Heavenwards!, The Jungle, Blood Teachings, Dig Your Fingers In

    03.
    Nothing feels like dying like the drying of my skin and lawn. Why do we just sit here while they watch us wither til we’re gone?



    Artista: tUnE-yArDs
    Álbum: Nikki Nack
    Gênero: freak folk, afrobeat, art pop
    Origem: New England, United States ()

    Merril Garbus foi ao Haiti para aprender a tocar instrumentos locais e a cultura do lugar. E ficouextremamente vísivel como isso influenciou e definiu completamente o som de seu terceiro álbum. Nikki Nack, título que não poderia definir melhor esse esse emaranhado de onomatopéias, pega a já única sonoridade dos álbuns anteriores e as elevam para um nível muito mais complexo e rico de detalhes

    O álbum é intenso, incansável e raivoso. Merril não para em nenhum segundo e os tambores tribais, os sintetizadores potentes, o baixo marcante se embaralham nessa reunião de sons estranhos e a voz exótica de Merril com seus gritos primitivos só servem para reforçar o clima cacofônico do álbum. As melodias são dissonantes, mas o álbum é completamente viciante e uma hora que você entra nesse caleidoscópio não há como sair. E é por isso que Nikki Nack é tão deliciosamente contrastante, sua sonoridade espalhafatosa pode repelir algumas pessoas, mas também pode ser o ponto definitivo para alguém ouvir o álbum de novo. Assim como descrito em Water Fountain, o álbum é um buquê, um buquê com uma gama de cores, culturas e sonoridades das mais diversas.

    No entanto, não pense que só porque a sonoridade do álbum seja tão aleatória, estranha e caótica que as letras também sejam. Na verdade, elas são até um pouco aleatórias sim, mas todas fazem completo quando você as entende. As letras atacam em várias áreas da sociedade e mais precisamente da sociedade americana como a busca incansável por beleza, privilégio de maiorias sobre minorias, a obsessão por trabalho e por dinheiro, entre muitos outros tópicos polêmicos que são tratados de forma brincalhona, sarcástica e interessante, com seus trocadilhos e sacadas inteligentes. Não vou entrar no mérito de discutir elas aqui, porque sinceramente, eu ainda não consegui compreender todas e mesmo as que eu compreendo, eu não consigo explicá-las com minhas próprias palavras. Mas fica a dica de não ignorar as letras e sim lê-las com atenção, porque elas enriquecem muito mais a experiência do álbum do que você pode imaginar.

    Por fim, nesse álbum Merril e suas canções inocentemente complexas a definem pelo que ela não é: Um modelo padrão feminino ocidental, ela se define falando que não é conformista. o álbum não tenta ser "perfeito" ou "bem produzido", é uma junção de coisas que podem soar erradas, irritantes, repelentes e criar até mesmo uma sonoridade que não soa boa aos ouvidos, mas talvez seja por esse mesmo motivo que ele é tão cativante e brilhante. Porque não tem ambições, ele não procura ser alguma coisa ou se definir em um gênero só. O álbum, assim como Merril, simplesmente é.

    Melhores faixas: Water Fountain, Real Thing, Wait for a Minute, Left Behind, Find a New Way, Hey Life

    02.
    I quit my dreaming the moment that I found you, I started dancing just to be around you. Here's to thinking that it all meant so much more, I kept my mouth shut and opened up the door



    Artista: Angel Olsen
    Álbum: Burn Your Fire for No Witness
    Gênero: dream folk, freak folk, lo-fi
    Origem: St. Louis, Missouri, United States ()


    Em seu segundo álbum, Angel Olsen muda o passo em relação ao anterior, a enxurrada de melancolia derramada por sua voz é diminuída em quantidade, não temos os apelos dramáticos e devastadores de Always Half Strange por exemplo, mas ela nunca é diminuída na veracidade e sinceridade.

    Num álbum que trabalha mais em algumas características do lo-fi, até tendo certa influência do garage rock em faixas como "Forgiven/Forgotten" ou em "Hi-Fve", faixas cuja as trágicas letras sobre solidão contrastam com as guitarras enérgicas, mas cadenciadas. Em outras, como "White Fire", no entanto, o efeito dominante é o entorpecimento causado pela instrumentação minimalista e a voz linear, hipnotizante e cheia de sinceridade de Angel que declama letras que devastam o coração até do mais frio ser humano. As faixas retêm uma mistura talvez não tão óbvia de gêneros, como o já supracitado garage rock, mas também o country com sua dose de alternativo. Angel Olsen soa como um pastiche de muitas coisas antigas, mas que passam pelo seu liquidificador de emoções e que se tornam algo novo, intenso e completamente autêntico. O álbum tem um poder de te segurar com seu clima sereno e você não consegue se desvencilhar de sua beleza e delicadeza até ele acabar. Digo por experiência própria, quando um dia eu estava ouvindo White Fire andando pela casa, quando parei perto de uma cortina do meu quarto e fiquei mexendo com ela enquanto ouvia a música, até que de repente minha mãe aparece na minha frente e eu quase morro de susto. Ela disse que estava a alguns minutos falando comigo e eu sequer me recordo do momento que entrei no quarto, de tão imerso que estava na incrível atmosfera que essa música me proporciona. É como se o álbum fosse um sonho, bonito, trágico, mas um sonho que te passa algo. Algo que você não sabe para o que é útil, mas sabe que é reconfortante para sua alma e coração. E a música quando é tão poderosa e nos mexe dessa maneira, é porque algo é realmente especial nela.

    Para completar, Burn Your Fire No Witness é uma representação serena e compassada de uma alma que é tudo, menos isso.

    Melhores faixas:White Fire, Unfucktheworld, Windows, Lights Out, Dance Slow Decades


    01.
    So lonely trying to be yours



    Artista: FKA Twigs
    Álbum: LP1
    Gênero: alternative rnb, dream pop, art pop
    Origem: Gloucestershire, England ()

    O som dessa artista é algo completamente indescrítivel, é díficil arranjar palavras para descreve-lo, essa sonoridade única me pegou de surpresa esse ano, essa artista me encantou lentamente - pois eu não me apaixonei na primeira audição do álbum, foi um processo lento até eu conseguir apreciar essa obra maravilhosa por completo.

    Para fazer essa review, vamos começar do começo: Começamos com Preface, a introdução do álbum já deixa claro o que será esse álbum, um emaranhado de sons estranhos, extremamente agudos, uma voz sensual, mas torturada e sofrida ao mesmo tempo e letras sobre um amor devoto, que suga toda a energia da pessoa e que demanda atenção completa para ele. Isso é deixado claro no repetido "I love another, and thus I hate myself", aquela sensação de nunca ser suficiente e de um amor ser um vício, uma droga que tira toda a suas forças e você não consegue se livrar. Preface é como se fosse um portal, um portal que te avisa que você entrando em território estranho e que você deve ter cuidado para não se surpreender com que virá a seguir - algo bem díficil, diga-se de passagem.

    Logo depois temos Lights On, que já explicita a o poder que tal amor tem sobre twigs "I shy away in my mind / In hopes in that I could share this place with you", apesar das letras simples, as músicas do álbum exalam sentimentos pesados em cada sílaba, ela diz no refrão que quando confiar nele, eles farão com a luz acessa e que ela contará todos os teus segredos, mostrando que antes ela tinha vergonha de si mesmo e que a pessoa não iria gostar dela - ou do seu corpo. A música que é a minha favorita do ano tem uma sonoridade obscura e sensual ao mesmo tempo, com o provocativo refrão, mas com a produção esquizofrênica e caótica, como se você se visse preso em uma caverna escura com vários morcegos guinchando em seu ouvido e você sem saber para onde ir, se perde cada vez mais na obscuridade das sombras dessa caverna. Lights On é sobre o amor ardente, que toma conta de todos seus sentidos

    Um amor tão forte, só poderia causar um sentimento de posse e exclusividade em quem ama, e isso é retratado em Two Weeks, com metafóras a falcões, corpos e corações abrindo e se rasgando, as letras são quase uma ordem, como se ela estivesse explodindo de raiva e demandando que ele só pertença a ela e a ninguém mais "Hi, motherfucker, get your mouth open, you know you're mine". A música é como uma mistura exótica do R&B de Aaliyah e o experimentalismo de Björk, criando uma sonoridade familiar, mas ao mesmo tempo instigante e encantadora. Two Weeks é sobre um sentimento de poder sobre a pessoa, sobre tentar ser melhor que todos os outros.

    Em Hours, temos de novo twigs explicitando o seu amor de extrema devoção e como ela tenta se modificar e tentar atender todas as demandas que seu amante a pede. Ela de novo demanda exclusividade, falando que será "Master of all your needs", e também fala da sensação entorpecente que ele causa nela, fazendo-a não sentir a passagem do tempo. A música começa em sussuros afogados numa produção introspectiva, para depois mostrar como um turbilhão de sensualidade e desespero. Sim, desespero, fazer de tudo para deixar a pessoa interessada em você e fazer de tudo para ela não deixar de te amar, não importem as circunstâncias. Hours é sobre o medo de parecer desinteressante e de ser deixada de lado

    Tal artimanhas e desespero para conseguir manter o amante interessado só poderia causar alienação a verdade e consequências devastadoras quando tudo vier a tona, Pendulum é como um cubo de gelo, que demonstra o derretimento do relacionamento e a percepção de twigs ao fato, que a deixa devastada. Ela se dedicou tanto a ele, o sufocou tanto que esqueceu de suas próprias necessidades, sua vida agora orbita apenas ao redor dele e ele não está mais interessado, pois talvez nunca tenha amado-a de verdade. Isso é retratado por uma das frases mais icônicas do álbum e numa música de amor "So lonely trying to be yours", ela representa a solidão de um amor que ela assiste lentamente derreter-se. Agora as memórias a torturam e o pensamento constante nele não deixam sua mente ocupar-se com outra coisa. Pendulum é a deterioração em forma de música, a forte pancada da queda na realidade.

    Numa quebra de tópico no álbum na exata metade do álbum, começa Video Girl. Se você não sabe, twigs é uma dançarina exímia e dançou em milhares de vídeos de artistas famosos. Numa entrevista, ela disse que ficou com uma reputação tão grande por sua dança, que os produtores de vídeos nem precisavam de uma audição dela para contratá-la. Twigs, tinha, no entanto, planos maiores do que ser uma dançarina de fundo, ela tinha um sonho de atuar como a principal de um vídeo. E a música é sobre isso, sobre a perseguição desse sonho, sobre as pessoas que tentaram a jogar para baixo, dizendo que ela não daria certo, para ela não sonhar muito alto para não cair depois. Também lida com o reconhecimento como a "Garota do vídeo", depois de sua reputação as pessoas começaram a chamá-la de "Garota do vídeo da Jessie J" ou coisas assim e então ela decidiu mentir e falar que não era ela, porque ela queria se livrar de tal imagem. O último verso "I can't recognize me" simboliza o conflito interno de transição entre alguém que fica apenas no fundo, sem muito reconhecimento e a atração principal. Video Girl é sobre determinação, sobre garra e sobre perseguir sonhos

    Voltando ao tópico central do álbum, Numbers simboliza ainda a dúvida que tem se era apenas mais uma para seu amante, repetindo números na letras para mostrar a insignificância de ser apenas "mais uma", na música com seus vocais ofegantes, ela explicita a dor com sua descoberta e num misto de raiva e amargura, faz ameaças ao amante, a música tem um contraste de tons e uma confusão que representa a confusão causada no coração e mente de twigs. Numbers é sobre se sentir insignificante e mal tratada, se sentir inferior e usada

    Depois do turbilhão de realidade e revelações descrito na música anterior, twigs tenta acalmar sua mente e achar uma solução para o relacionamento que está prestes a ruir. Em Closer ela revisita todos os momentos bons que viveu com seu amante e como ele ajudou-a a passar por seus momentos dificeis e como sempre a apoiou mesmo nas situações mais improváveis, ela descobre que não conseguirá se livrar dele e que fazer um caos da situação só levará a loucura, pois ele é realmente a pessoa para ela. Closer é sobre reconciliamento, sobre percepção do que está realmente acontecendo, é uma canção mais calma e menos intensa, como um flashback.

    Agora, em Give Up ela tenta consertar o que está errado em seu relacionamento e aceita que ela também não foi a pessoa que agia da maneira mais correta com ele e que talvez tenha até mesmo feito as mesmas coisas que ele fez. (lembrando que o álbum todo é pelo ponto de vista cego e alienado pelo amor de twigs) Em Give Up os dois chegam a conclusão que se o relacionamento continuar da maneira emprisionante e complicada que está, ele só causará danos para ambos. Ela percebe que ele não é totalmente culpado na situação e que não é diabo que ela pensou dele antes e que ele também sente a mesma dor que ela sente sobre o relacionamento. Ele diz que talvez seja melhor para ela, se ela desistisse dele. Mas com a confiança recuperada, ela fala para ele não desistir e levantar a cabeça. Ela está determinada a renovar seu relacionamento e dar a volta por cima. Give Up é sobre superação de problemas e renovação de algo que parecia já acabado, é sobre compreensão dos sentimentos do outro, sobre não se cegar para o que está acontecendo.

    Na última faixa do álbum, o relacionamento parece estar de uma forma diferente. Com ambos mais compreensveis para com os sentimentos e necessidades de um e do outro. A faixa fala do que ela sente quando está sozinha, quando está sem ele. E como ela não se sente mais tão isolada e vazia quanto antes sentia, agora ela não depende estritamente dele para viver e não se sente tão sem ar quando ele não está por perto. Pode fazer menção tanto a masturbação "I just touch myself, And i'll make my own damn way" como a percepção que o relacionamento agora é aberto e que ambos podem se relacionar com quem mais quiserem, talvez eles tenha percebido que só funcionaria dessa maneira, já que ambos são almas que não veem a necessidade de se verem acorrentados e com vergonha, algo que é representado bem nas primeiras faixas. Kick é sobre renovação, sobre chegar num ponto em comum, sobre finalmente encontrar paz de espirito e confiança em si mesma. Kicks fecha o álbum de maneira revigorante.


    E... É isso, LP1 retrata, como uma linha do tempo, o começo de um relacionamento doentio, a óbvia deterioração dele e depois a reconstrução em algo diferente e melhor. Eu interpretei-o como uma linha do tempo. LP1 é um álbum que foca nos detalhes, nos pequenos sons e elementos presentes e tem uma produção original e cativante. FKA twigs talvez tenha feito um dos debuts mais épicos do século XXI.

    Melhores faixas: Todas são magníficas, mas Lighs On, Hours, Pendulum e Kicks tem um destaquezinho maior no meu <3


    MELHORES FAIXAS
    (uma por artista)

    01. Angel Olsen - White Fire
    02. FKA twigs - Lights On
    03. tUnE-yArDs - Water Fountain
    04. Marianne Faithfull - Late Victorian Holocaust
    05. Sophie Ellis-Bextor - Cry to the Beat of the Band
    06. Chet Faker - Gold
    07. Perfume Genius - Queen
    08. Hundred Waters - Murmurs
    09. Alice Caymmi - Homem
    10. Tinashe - 2 On
    11. Lykke Li - Love Me Like I'm Not Made of Stone
    12. Lana del Rey - Brooklyn Baby
    13. BANKS - Brain
    14. Lorde - Yellow Flicker Beat
    15. Lo-Fang - Look Away
    17. Azealia Banks - Gimme a Chance
    17. Neneh Cherry - Across the Water
    18. St. Vincent - Rattlesnake
    19. Marina & the Diamonds - Froot
    20. iamamiwhoami - fountain
    21. Thiago Pethit - Quero Ser Seu Cão

    ÁLBUNS RUINS

    ATENÇÃO: Todos os textos apresentados a seguir contêm a minha OPINIÃO, não tento impor nenhuma delas a ninguém e não as trato como verdade absoluta. Se quiser discutir com civilidade qualquer ponto que discorde, sinta-se a vontade, mas sem ofensas pessoais. Lembre-se: Música é algo bem subjetivo. E atenção maior a essa parte, ela não é para ser levada tão a sério assim (embora eu realmente não goste dos álbuns), mas não tenho nada contra quem curta. É uma parte mais descontraída, as reviews não são tão "sérias"



    06.



    Artista: Troye Sivan
    Álbum: TRXYE


    OLHA, não sei o que vocês viram nesse muleque, sério mesmo. Logo quando eu vi uma chamade falando VENHA CONHECER A LORDE VERSÃO MASCULINA eu já pensei "Iiih, vai dar ruim" e sinceramente, sem graça demaaaaaais. Uma vozinha chata por cima de um popzinho travestido de folkzinho alternativo, eu nem tenho muito o que falar porque é tão chato que sem paciência, coloquei aqui pra considerar e dizer que esse menino nem chega perto da Lorde bjs.

    05.



    Artista: Charli XCX
    Álbum: Sucker


    O problema desse álbum da Charli não é nem a questão dele ser mainstream, porque se você for olhar por um lado não é tão farofado (tirando Boom Clap), mas a questão é que ele é ruim, a produção remete a um The Best Damn Thing 2.0, com aquela atitude vergonha alheia de "garotinha rebelde pop punk" que eu pensei que tinha sido deixada pra trás e umas letras terríveis que fazem meu estômago revirar ao ouví-las. Eu nunca curti tanto a XCX assim, sabe? Sempre achei ela a mais fraquinha dessa nova safra de cantoras pop """alternativas"""", mas eu curtia algumas músicas do True Romance tipo Nuclear Seasons, You're the One e etc, mas esse álbum chicletinho foi totalmente descartável.


    04.



    Artista: Mariah Carey
    Álbum: Mim. Eu sou Maraia... Uma Cantora de Mal Gosto


    Esse álbum não podia faltar aqui, porque eu adoro zoar a Moraia. Nunca gostei muito das músicas dela, ela em umas legais nos anos 90 e tal, mas nunca fez meu estilo e sempre foi uma das divas pop que eu menos curti. E não foi esse álbum que mudou minha mente, primeiro que agora ela tá sem voz completamente, e além de tudo, ela não faz nada de interessante nas músicas, parece que estagnou no tempo e ela ficou alienada pensando que essa breguice toda é boa. O álbum tem uma ou duas músicas legaizinhas, mas a maioria é bem redundante, mal produzidas, mal cantadas ou simplesmente ruins mesmo.


    03.



    Artista: Kylie Minogue
    Álbum: Kiss Me Once


    Eu nem digo que a Kylie morreu e foi substituída depois do Impossible Princess pq ela nunca fez álbuns muito bons antes dele também KKK (Tirando o self-titled da capa preto e branca), então a Kylie foi raptada no IP e substituida e depois soltaram ela. Enfim, gosto de albuns álbuns dela além do IP sim, o Aphrodite e o X são bons álbuns pop, mas nada de extraordinário. NO ENTANTO, esse aqui extrapola todos os níveis de chatice possíveis, com uma produção mais preguiçosa e genérica que tudo, com letras suuuuuuper variadas e pouco clichês (umas 4 músicas tem a palavra Sex ou variados no título) e com um vocal extremamente auto-tunado (Destaque para Beautiful com Enrique Iglesias que pode concorrer para o cargo de pior música de todos os tempos), Kylie afundou mais ainda nesse álbum que eu achei uma porcaria... Gosto da Kylie, acho ela fofa, mas esse álbum, ESSE ÁLBUM ficou muito ruim, não dá para defender praticamente nada, só uma faixa bônus que eu curti. Forçado ao extremo. Esse é daquele tipo de álbum que mereceu o flop.


    02.



    Artista: Lea Michelle
    Álbum: Louder


    Eu até simpatizo e acho a Lea Michelle talentosa, mas esse álbum é terrivel. Uma gritaria sem graça e sem emoção, de letras que não foram escritas por ela e por cima de um pop genérico, bem formulaico, entre a baladinha e o dançante que é um saco, com umas batidas de meia tigela e letras repetitivas. O álbum parece uma piada de mal gosto, não consegui salvar uma faixa sequer, todas doeram lá no fundo dos meus ouvidos e soaram além de ruins, sem graça. Não é aquele ruim que é divertidinho e você leva como guilty pleasure, mas é aquele ruim que não desperta interesse nenhum e nem te faz ter vontade de ouvir o álbum ou suas múiscas irritantes de novo.


    01.



    Artista: Igloo Australia
    Álbum: The New Satan in the Form of Mayonnaise


    O que falar dessa pseudocantorarapper que eu mal conheço, mas já detesto pakas??? Quando a Iggy era uma ninguém eu baixei o EP dela e tinha achado uma ou duas músicas legais, mas depois veio a fama e consequentemente os podres vieram a tona e eu vi o quanto ela era falsificada e uma desgraça para o mundo do hip-hop e da música, no geral. Vamos começar pelo talento, que é praticamente inexistente, não sabendo segurar praticamente nenhuma nota, mais sem folêgo que tudo, flow fraquissimo, além das suas rimas não serem escritas pela mesma... O que já deveria desqualificar uma rapper completamente, mas as pessoas resolveram ignorar esse fato. Se não bastasse o fato dela ser ofensiva por si só, a mídia resolve colocá-la como ícone do rap. Acho que a iggy é provavelmente uma das maiores farsas da história da música, não só pela falta de talento, mas também pela apropriação e o total desrespeito que ela tem com uma comunidade que ela se apossou da cultura para fazer sucesso. (Já sabemos que ela tentou dar uma de cantora pop, mas foi rejeitada). Antes eu só detestava as músicas dela, mas dado os recentes episódios, acho que é seguro dizer que eu tenho desprezo pela pessoa dela também. O álbum em si é uma bagunça cheia de clichês, com letras repetitivas, uma voz forçada e uma tentativa de personalidade que soa completamente falsa e moldada para ser algo vendável. Como sabendo que ela não se sustentaria no mundo do rap por si só, ela resolve chamar umas cantoras em ascenção como a XCX para fazer um refrão grudento para ela e conseguir fazer sucesso no mundo do pop. De qualquer maneira, esse é definitivamente o pior álbum do ano e eu espero que as pessoas consigam enxergar o quão terrível a Iggy é, porque não é possível. Visitem piggyazalea.tumblr.com e vejam com seus próprios olhos as barbaridades dessa pessoa. E por favor, sem fã da Igloo chorando aqui nos comentários, se for para comentar que é recalque ou algo assim, nem percam seu tempo xx
    AZEALIA BANKS RAINHA



    Entãão, foi isso, obrigado por lerem esse Best of emo e gótico que eu faço com muito amor todo ano <3 Gosto realmente de fazer e enquanto eu estiver restôrada e abençoada eu vou continuar fazendo isso todo ano. Não ficarão livres de mim tão cedo.

    NO PRÓXIMO EPISÓDIO...

    Como sempre, temos aquela listinha de possíveis lançamentos para o ano que vem, eu sei que praticamente mais da metade não se realiza, mas uma torcida não faz mal ao ninguém KKK (se quiserem saber, a ordem que eu coloco os álbuns é a da minha biblioteca)

    Rihanna - R8 (Tô achando que a Rihanna ficou revoltada com as piadinhas sobre álbum todo ano e pensou "Vou ficar uns 10 anos sem fazer álbum, se fodam ai otários". De qualquer forma, já estamos 2 anos sem álbum dela e acho que em 2015 vai)
    Christina Aguilera - 6º álbum de estúdio (Já está com uma música cadastrada sob o nome dela, chamda Waves, acho que em 2015 teremos o debut da Aguilera fora da RCA demônia)
    Marina & the Diamonds - Froot (Marina, a feirante vendendo Froota já está com o álbum confirmadíssimo para abril de 2015 <3)
    Lana del Rey - 4º álbum de estúdiio (Olha, essa louca tá falando em tudo quanto é entrevista que já está com um álbum pronto e ela parou de trabalhar no Ultra... Não ponho fé em 2015, mas vai que
    Florence + the Machine - 3º álbum de estúdio (Desde quando eu comecei isso de fazer lista no final do ano, a 3 anos atrás que eu coloco essa pilantra na lista e passa ano e entra ano e nada, mas estou pressentindo algo para 2015...)
    Kerli - 2º álbum de estúdio (Essa aqui está só por consideração, porque eu pessoalmente já desisti)
    Ellie Goulding - 3º álbum de estúdio (Está rolando uns boatos ai e etc, espero que ela não siga a linha Halcyon DayZzzZz (a do relançamento, pq o álbum é bom))
    MIKA - 4º álbum de estúdio (Lead single já foi lançado, mas como tenho experiência com MIKA, sei que a distância entre as duas coisas podem ser bem grandes...)
    Hurts - 3º álbum de estúdio (Esse eu tô pondo só porque: QUERO mesmo)
    Madonna - Rebel Heart (Não estou botando muita fé no álbum, mas pior que MDNA e HC não dá para ser... e tem 19 faixas, posso me surpreender)
    Kate Bush - CD/DVD do Before the Dawn (Eu estava esperando por um álbum, mas como provavelmente não vai rolar, eu ficaria satisfeito com um lançamento oficial dessa coisa épica que foi essa tour DELICIOSA)
    Grimes - 4º álbum de estúdio (Parece que ela jogou o álbum todo fora esse ano, depois que todo mundo - eu incluso, odiou GO AHUHUA Filha, eu até agradeço mesmo, mas não faça isso de novo não)
    The xx - 3º álbum de estúdio (Eles postaram várias fotinhas de ~no estúdio~)
    Gwen Stefani - 3º álbum de estúdio (Não que eu esteja muito animado para esse álbum, mas...)
    Björk - 7º álbum de estúdio (Com Arca na produção <3, só nos resta esperar mais uma obra prima que abalará a sociedade)
    Alice Glass - Debut (MEU CORAÇÃO FOI ESTILHAÇADO COM O FIM DE CC, mas mesmo assim tô querendo saber qq essa doida vai lançar solo)
    Nicola Roberts - 2º álbum de estúdio (Assim como a Kerli, essa aqui tá só por consideração, já desisti)
    Lorde - 2º álbum de estúdio (Fotos no estúdio <3)
    Azealia Banks - Fantasea II / EP (Ela já falou que o Fantasea II e um EP serão lançados ano que vem, não sei se realmente vai ter, mas...)
    Beach House - 5º álbum de estúdio (Estou na mesma agonia que estou com a Florence, com eles)
    Clare Maguire - 3º álbum de estúdio (Olha, estou colocando só por consideração também)
    Garbage - 6º álbum de estúdio
    CHVRCHES - 2º álbum de estúdio
    HAIM - 2º álbum de estúdio
    V V Brown - 3º álbum de estúdio (Ela já confirmou que terá um álbum independente em 2015)
    Solange - 3º álbum de estúdio
    Joanna Newsom - 4º álbum de estúdio



    Obrigado por lerem esse Best of emo e gótico, feliz ano novo <3
  • Visão geral das Coletâneas Last.fm Brasil

    10 Ago 2014, 21:00

    Lista de indicações

    Média das notas das minhas indicações (Obs: ordem decrescente da maior nota para a maior/ indicações com menos de 10 avaliações não serão creditadas no ranking)

    01. Bill Haley & His Comets - Rock Around the Clock (9.8 baseada em 14 avaliações)

    02. Daughter - Switzerland (8.7 baseada em 14 avaliações)

    03. Sleater-Kinney - Price Tag (8.0 baseada em 17 avaliações) - 136.3

    04. Patti Smith - Gloria (8.0 baseada em 14 avaliações)

    05. Willy Moon - Railroad Track (7.4 baseada em 16 avaliações)

    06. A Fine Frenzy - Winds of Wander (7.4 baseada em 15 avaliações)

    07. Goldfrapp - Ulla (7.4 baseada em 14 avaliações)

    08. MS MR - Bones (7.4 baseada em 10 avaliações)

    09. iamamiwhoami - fountain (7.3 baseada em 17 avaliações) - 124.7

    10. Angel Olsen - White Fire (7.3 baseada em 14 avaliações) - 102.2

    11. Tom Custódio da Luz - Cotidiana (7.2 baseada em 16 avaliações)

    12. Chelsea Wolfe - The Waves Have Come (7.1 baseada em 16 avaliações)

    13. Filipe Catto - Saga (7.1 baseada em 13 avaliações)

    14. The Asteroids Galaxy Tour - Lady Jesus (6.9 baseada em 15 avaliações)

    15. Chelsea Wolfe - Movie Screen (6.9 baseada em 14 avaliações) - 97,7

    16. Sopor Aeternus & the Ensemble of Shadows - One Day My Prince Will Come (6.7 baseada em 14 avaliações)

    17. Natalia Kills - Saturday Night (6.7 baseada em 13 avaliações)

    18. Esben and the Witch - No Dog (6.6 baseado em 18 avaliações) - 120.2

    19. BANKS - Waiting Game (6.6 baseada em 18 avaliações)

    20. FKA twigs - Lights On (6.4 baseada em 15 avaliações) - 96.3

    21. Marianne Faithfull - Late Victorian Holocaust (6.35 baseada em 14 avaliações) - 88.9

    22. PJ Harvey - The Dancer (6.2 baseada em 18 avaliações) - 112.9

    23. Joanna Newsom - Emily (6.2 baseada em 17 avaliações) - 105.7

    24. Mahmundi - #089 (6.2 baseada em 18 avaliações)

    25. Ibeyi - River (6.2 baseada em 15 avaliações) - 94.2

    26. Patrick Wolf - The Childcatcher (6.1 baseada em 16 avaliações)

    27. Tori Amos - Smells Like Teen Spirit (6.1 baseada em 13 avaliações) - 79.8

    28. Julia Holter - Maxim's II (6.0 baseada em 16 avaliações)

    29. Blue Hawaii - Follow (6.0 baseada em 16 avaliações)

    30. Mazzy Star - Flowers in December (6,0 baseada em 15 avaliações) - 90.1

    31. Sleep Party People - A Sweet Song About Love (6.0 baseada em 13 avaliações)

    32. Julianna Barwick - The Harbinger (5.9 baseada em 17 avaliações) - 100.9

    33. Slowdive - The Sadman (5.6 baseada em 15 avaliações) - 84.4

    34. Kate Bush - Get Out of My House (5.6 baseada em 17 avaliações)

    35. Rhye - Shed Some Blood (5.5 baseada em 11 avaliações)

    36. Janelle Monáe & Erykah Badu - Q.U.E.E.N. (5.5 baseada em 10 avaliações) - 55.1

    37. Die Antwoord - Fatty Boom Boom (5.3 baseada em 10 avaliações)

    38. Björk - Pluto (5.2 baseada em 13 avaliações)

    39. Cocteau Twins - Throughout the Dark Months of April and May (5.1 baseada em 17 avaliações) - 86.7

    40. Neneh Cherry - Across the Water (4.2 baseada em 19 avaliações)

    41. Dead Can Dance - The Host of Seraphim (3.2 baseada em 14 avaliações)

    42. Nico - Evening of Light (3.2 baseada em 16 avaliações)

    TBA:

    Oh Land - Numb (0 + 4,5 + 8,3 + 8,0 + 6 + 7,0 + 8,0 + 6,5)

    Zola Jesus - Night (0 + 2)

    Menos de 10 avaliações:

    01. tUnE-yArDs - Water Fountain (7.6 baseada em 9 avaliações) - 68.5

    02. Lady Gaga - Bloody Mary (6.1 baseada em 9 avaliações)

    03. Beach House - Auburn and Ivory (5.7 baseada em 9 avaliações) - 51.7

    04. Tulipa Ruiz - Víbora (5.9 baseada em 8 avaliações)

    05. Dorgas - Hortência (6.7 baseada em 7 avaliações)

    06. Amanda Abizaid - A Place In Time (7.5 baseada em 6 avaliações)


    ------------

    Médias minhas para as coletâneas e 5 maiores destaques de cada uma:

    Janeiro/2013: 7.0

    Purity Ring – Obedear (10/10) (Marcos Paulo)
    Neon Indian – Halogen (9.6/10) (Lorran Oliveira)
    Public Service Broadcasting – Everest (9/10) (Heitor Lopes)
    The Naked and Famous – Young Blood (8.8/10) (Pedro Iago)
    The Head and the Heart – Lost In My Mind (8.2/10) (Thiago Ramos)

    Fevereiro/13: 6.6

    Trupe Chá de Boldo – Na Garrafa (10/10) (PV)
    Wado – Com a Ponta dos Dedos (10/10) (Cezar Augusto)
    Selah Sue – Raggamuffin (9/10) (Rafael Noleto)
    The New Limb – Tell Us Your Name (8.8/10) (Flávio Mendes)
    The Paper Kites – Bloom (8.2/10) (Lucas Gabriel)

    Março/13: 7,47

    Summer Heart – I Wanna Go (10/10) (Ketlen)
    Less Than Jake – The Science of Selling Yourself Short (9/10) (Diego Freitas)
    Jake Bugg – Two Fingers (9/10) (Estevão Oliveira)
    Beach Fossils – Clash the Truth (8,5/10) (Leonardo Faig)
    Sia – Clap Your Hands (8,5/10) (Leticia Sanches)

    Abril/13: 7,1

    The xx – Angels (10/10) (Marcelo Nascimento)
    Everything Everything – Cough Cough (10/10) (Thiago Ramos)
    The Cliks – Savanna (9,5/10) (Fábio Rebouças)
    Niki & the Dove – The Drummer (9,4/10) (Ketlen)
    The Mars Volta – L’Via L’Viaquez (9,2/10) (Lucas Haber)

    Junho/13: 8.1

    Animal Collective – Summertime Clothes (10/10) (Otávio Silva)
    Bastille – Bad Blood (Last.fm Sessions) (10/10) (Pablo Pessoa)
    Jessie Ware – Night Light (9,5/10) (Iago Duarte)
    Iron & Wine – Low Light Buddy of Mine (9,3/10) (Rafael Noleto)
    Britta Persson – Baby No Name (9/10) (Cezar)

    Julho/13: 8.0

    Volcano Choir – Husks and Shells (10/10) (Heitor Lopes)
    Trust – Candy Walls (10/10) (Marcelo Nascimento)
    Yeah Yeah Yeahs – Slave (10/10) (Iago Duarte)
    Ana Baston – Koma Yma (9/10) (Fabio Rebouças)
    The Lambrettas – Cortina (9/10) (Camila Telles)



    Agosto/13: 7.5

    Goldfrapp – Clay (10/10) (Marcelo Nascimento)
    Glasser – Aply (10/10) (Rafael Junior)
    Vampire Weekend – Ya Hey (10/10) (Kennedy Cavalcante)
    Panda Bear – Good Girl / Carrots (9/10) (Otávio Silva)
    MIKA – L’amour dans le mauvais temps (8,3/10) (Cezar Augusto)

    Trilhas de Filme/Agosto/13: 7.0

    01. Charlie Cousser – Message (10/10) (Heitor Lopes)
    02. Karen O – Strange Love (10/10) (Thiago Ramos)
    03. Radiohead – Everything in Its Right Place (9/10) (Kennedy Cavalcante)
    04. Desire – Under Your Spell (8,8/10) (Rafael Ferreira)
    05. Emily Bowning – Asleep (8,5/10) (Fábio Rebouças)


    Setembro/13: 8,3

    Múm – Green Grass (10/10) (Heitor Lopes)
    4 Cabeça – Quem Canta (10/10) (Victoria Santos Azevedo)
    The Knife – Raging Lung (10/10) (Kennedy Cavalcante)
    Veronica Maggio – Mandagsbarn (10/10) (Fábio Rebouças)
    Ghost – Elizabeth (9/10) (Áquila Teófilo)


    Músicas em idiomas diferentes/Setembro/13: 7.4

    Sigur Rós – Olsen Olsen (10/10) (Kennedy Cavalcante)
    IIRIS – Millegi Laul (9/10) (Otávio Silva)
    Sólstafir – Fjara (9/10) (Áquila Teófilo)
    Sus Dungo – Jasmina Lietus (8/10) (Lucas Gabriel)
    Riyu Kosaka – Danzai No Hana (8/10) (João Marcos Oliveira)


    Outubro/13: 8.0

    Meret Becker – Vive La Trance (10/10) (Estevão Oliveira) (Provavelmente uma das indicações em coletâneas que mais curti)
    Fever Ray – Keep the Streets Empty for Me (10/10) (Marcelo Nascimento)
    Carice Van Houten – Siren or the Sea (10/10) (João Marcos Oliveira)
    Delilah – Inside My Love (10/10) (Fàbio Rebouças)
    CéU – Sonâmbulo (10/10) (Kennedy Cavalcante)


    Novembro/13: 7.5

    Gazelle Twin – Changelings (10/10) (Marcelo Nascimento)
    Burial – Four Walls (10/10) (Otávio Silva)
    Listening – Stoned Is (9,3/10) (Camila Telles)
    Faun – Diese Kalte Nacht (9/10) (Fábio Rebouças)
    Cults – Most Wanted (8,5/10) (Kennedy Cavalcante)

    Dezembro/13: 8,1

    Megh Stock – O Rei (10/10) (Fábio Rebouças)
    Strausz & Mahmundi – Habitat (10/10) (Alan Belo)
    Lorde – White Teeth Teens (10/10) (Kennedy Cavalcante)
    Cromagnon – Caledonia (9/10) (Rogério André)
    Hope Sandoval & The Warm Inventions (9/10) (Estevão Oliveira)


    Canções mais ouvidas do seu perfil/Dezembro/13: 6,9

    01. The Industrialism – Tayeon (9,9/10) (Otávio Silva)
    02. Foster the People – I Would Do Anything for You (9,8/10) (Dennys Heilbuth)
    03. Arcade Fire – My Body is a Cage (9,5/10) (Felipe Maciel)
    04. Arcade Fire – Reflektor (9/10) (Kennedy Cavalcante)
    05. Julian Casablancas (9/10) (Douglas Pereira)


    Janeiro/14: 7.0

    01. Thievery Corporation – The Richest Man in Babylon (10/10) (Alan Belo)
    02. Kanye West – Black Skinhead (9,7/10) (Pablo Pessoa)
    03. Placebo – My Sweet Prince (9,5/10) (Lais Costa)
    04. Crystal Phoenix – Somewhere, Nowhere Battle (9,5/10) (Fabiano)
    05. Streetlight Manifesto – What a Wicked Gang Are We (9/10) (Leo Ferreira)

    Melhores de 2013/Janeiro/14: 7,6

    Keaton Henson – Sweethear, What Have You Done to Us (10/10) (Lucas Gabriel)
    Apanhador Só – Mordido (10/10) (Douglas Pereira)
    Panic! At the Disco – Vegas Lights (10/10) (Fábio Rebouças)
    Annokorth – You’re My Only Dream (9,5/10) (Áquila Teófilo)
    My Bloody Valentine – Only Tommorow (9/10) (Kennedy Cavalcante)

    Fevereiro/14: 7.5

    Message to Bears – Almost Faded (10/10) (Áquila Teófilo)
    James Vincent McMorrow – Cavalier (10/10) (Lucas Gabriel)
    Crim3s – stress (10/10) (Vinni)
    Frank Zappa – Peaches En Regalia (9,8/10) (Leonardo Faig)
    Youth Lagoon – Dropla (9/10) (Kennedy Cavalcante)


    Canções com nome de mulher/Fevereiro/14: 8.2

    Yoñlu – Mecânica Celeste Aplicada (Luana) (10/10) (Estevão Oliveira)
    Rodrigo Amarante – Irene (10/10) (Kennedy Cavalcante)
    Cocteau Twins – Pandora (10/10) (Dennys Heilbuth)
    Crystal Castles – Alice Practice (10/10) (Vinni)
    Banda Uó – Vânia (10/10) (Fábio Rebouças)

    Março/14: 7,1

    Suicide – Frankie Teardrop (10/10) (Vinni)
    Jacco Gardner – The Riddle (10/10) (Estevão Oliveira)
    The Antlers – No Widows (9,7/10) (Dennys Heilbuth)
    Rokia Traoré – Tounka (9,7/10) (Murilo Costa)
    IAMX – White Suburb Impressionism (9,5/10) (Laís Costa)

    Música Instrumental/Março/14: 8.6

    WHOXXIST – Sick (10/10) (Vinni)
    Mono – Nostalgia (10/10) (Leonardo Faig)
    Pink Floyd – Marooned (10/10) (Douglas Pereira)
    The Cinematic Orchestra (10/10) (Matheus Pereira)
    RQTN – Remeur Les Pieds, Dans L’Eau, Les Yeux Clairs (10/10) (Julia Corrêa)

    Abril/14: 7.44

    The Last Bison – Sandstone (10/10) (Lucas Gabriel)
    Jean Michel Jarre – Oxygene 2 (10/10) (Fábio Rebouças)
    Sigur Rós – Hoppipola (10/10) (Leonardo Faig)
    Django Django – Waveform (10/10) (Kennedy Cavalcante)
    Arctic Plateau – Coldream (10/10) (Julia Corrêa)

    Músicas do ano que vocês nasceu/Abril/14: 7.1

    Portishead – Mysterons (10/10) (Letícia Sanches)
    Pink Floyd – What You Want From Me (9,5/10) (Julia Corrêa)
    Nada Surf – Popular (9/10) (Matheus Pereira)
    David Bowie – China Girl (9/10) (Murilo Costa Oliveira)
    Belle and Sebastian – Expectations (9/10) (Joaquim Netto)

    Maio/14: 7,4

    Tereza – Adultos São Crianças (10/10) (Heitor Lopes)
    Lauren O’Connell – House of the Rising Sun (10/10) (Fábio Rebouças)
    Savages – She Will (9,5/10) (Kennedy Cavalcante)
    Forro in the Dark – Silence is Gold (9/10) (Estevão Oliveira)
    Manchester Orchestra – Simple Math (8,8/10) (Lucas Gabriel)

    Anos 50/Maio/14: 7.5

    Miles Davis – Blue In Green (10/10) (Claudio Vieira)
    Tennessee Ernie Ford – Sixteen Tons (10/10) (Laís Costa)
    Edith Piaf – Si Tu Partais (9,3/10) (Kennedy Cavalcante)
    Marilyn Monroe – Diamonds are a Girl’s Best Friend (9/10) (Rogério André)
    Frank Sinatra – I’ve Got You Under My Skin (8,5/10) (Thiago Ramos)

    Junho/14: 7.9

    XXYYXX – About You (10/10) (Heitor Lopes)
    Hozier – Take Me to Church (10/10) (Thiago Ramos)
    Tindersticks – Rented Rooms (10/10) (Dennys Heilbuth)
    Laura Marling – Little Love Coaster (10/10) (Rheisel Silva)
    Seabear – I Sing I Swim (9,9/10) (Giovani Custódio)

    Anos 60/Junho/14: 8.4

    Donovan – Three King Fishers (10/10) (Estevão Oliveira)
    Nick Drake – Fruit Tree (10/10) (Dennys Heilbuth)
    Led Zeppelin – You Shook Me (10/10) (Laís Costa)
    David Bowie – Space Oddity (10/10) (Thiago Ramos)
    Francis Albert Sinatra & Antônio Carlos Jobim – Change Partners (9,7/10) (Claudio Vieira)


    Julho/14: 6.1

    01. Antony and the Johnsons – Fistfull of Love (10/10) (Dennys Heilbuth)
    02. ASA – The Way I Feel (10/10) (Fábio Rebouças)
    03. Pato Fu – Capetão 66.6 FM (9,5/10) (Lucas Haber)
    04. Swans – Oxygene (9/10) (Gabriela Linds
    Tyler, the Creator & Pharell Williams – IFHY (8/10) (Lucas Gabriel)

    Anos 70/Julho/14: 7.8

    Tom Waits – Ice Cream Man (10/10) (Dennys Heilbuth)
    Paulinho da Viola – Dança da Solidão (10/10) (Douglas Pereira)
    Chico Buarque – Cálice (10/10) (Thiago Ramos)
    Alceu Valença & Geraldo Azevedo – Novena (9,5/10) (Estevão Oliveira)
    Harmonium – Dixie (Une Toune Que Me Revient) (9,5/10) (Rheisel Silva)

    Agosto/14: 6,5

    Lana del Rey – Million Dollar Man (10/10) (Isabela Couy)
    Johnny Hooker – Eu Vou Fazer Uma Macumba Pra Te Amarrar, Maldito! (9,6/10) (PV)
    Angus & Julia Stone – Death Defying Acts (9,5/10) (Lucas Gabriel)
    Grant Green – My One and Only Love (9/10) (Diego Freitas)
    Cartola – Preciso Me Encontrar (9/10) (Rheisel Silva)


    Anos 80/Agosto/14: 6.7

    Toquinho & Vinicius de Moraes – Aquarela (10/10) (Camila Telles)
    The Cure – One Hundred Years (10/10) (Thiago Ramos)
    Tears for Fears – Everybody Wants to Rule the World (9/10) (Isabela Couy)
    Sade – Smooth Operator (8,5/10) (Dennys Heilbuth)
    Duran Duran – Hold Back the Rain (8/10) (Ana Silva)

    Setembro/14: 6.9

    The Knife - Old Dreams Waiting to Be Realized (10/10) (Marcelo Oliveira/Nascimento)
    Loreena McKennitt - Marrakesh Night Market (10/10) (João Marcos Oliveira)
    Gentle Giant - Isn't It Quiet and Cold? (10/10) (Estevão Oliveira)
    Os Mutantes - Meu Refrigerador Não Funciona (10/10) (Rheisel Silva)
    Matana Roberts - Kersaia (10/10) (Dennys Heilbuth)
    BANKS - Brain (10/10) (Vinni)

    Anos 90/Setembro/14: 6.5

    Dulce Pontes - Canção do Mar (10/10) (João Marcos Oliveira)
    Liz Phair - Flower (10/10) (Vinni)
    Radiohead - Paranoid Android (10/10) (Rheisel Silva)
    Mobb Deep - Survival of the Fittest (9,5/10) (Douglas Pereira)
    DJ Shadow - Midnight in a Perfect World (9,5/10) (Dennys Heilbuth)

    Outubro/14: 7.8

    Ólafur Arnalds - Gleypa Okkur (10/10) (Leonardo Faig)
    Cat Power - Werewolf (10/10) (Giovani Custódio)
    Kimbra - Plain Gold Ring (10/10) (Rudi Carlos Jr.)
    Boards of Canada - Aquarius (9,7/10) (Dennys Heilbuth)
    Seu Jorge - Everybody Loves the Sunshine (9,6/10) (Douglas Pereira)

    Anos 2000/Outubro/14: 7.0

    Morphine - Souvenir (10/10) (Estevão Oliveira)
    John Frusciante - Heaven (9,8/10) (Rheisel Silva)
    Tuatha de Danann - Trova di Danú (9,5/10) (Ana Silva)
    Imogen Heap - Headlock (9,5/10) (Danielle Augusta)
    Bill Callahan - Too Many Birds (9,5/10) (Dennys Heilbuth)

    Novembro/14: 7.5
    Spiritualized - Broken Heart (10/10) (Dennys Heilbuth)
    Wim Mertens - Darpa (10/10) (Heitor Lopes)
    Bat for Lashes - All Your Gold (10/10) (Alan Belo)
    Unknown Mortal Orchestra (9,8/10) (Rheisel Silva)
    Garbage - Push It (9,5/10) (Murilo Costa Oliveira)

    Tema Político/Crítica Social - Novembro/14: 8,4

    Depeche Mode - Blasphemous Rumours (10/10) (Dennys Heilbuth)
    MV Bill - Falcão (10/10) (Diego Freitas)
    Lula Queiroga - Os Culpados (10/10) (Estevão Oliveira)
    Epica - Façade of Reality (The Embrace That Smothers, Part V) (9,85/10) (João Marcos Oliveira)
    Elis Regina - O Bêbado e a Equilibrista (9,65/10) (Camila Telles)

    Dezembro/14: 7.1
    Diablo Swing Orchestra - A Tapdancer's Dilemma (10/10) (Estevão Oliveira)
    Marissa Nadler - Was it a Dream (10/10) (Lucas Gabriel)
    Phildel - Holes in Your Coffin (9,5/10) (João Marcos Oliveira)
    Jeff Buckley - Forget Her (9,5/10) (Leonardo Faig)
    Sopor Aeternus & the Ensemble of Shadows - Helvetia Sexualis (9,3/10) (Daniel Maciel de Lima)

    Amigo Secreto - Dezembro/14: 7.3
    Aurea - The Witch Song (10/10) (Rogério André)
    The Battle of Land and Sea - Harden My Heart (10/10) (Giovani Custódio)
    Billy Bragg & Wilco - California Avenue (9/10) (Diego Freitas)
    JJ72 - Algeria (8,5/10) (Estevão Oliveira)
    Cookin' on 3 Burners - Tuesday Night Sleuth (8,5/10) (Ana Silva)

    Janeiro/15: 8.0
    Susanne Sundfør - White Foxes (10/10) (Gabriela Linds)
    Hundred Waters - Murmurs (10/10) (Leandro de Sá)
    The Avalanches - Frontier Psychiatrist (9,8/10) (Dennys Heilbuth)
    ::M∆DE::IN::HEIGHTS:: - Panther (9,5/10) (Lucas Zugaib)
    Curumin - Guerreiro (9,4/10) (Rogerio André)

    Melhores de 2014 - Janeiro/15: 8.1
    Azealia Banks - Gimme a Chance (10/10) (Paulo Vitor Miranda)
    Lorde - Yellow Flicker Beat (10/10) (Vinni)
    Lana del Rey - Brooklyn Baby (10/10) (Isabela Couy)
    St. Vincent - Digital Witness (10/10) (Danielle Augusta)
    Lo-Fang - Animal Urges (9,3/10) (Raphael Donadio)

    Fevereiro/15: 8.1
    Novembers Doom & Anneke Van Giesbergen – What Could Have Been (10/10) (Ana Silva)
    Grace Jones – This Is (10/10) (Paulo Vitor Miranda)
    Lily & Madeleine – Blue Blades (10/10) (Lucas Gabriel)
    A Flock of Seagulls – Remember David (10/10) (Danielle Augusta)
    Chet Faker – Gold (10/10) (Vinni)
    Alcest – Voix Sereines (10/10) (Leonardo Faig)
    V V Brown – Knife (10/10) (Leandro de Sá)

    Artistas Negros - Fevereiro/15: 7.1
    Marli - O Fluxo Ardente do Torpor (10/10) (Daniel Maciel de Lima)
    Ray Charles - Hit the Road (10/10) (Matheus Pereira)
    Elza Soares - Tenha Pena de Mim (9,2/10) (Gui Mercês)
    Shamir -On the Regular (9/10) (Vinni)
    M.I.A. - Bring the Noize (9/10) (Isabela Couy)

    Março/15: 7.4
    Marina & the Diamonds - Savages (10/10) (Isabela Couy)
    Metric - Hardwire (9/10) (Lucas Haber)
    I Monster - Daydream in Blue (9/10) (Paulo Vitor Miranda)
    Ella Eyre - Comeback (8,9/10) (Diogo Victor Soares)
    Trust - Shoom (Leandro de Sá) / Carne Doce - Benzin (Alan Belo) (8,9/10)

    Depressão - Março/15: 8.2
    The Haxan Cloak - Mara (10/10) (Victor Rocha)
    Björk - Family (10/10) (Ruben Francisco)
    Lykke Li - Love Me Like I'm Not Made of Stone (10/10) (Vinni)
    Yoñlu - Suicide (10/10) (Marcus Vinicius)
    Keaton Henson - In the Morning (10/10) (Henrique Comini)
    Portishead - Glory Box (10/10) (Rogerio Andre)


    Abril/15: 7,1
    Chiasm - Isolated (10/10) (Ayrton de Queiroz)
    SoKo - Temporary Mood Swings (10/10) (Vinni)
    Kate Bush - Wuthering Heights (10/10) (Ruben Francisco)
    Le Tigre - After Dark (9,6/10) (Julia Masan)
    Active Child - Hanging On (9,5/10) (Leandro de Sá)

    Covers - Abril/15: 7,1

    Sopor Aeternus & the Ensemble of Shadows - Holding Out for a Hero (10/10) (Daniel Maciel)
    Ulver - Solitude (9,7/10) (Vector Cardoso)
    Sonic Youth - Superstar (9,6/10) (João Caetano)
    Ólöf Arnalds - Mr. Tambourine Man (9,3/10) (Henrique Comini)
    The xx - Teardrops (9/10) (Ayrton de Queiroz)

    Maio/15: 7,1

    Clare Fader - Cabin Fever (10/10) (Harisson R. Mesquita)
    FKA x inc. (10/10) (Ayrton de Queiroz)
    Sharon Van Etten - Your Love is Killing Me (10/10) (Vinni)
    Luiza Lian - Ônibus Lotado (9,7/10) (Alan Belo)
    Circa Survive - Child of the Desert (9/10) (Diego Freitas)

    Mundial - Maio/15: 7,7

    Björk - Jóga (10/10) (Raffael Petter)
    Mac DeMarco - Chamber of Reflection (9,7/10) (Julia Masan)
    SILVA - Entardecer (9,5/10) (Ayrton de Queiroz)
    Lana del Rey - Pawn Shop Blues (9,3/10) (Lucas Frederico)
    Amy WInehouse - Wake Up Alone (9/10) (Isabela Couy)

    Junho/15: 6.6

    CuckooLander - Dumb Dee Diddy Dumb (10/10) (Raphael Donadio)
    Grimes - REALiTi (10/10) (Ayrton de Queiroz)
    Courtney Barnett - Pedestrian at Best (10/10) (Julia Masan)
    Humanwine - When in Rome (9,3/10) (Harisson R. Mesquita)
    АГАТА КРИСТИ - Истерика (9/10) (Daniel Maciel)

    Menos de 3 Minutos - Junho/15: 7,5

    KT Tunstall - Black Horse and the Cherry Tree (10/10) (Camila Telles)
    Lily Allen - Alfie (10/10) (Harisson R. Mesquita)
    The White Stripes - Fell in Love with a Girl (9,5/10) (Lucas Haber)
    Marina & the Diamonds - Space and the Woods (9,5/10) (Lucas Frederico)
    Baleia - Casa (9,4/10) (Henrique Comini)


    Melhores coletâneas "normais":

    01. Setembro - 2013 (8,3)
    02. Junho - 2013 (8,1)
    03. Dezembro - 2013 (8,1)
    04. Fevereiro - 2015 (8,1)
    05. Outubro - 2013 (8,0)
    06. Julho - 2013 (8,0) / Janeiro - 2015 (8,0)

    Melhores coletâneas temáticas:

    01. Música Instrumental - Março/2014 (8,6)
    02. Anos 60 - Junho/2014 (8,4)
    03. Tema Político/Crítica Social - Novembro/2014 (8,4)
    04. Depressão - Março/2015 (8,2)
    05. Canções com nome de mulher - Fevereiro/2014 (8,2)



    Quantas vezes cada pessoa indicou uma faixa "destaque" minha em coletâneas:

    15 vezes:
    Dennys Heilbuth

    14 vezes:
    Kennedy Cavalcante

    13 vezes:
    Estevão Oliveira

    12 vezes:
    Fábio Rebouças, Vinni

    10 vezes:
    Lucas Gabriel

    8 vezes:
    Thiago Ramos

    7 vezes:
    Heitor Lopes, Rheisel Silva, Leonardo Faig

    6 vezes:
    Marcelo Oliveira/Nascimento, Douglas Pereira, João Marcos Oliveira, Isabela Couy

    5 vezes:
    Otávio Silva, Rogério André, PV, Alan Belo, Diego Freitas, Ayrton de Queiroz, Camila Telles

    4 vezes:
    Áquila Teófilo, Laís Costa, Ana Silva, Leandro de Sá, Daniel Maciel, Lucas Haber

    3 vezes:
    Cezar Augusto, Julia Corrêa, Murilo Costa Oliveira, Giovani Custódio, Danielle Augusta, Matheus Pereira, Julia Masan, Harisson R. Mesquita

    2 vezes:
    Rafael Noleto, Ketlen Kozecken, Leticia Sanches, Pablo Pessoa, Claudio Vieira, Gabriela Linds, Ruben Francisco, Raphael Donadio, Lucas Frederico, Henrique Comini

    1 vezes:
    Marcos Paulo Araujo, Pedro Iago, Flávio Mendes, Rafael Junior, Rafael Ferreira, Victoria Santos, Felipe Maciel, Fabiano, Leonardo Ferreira, Joaquim Netto, Rudi Carlos Jr., Lucas Zugaib, Gui Mercês, Victor Rocha, Marcus Vinicius, Henrique Comini, Diogo Victor Soares, Vector Cardoso, João Caetano, Raffael Patter
  • Albums I listened in 2014 (until now)

    6 Ene 2014, 18:20

    Total: 211

    Must Listen
    Albums in this category are either favourites of mine (that may not be perfect, but I recommend) or albums that aren't my favourites/I don't listen too much to it, but I really think that they are very good and recommend it too

    The Acid - Liminal (ambient pop, experimental)

    Agalloch - The Serpent & The Sphere (folk metal, atmospheric black metal)

    Alcest - Shelter (shoegaze, dream pop)

    Alice Caymmi - Rainha dos Raios (alternative pop, mpb)

    Angel Olsen - Burn Your Fire for No Witness (freak folk, dream folk)

    Azealia Banks - Broke with Expensive Taste (alternative hip-hop, witch-hop)

    Birds of Passage - This Kindly Slumber (dark ambient, post-rock)

    Clare Maguire - Clare Maguire (EP) / Mixtape (folk/soul)

    Dillon - The Unknown (alternative pop, experimental)

    Emma Ruth Rundle - Some Heavy Ocean (dream folk, ambient)

    Esben and the Witch - A New Nature (post-rock, post-punk)

    FKA twigs - LP1 (art pop, alternative rnb)

    Foster the People - Supermodel (alternative pop, psychedelic pop)

    Gazelle Twin - Unflesh (ambient pop, experimental)

    Grouper - Ruins (ambient pop, dream pop)

    Gem Club - In Roses (dream pop, slowcore)

    Hundred Waters - The Moon Rang Like a Bell (dream pop, chillwave)

    I Break Horses - Chiaroscuro (shoegaze/synthpop)

    iamamiwhoami - BLUE (experimental pop, synthpop)

    James Vincent McMorrow - Post Tropical (folk, soul)

    Julianna Barwick - Rosabi EP (dream pop, ambient)

    Keaton Henson - Romantic Works (chamber folk, instrumental)

    Lana Del Rey - Ultraviolence (chamber pop, alternative pop)

    Lily Allen - Sheezus (pop, electropop)

    Linda Perhacs - The Soul of All Natural Things (dream folk, freak folk)

    Lisa Gerrard - Twilight Kingdom (dark ambient, ambient)

    Lo-Fang - Blue Film (alternative pop, soul)

    Lydia Ainsworth - Right from Real (art pop, chillwave)

    Lykke Li - I Never Learn (folk, alternative pop)

    Marianne Faithfull - Give My Love To London (alternative rock, blues)

    - No Mythologies to Follow (alternative pop, synthpop)

    My Brightest Diamond - This Is My Hand (art pop, alternative rock)

    Neneh Cherry - Blank Project (trip-hop, rnb)

    Nihilistgod - Carnival (ambient, lo-fi)

    Oh Land - Earth Sick (alternative pop, synthpop)

    Perfume Genius - Too Bright (chamber pop, ambient pop)

    Pharmakon - Bestial Burden (noise rock, dark ambient)

    Run the Jewels - Run the Jewels 2 (hip-hop, rap)

    Sharon Van Etten - Are We There (folk, alternative pop)

    Silva - Vista Pro Mar (chill out, mpb)

    Sleep Party People - Floating (dream pop, ambient)

    Sophie Ellis-Bextor - Wanderlust (chamber pop, pop)

    Sopor Aeternus & The Ensemble of Shadows - Mitternacht - The Dark Night of the Soul... (neoclassical darkwave)

    St. Vincent - St. Vincent (art rock, baroque pop)

    Sunn O))) & Ulver - Terrestrials (dark ambient, drone)

    Tinashe - Aquarius (alternative rnb, trip-hop)

    Thiago Pethit - Rock'n'Roll Sugar Darling (alternative rock, mpb)

    Thievery Corporation - Saudade (bossa nova, chill out)

    tUnE-yArDs - Nikki Nack (freak folk, baroque pop)

    Vashti Bunyan - Heartleap (freak folk, dream folk)


    Worth checking out
    Albums in this category are not my favourites from the year, but still are amazing albums in general, they may have not fully captivated me like the Must Listens, but are great anyway, you should try

    Adult Jazz - Gist Is (experimental, alternative rnb)

    alt-J - This Is All Yours (experimental rock, folk)

    Andrei Machado - Catarse (ambient)

    Angus & Julia Stone - Angus & Julia Stone (folk rock, blues)

    The Antlers - Familiars (baroque pop, folk)

    Arthur Beatrice - Working Out (baroque pop, alternative rock)

    BADBADNOTGOOD - III (ambient, darkwave)

    Banks - Goddess (alternative pop, downtempo)

    Ben Howard - I Forget Where We Were (folk rock, alternative rock)

    Burzum - The Ways of Yore (ambient, dark ambient)

    CALLmeKAT - Hidden Waters (alternative pop, synthpop)

    Chet Faker - Built On Glass (alternative rnb, downtempo)

    Cœur de Pirate - Trauma (folk)

    D'Angelo & The Vanguard - Black Messiah (neo-soul, funk rock)

    Death Grips - Niggas on the Moon (experimental hip-hop, noise)

    Die Antwoord - Donker Mag (zef)

    East India Youth - Total Strife Forever (ambient)

    EMA - The Future's Void (freak folk, noise folk)

    Esben and the Witch - And New Life Blossoms From The Ruins (experimental rock, post-rock)

    Foxygen - ...And Star Power (experimental rock, psychedelic rock)

    George Ezra - Cassy O' (EP) (alternative pop, soul)

    Hospitality - Trouble (alternative rock, folk)

    The Honey Trees - Bright Fire (alternative folk, chamber pop)

    How to Dress Well - What Is This Heart? (alternative pop, pbr&b)

    Hozier - Hozier (folk rock, soul)

    Imogen Heap - Sparks (art pop, ambient)

    Jenny Hval & Susanna - Meshes of Voice (alternative folk, experimental)

    Kelis - Food (alternative soul, funky)

    King Dude - Fear (neo-folk, psychedelic folk)

    Kishi Bashi - Lighght (baroque pop, freak folk)

    La Dispute - The Rooms of the House (post-hardcore, experimental)

    Laura Cannell - Quick Sparrows Over the Black Earth (ambient, experimental)

    Leo Cavalcanti - Despertador (mpb, alternative pop)

    llll - Paradice (drone, ambient)

    Lo-Fang - Every Night (alternative pop, soul)

    Low Roar - 0 (folk, ambient)

    Marissa Nadler - July (dream folk/freak folk)

    Metronomy - Love Letters (experimental, glitch)

    Owen Pallett - In Conflict (baroque pop, experimental)

    Paloma Faith - A Perfect Contradiction (soul, pop)

    Pitty - SETEVIDAS (alternative rock)

    Planningtorock - All Love's Legal(experimental/electronic)

    The Pretty Reckless - Going to Hell (alternative rock)

    Ramona Lisa - Arcadia (trip-hop, experimental)

    Sarh - Sarh (alternative rnb, experimental)

    Shakira - Shakira. (dance-pop, folk-pop)

    Snowbird - Moon (dream pop, folk)

    Sun Kil Moon - Benji (folk/sadcore)

    Swans - To Be Kind (experimental rock, noise rock)

    sZa - Z (alternative rnb, downtempo)

    Tiê - Esmeraldas (alternative pop, folk pop)

    Tonny Bennett & Lady Gaga - Cheek to Cheek (jazz pop, pop)

    Varg - Embroidery (experimental folk, alternative pop)

    Xiu Xiu - Angel Guts: Red Classroom
    (experimental/post-rock)

    Xiu Xiu - Unclouded Sky (experimental folk, post-rock)

    You+Me - rose ave. (alternative folk, folk rock)

    †††- ††† (electrorock)

    Thought Forms / Esben and the Witch - Thought Forms / Esben And The Witch (post-rock, gothic rock)

    Interesting
    Albums in this category are albums that I don't have a solid opinion about it, most of them I just listened once or twice... I can't really tell if they are good nor bad, but they sounded interesting for me while I listened.

    Alvvays - Alvvays (dream pop, lo-fi)

    Ásgeir - In the Silence (folktronica, alternative pop)

    The Asteroids Galaxy Tour - Bring Us Together (alternative pop, electropop)

    Banda do Mar - Banda do Mar (folk rock, alternative rock)

    Barzin - To Live Alone in That Long Summer (slowcore, folk)

    bbrainz - pizza contigo (vaporwave, ambient)

    Be Forest - Earthbeat (dream pop, post-punk)

    Ben Frost - A U R O R A (drone, dark ambient)

    [artistBlackbird Blackbird - Tangerine Sky (glo-fi, experimental)

    The Blue Angel Lounge - A Sea Of Trees (ambient, shoegaze)

    Blues Hawaii - Agor Edits (chillwave)

    Blues Pills - Blues Pills (blues rock, hard rock)

    Chainless - Grey Veils (witch house, experimental)

    Coves - Soft Friday (garage rock, alternative rock)

    Craft Spells - Nausea (experimental, lo-fi)

    Damon Albarn - Everyday Robots (alternative rock, experimental)

    Dawn Golden - Still Life (chillwave, alternative pop)

    Epic45 - monument (post-rock, experimental)

    Fanfarlo - Let's Go Extinct (alternative pop, twee)

    Felicity Groom - Hungry Sky (alternative pop, folk pop)

    Fink - Hard Believer (folk rock)

    First Aid Kit - Stay Gold (folk, alternative pop)

    Fresno - Eu Sou A Maré Viva (EP) (alternative rock)

    Future Islands - Singles (alternative rock, new wave)

    Glass Animals - ZABA (alternative pop, synthpop)

    George Ezra - Wanted on Voyage (folk rock, alternative pop)

    Gerard Way - Wonderland (alternative rock)

    The Ghost of a Saber Tooth Tiger - Midnight Sun (psychedelic rock, folk)

    Glitterbug - Dust (ambient, chillwave)

    A Great Big World - Is There Anybody Out There? (alternative pop/folk)

    Haerts - HAERTS (alternative pop, chillwave)

    Highasakite - Silent Treatment (alternative pop, folk)

    The Horrors - Luminous (neo-psychedelia, post-punk)

    Have a Nice Life - The Unnatural World (shoegaze)

    I Was A King - Isle of Yours (alternative pop, experimental)

    John Frusciante - Enclosure (alternative rock, experimental)

    Juçara Marçal - Encarnado (experimental, mpb)

    Kevin Drew - Darlings (alternative pop)

    Lower - Seek Warmer Climes (post-punk, alternative rock)

    Mac DeMarco - Salad Days (lo-fi, post-punk)

    Mogwai - Rave Tapes (post-rock)

    Mr. Little Jeans - Pocketknife (synthpop, alternative pop)

    The Neighbourhood - #000000 & #FFFFFF (alternative hip-hop, rap)


    Nick Mulvey - First Mind (folk rock)

    Nicki Minaj - The Pinkprint (hip-hop, alternative rnb)

    Nosso Querido Figueiredo - A Banda Solitária do Inspetor Figueiredo (lo-fi, shoegaze)

    The Notwist - Close To The Glass (experimental, alternative rock)

    The Pains of Being Pure At Heart - Days of Abandon (freak folk, shoegaze)

    Peggy Sue - Choir Of Echos (folk)

    S. Carey - Range of Light (folk, chamber pop)

    SBTRKT - Transitions (EP) (future garage, funky)

    Sisyphus - Sisyphus (alternative hip-hop, experimental)

    Sóley - Krómantik (ambient, folk)

    A Sunny Day In Glasgow - Sea When Absent (dream pop, shoegaze)

    Todd Terje - It's Album Time (space disco, nu disco)

    Trust - Joyland (darkwave/synthpop)


    The Twilight Sad - Nobody Wants To Be Here And Nobody Wants To Leave (post-punk, alternative rock)

    Various Artists - The Fault in Our Stars (Music from the Motion Picture) (folk, alternative pop)

    Various Artists - The Hunger Games: Mockingjay, Pt. 1 (Music from the Motion Picture) (hip-hop, alternative pop)

    The War on Drugs - Lost in the Dream (psychedelic folk, experimental)

    Warpaint - Warpaint (shoegaze/alternative pop)

    Wild Beats - Present Tense (art rock, experimental)

    Young Magic - Breathing Statues (ambient, dream pop)


    Average
    Albums in this category aren't BAD, but aren't good neither, it may have some annoying flaws, but nothing that completely ruin them... I just don't think that they are that interesting

    Ariana Grande - My Everything (pop, rnb)

    Calvin Harris - Motion (electropop, edm)

    Ceo - Wonderland (alternative pop/electronic)

    Cymbals Eat Guitars - LOSE (alternative rock, noise rock)

    Dan Croll - Sweet Disarray (alternative pop, folk)

    Darius - Romance (EP) (house, chill out)

    Ed Sheeran - x (acoustic pop, rap)

    Kimbra - The Golden Echo (alternative pop, soul)

    La Roux - Trouble in Paradise (synthpop, alternative pop)

    Owlle - France (synthpop, electropop)

    Phantogram - Voices (trip-hop, alternative pop)

    Pharrell Williams - G I R L (rnb, hip-hop)

    Pixie Lott - Pixie Lott (pop, soul)

    The Range - Panasonic (EP) (experimental, soul)

    Real State - Atlas (surf rock, lo-fi)

    She, Sir - Go Guitars (shoegaze, lo-fi)

    Sia - 1000 Forms of Fear (pop, soul/rnb)

    SOHN - Tremors (alternative pop, experimental)

    TERR0RISM [EQCL37] TERR0RISM - EP (witch house, noise)

    Tori Amos - Unrepentant Geraldines (pop rock, alternative pop)

    Would be better if you avoided it
    Ok, now the albums in this category are the ones that I didn't liked that much, some of them are funny/listenable and may have 2 or 3 decent tracks, but there aren't a lot to hold onto it or to come back for a second listen, most of them are lacking personality and are derivative, I don't recommend them. They aren't terrible, but they aren't good

    Broken Bells - After the Disco (alternative pop, synthpop)

    BROODS - BROODS (EP) (alternative pop, electropop)

    BROODS - Evergreen (alternative pop, electropop)

    Christina Perri - Head or Heart (pop, folk)

    Coldplay - Ghost Stories (alternative rock, chillwave)

    Daley - Days + Nights (pop, rnb)

    Foxes - Glorious (pop, electropop)

    Katy B - Little Red (electropop/synthpop)

    Kyla La Grange - Cut Your Teeth (alternative pop, electropop)

    Sam Smith - In the Lonely Hour (pop, soul)

    Temples - Sun Structures (psychedelic rock)

    Zola Jesus - Taiga (synthpop, electropop)

    MUST avoid
    Just do yourself a favor and don't waste your time listening to these ones

    Charli XCX - SUCKER (electropop, pop punk)

    Iggy Azalea - The New Classic (pop-rap, pop)

    Kylie Minogue - Kiss Me Once (pop, dance)

    Lea Michele - Louder (pop)

    Mariah Carey - Me. I Am Mariah...The Elusive Chanteuse (pop, rnb)

    Nina Nesbitt - Peroxide (pop, pop-folk)

    Troye Sivan - TRXYE (alternative pop)

    White Sea - In Cold Blood (pop, synthpop)
  • Retropectiva 2013: Os 100 melhores álbuns do ano.

    30 Dic 2013, 17:52

    RETROSPECTIVA 2013:


    Agradecimentos iniciais (porque senão eu esqueço), algumas pessoas que fizeram parte do meu 2013 e deixaram ele melhor pelo menos um pouquinho <3 (a ordem não importa):
    oiGlush, sober-, mikeyunicorns, mooaraujo, malditoflavio, oofpv, wattapity, LipeAguilera, paledick raai_, keanequeen, wholovesme-, bodyelectric_, volupiaken, lucaszugaib, kvnol, eaerodrigo, Hansori, BieelDias, fabiogeovany, summer-sadness giowbr, DennysH_, aldissim, vsazevedo7, LeoNDcl, itsdanielyall, LorranCipriano, pereiragoulart, anal-del-rey, matheusper, jhulyds, AquilaTeofilo, bruno_avilar, MarceloONS, laisnomore, thesleepycloud, flipsix, vitfucckk, KingAzakun, victorkillua, Gabriel-RM, Milinha_NNE, judelennon1, KevinGondim, HukstonStage, Rodrigo_AT, gholiveira, Dysfunctional_K, ThePaulBranco, CherilynSL_, tioheitor, Psychedelic_LS5, FeLithium, marcelo7up, JrCandido(esse foi o máximo que consegui lembrar, i’m so sorry)


    Olá pessoinhas que estão lendo meu Best of 2013 (provavelmente não são muitas q) estamos aqui mais um ano (já é o segundo, daqui a pouco vira tradição), bom esse ano foi muito interesante para mim. [ATENÇÃO: Nesse momento começarei a falar das baboseiras pessoais minhas, se quiserem pular e ir logo pras avaliações, eu prometo que não ficarei magoado <3] enfim, pra quem continuou: Foi meu último ano no Ensino Médio e 2014 será provavelmente mais work bitch do que esse ano foi (ou não, eu sou vagabundo mesmo :v), mas foi um ano engraçado, eu troquei de escola, então o ano não teve aquela sensação de ~despedida~ porque eu estava conhecendo pessoas novas, foi legalzinho. Na internet, eu entrei num grupo sobre o last no facebook, onde eu conheci pessoas muito legais que fizeram parte do meu ano <3 (e virei moderador de lá, chora haters) Musicalmente falando, eu ADOREI esse ano, diferente de muuuuuita gente que falou que foi horrível, talvez porque eu procurei mais (visto que eu ouvi 200+ álbuns) mas esse ano foi muito “produtivo” pra mim, evolui meu gosto, conheci artistas e gêneros novos, foi ótimo e é por isso que esse troço ta gigante pfft. A única parte ruim do meu ano foi a sepração de uma das minhas bandas favoritas, o My Chemical Romance, infelizmente eles separaram DO NADA e eu tava esperando o 5º álbum, enfim, ainda não superei e quem chorou comigo na época sabe disso ): enfim, ano que vem vai ser menor, eu prometo. Mas vamos pra essa budega logo? Então comecem a ler e não esqueçam de deixar seu comentário (e não se esqueçam também de comentar no da minha bff que fez esse projeto comigo, a oiglush, dêem uma passadinha no perfil e no Best of dela <3) GENTE AGORA QUE EU LEMBREI NÃO TEVE ÁLBUM DA RIHANNA!!! Isso é um milagre.

    Atenção: TUDO escrito aqui faz parte da MINHA opinião, se você não concorda e quiser fazer uma critica, um comentário ou algo assim, faça-o de forma construtiva e não ofensiva. Eu agradeço.

    100. The 1975 - The 1975
    99. Ra Ra Riot - Beta Love
    98. Ariana Grande - Yours Truly
    97. How to Destroy Angels - Welcome Oblivion
    96. High Highs - Open Season
    95. Doldrums - Lesser Evil
    94. Toro y Moy - Anything in Return]
    93. Skylar Grey - Don't Look Down
    92. Tom Odell - Long Way Down
    91. Glacier - Teen Daze
    90. Jessy Lanza - Pull My Hair Back
    89. Diana Vickers - Music to Make Boys Cry
    88. Orianthi - Heaven in this Hell
    87. Gliss - Langson Dans
    86. Karol Conká - Batuk Freak
    85. IAMX - The Unified Field
    84. The Haxan Cloak - Excavation
    83. Depford Goth - Life After Defo
    82. Bloodgroup - Tracing Echoes
    81. Foxygen - We Are the 21st Century Ambassadors of Peace & Magic
    80. Jaymes Young - Dark Star
    79. Christopher Owens - Lysandre
    78. Atlas Genius - When it Was Now
    77. Marcelo Jeneci - De Graça
    76. Inform - Educate - Entertain - Public Service Broadcasting
    75. Darkside - Psychic
    74. Miss Kittin - Calling from the Stars
    73. Woodkid - The Golden Age
    72. Sandy Leah - Sim
    71. Nana - Pequenas Margaridas
    70. Arctic Monkeys - AM
    69. Glasser - Interiors
    68. Ellie Goulding - Halcyon Days
    67. Bastille - Bad Blood
    66. My Bloody Valentine - M B V
    65. The Worlds is a Beautiful Place & I Am No Longer Afraid to Die - Whenever, If Ever
    64. David Bowie - The Next Day
    63. Daft Punk - Random Access Memories
    62. Pacific Air - Stop Talking
    61. The History of Apple Pie - Out of View
    60. Laura Mvula - Sing to the Moon
    59. Guards - In Guards We Trust
    58. Baths - Obsidian
    57. Autre Ne Veut - Anxiety
    56. Tropic of Cancer - Restless Idylls
    55. Sigur Rós - Kveikur
    54. Julianna Barwick - Nepenthe
    53. God is an Astronaut - Origins
    52. Britta Persson - If I Was a Band My Name Would Be Forevers
    51. Kanye West - Yeezus





    50.

    I'm so fab, check out: I'm blonde, i'm skinny, I'm rich and I'm a little bit of a bitch



    Artista: Lady Gaga
    Álbum: ARTPOP
    Gênero: pop, dance
    Origem: New York City, New York, United States ()



    Todos sabem que a Gaga foi uma das minhas cantoras favoritas por um bom tempo (mais precisamente 2009 ~ 2011) e isso ficou bem óbvio com o meu maravilhoso username. Eu ainda gosto dela, mas digamos que ela ficou "ofuscada" por outras coisas que eu ouço e o álbum novo embora bom de uma certa maneira, não contribuiu muito para eu voltar a gostar tanto dela como gostava antigamente.

    Gaga deu a entender que seu novo álbum seria algo mais conceitual desde o título revelado um ano antes do lançamento, desde então milhares de especulações foram feitas para o seu conteúdo, o resultado final? Bom, algo divertido, mas não tão art pop. O álbum mostra uma variação e uma inovação em seu som, que em The Fame era descontraído e desprentesioso, em The Fame Monster era algo mais pesado e sério e Born this Way que juntou muitos tipos de estilos e sons indo do country, passando pelo darkwave, rock e chegando ao dance pop de sempre. Em ARTPOP Gaga volta a sua faceta divertida de seu primeiro álbum, só que com uma pitada de... como irei dizer, algo mais "artistico" ? Pode ser, a cantora faz menções a figuras como a deusa Afrodite e a estilista Donatella, só que ARTPOP passa longe de ser algo completamente inovador OU por assim dizer, tão artistico. As repetitivas metáforas com sexo, que parecem querer dizer "algo mais", mas que algumas vezes falham e saem mais superficial que as do seu primeiro álbum. "Do you wanna see me naked lover? Do you wanna see the girl behind the aura?" A cantora declama na faixa de abertura de seu álbum, uma faixa que mistura elementos da cultura ocidental, uma mistura de folk-experimental com dance pop e dubstep a cantora abre seu álbum com algo inusitado e instigante, a segunda faixa "Venus" que tem letras peculiares como "Rocket #9 take off to the planet, to the planet" além de referências aos planetas do sistema solar e a deusa Afrodite, apresenta de novo um dance pop com batidas eletrônicas, as letras de novo são metáforas sexuais, mas dessa vez menos explícitas, a vibe experimental de Aura sumiu um pouco, mas continua presente em Venus. G.U.Y. apresenta de novo uma vibe dance pop que se seguirá pelo álbum inteiro, as letras soam como algo "sou submissa a você, mas ainda tenho vontade própria", algo como um hino anti-feminista e feminista ao mesmo tempo, com letras como "I wanna be the girl under you, g.u.y i wanna be the girl under you that makes you cry" Mas as metáforas sexuais continuam, como em "touch touch me, don't be sweet, love me love me please retweet" que a própria Gaga diz que a escolha de "retweet" seria porque o símbolo do Twitter a lembra um "69". Letras como "I don't need to be on top to know I love you, cause i'm strong enough to know the truth" também referem a algo como ser submissa, mas ter vontade própria algo contraditório, mas interessante ao mesmo tempo. Sexxx Dreams é uma faixa explicitamente sexual, como o título já diz, letras sem vergonhas como "Last night, damn you were on my sex dreams, doing really nasty things" acompanhada de uma batida dance, também apresenta um vocal menos metálico e agressivo de Gaga, a faixa porém não se destaca e soa como algo perdido dentro do álbum. Jewels N' Drugs seria algo como uma paródia a cultura de ostentação que se formou, principalmente, dentro do Rap, a cantora se usa do genêro para fazer uma paródia ao próprio, mais uma vez vemos um vocal mais suave da Gaga, diferente de faixas como Venus, algo que embora possa soar bonito, acaba soando mais sem emoção do que o normal. Em MANiCURE a cantora mostra um som mais "rock" diferente da vibe electro-dance que vinha se seguindo por todo o álbum, versos gritados como um hino, lembrando bandas como Queen. Do What U Want e ARTPOP talvez tenham sido as faixas que tenham chegado mais perto conceitualmente do que a Gaga quis propor no álbum, as metáforas sexuais de DWUW funcionam no ponto certo, com faixas dizendo que poderiam "fazer o que quiser" com o corpo dela, ou seja dizer o quanto quiserem, mas isso não mudará o fato que ela continuará fazendo sua música e seguindo o que acredita, porque eles não tem controle sobre sua vida. Isso juntamente com os tweets que a mesma postou sobre xingamentos que ela recebeu durante os anos (comparações a Madonna, acusações de flopar porque foi barrada pela Katy, ela ser hermafrodita, entre vários outros). Musicalmente a faixa título mostra também algo mais experimental e menos dançante, mais ou menos o que eu esperava do álbum. Swine uma faixa que se baseia mais em batidas dance dá inicio ao lado "fashion" do álbum, com faixas que se falam mais do mundo da moda do que referências sexuais, faixas como Fashion! e a homangem a Donatella Versace, "Donatella", mas nem só de dança e letras sobre sexo vive um álbum, as baladas "Gypsy" e "Dope" vêm para dar uma amenizada no álbum, mas que acabam ficando extremamente deslocadas no mesmo. Principalmente Gypsy, que acaba sendo brega com letras como "I don't wanna be alone forever, but I can be tonight" e uma melodia acústica que no refrão se torna dançante, uma fórmula repetida e manjada. E por fim, os Aplausos para o álbum deslocado, que de um jeito ou de outro conseguiu atingir seu ponto, mas que poderia ser melhor. Lady Gaga ainda tem muito tempo por sua frente, e ARTPOP não mostrou nem metade do seu potencial artistico, Gaga poderia nos mostrar muito mais, como foi nos mostrado no álbum antecessor, que mesmo sendo bem melhor foi menos aceito. Talvez a mesma tenha acertado no ponto de fazer música pop com conteúdo, mas ARTPOP está longe de sentar perto dos álbuns realmente considerados art pop.

    Lives for the applause: Aura, Venus, ARTPOP, Do What U Want
    You better work, bitch:Fashion!, Gypsy, Sexxx Dreams


    49.

    You've gotta set me free, you devoured my soul, 'cause I can taste your lips on my lips, your kisses make me out of control



    Artista: Charli XCX
    Álbum: True Romance
    Gênero: dark pop, pop, electroclash
    Origem: Stevenage, Hertfordshire, England ()


    Charli XCX é uma dessas cantoras de pop alternativo que estão surgindo recentemente, cantoras como Marina & the Diamonds, Sky Ferreira, Natalia Kills, entre outras.

    Em seu debut, Charli apresenta um som eletrônico, dançante. Inovador? Não, Charli não está tentando fazer isso, a cantora britânica que depois de dois anos finalmente nos apresentou seu debut está fazendo música pop de qualidade, com uma vibe mais dark e letras sobre amor e romance, Charli não propõe nada além de um álbum divertido. Seu som pega influência do pop dos anos 90 e do electroclash de artistas como Peaches (You - Ha Ha Ha, Take My Hand), além de batidas pesadas de música eletrônica, lembrando o genêro "dark pop" que Kills "criou" com seu debut (How Can I, Set Me Free, You're the One), além de faixas que remeriam também a um estilo R&B e algumas tentativas de rap como em What I Like. Com tudo isso a garota de apenas 20 anos mostra que pop não é algo ruim ou sujo, um sentido que a palavra injustiçadamente tem nos últimos tempos. Algumas faixas já eram conhecidas, como seu hit Nuclear Seasons, You're the One, Stay Away, entre outras. Faixas novas seriam apenas 5, mas para quem começou na Charli esse ano, o álbum apresenta uma boa coleção de faixas descontraídas e levadas por um vocal grave e poderoso. Charli talvez não tenha atingido seu máximo potencial nesse álbum, na verdade, está longe disso. Mas ela mostrou-nos que o tem, a cantora já está engatada em outro projeto e lançará seu segundo álbum ano que vem. A senhorita XCX no entanto já conseguiu o que precisava, a aceitação da crítica e de seu público alvo. O resto é história.

    Lives for the applause: Set Me Free, Nuclear Seasons, You're the One, Grins
    You better work, bitch: Stay Away, Cloud Aura, What I Like



    48.

    If you're looking for love, know that love don't live here anymore, he left with my heart, they both walked through that door, without me.



    Artista: Miley Cyrus
    Álbum: Bangerz
    Gênero: pop, hip-hop, rnb
    Origem: Nashville, Tennesse, United States ()


    Com toda certeza Miley roubou a cena em 2013, não é de hoje que a atriz de Hannah Montana vem dando sinais de rebeldia, mas em 2013 isso foi concretizado, mesmo sendo alvo de piadas e paródias por sua performance no VMA, por seu comportamento e pelo seus vídeos um tanto quanto peculiares, a cantora adquiriu um respeito por parte da mídia comparável ao de cantoras pop já consagradas, além de sua performance nos charts ter saido melhor do que as de suas compatriotas da disney, Selena e Demi. Como se não bastasse, a cantora lançou um álbum bom e diferente, o que não se esperava, visto que ex-disneys tendem a repetir o material que agrada seus fãs adolescentes. Mesmo que não do melhor jeito, Miley amadureceu tanto em sua imagem, quanto musicalmente e talvez tenha sido a ex-disney que mais se saiu bem desde de Britney Spears e Christina Aguilera.
    Embora o título de Bangerz possa remeter a um álbum de hip-hop com várias músicas de "twerk" e dançantes, o que acontece é quase o contrário. O álbum contém uma grande variedade de estilos, passando por baladas românticas de R&B como "Adore You" e "My Darlin'", faixas country como "4x4", faixas com um estilo mais pesado como "FU" e "Someone Else" e faixas mais leves como "#GETITRIGHT" e "Rooting for My Baby", o verdadeiro "twerk" só vem vir em faixas como 'Love Money Party" e "Do My Thang". A parceria com Britney em SMS acaba sendo ofuscada pela qualidade presente no álbum inteiro, sendo produzido quase todo por Mike Will Made-It, o álbum apresenta uma maturidade lirica e musical de Miley, elevando-a a um nível muito alto. 2013 foi realmente o ano da Miley, mas não apenas por suas polêmicas, mas também pelo seu realmente bom álbum, a garota tem futuro.

    Lives for the applause: Adore You, FU, Someone Else, Rooting for My Baby, My Darlin'
    You better work, bitch: SMS (Bangerz), Maybe You're Right


    47.

    They can see you but you can't see them. So are you gonna let them in? They're hiding underneath your bed, crawling between your legs, they're sticking it in your vein



    Artista: Yeah Yeah Yeahs
    Álbum: Mosquito
    Gênero: alternative rock, dance-punk
    Origem: New York City, New York, United States ()


    Yeah Yeah Yeahs é uma banda que se reinventa sempre, embora eu não conheça a fundo toda sua discografia, pelo o que já ouvi superficialmente dos outros álbuns soa bem diferente do que ouvi no Mosquito. O álbum todo é acompanhado pelo clima assombroso já dado ao ouvinte da capa, com o instrumental etéreo, a voz arrastada e aguda de Karen O, o álbum começa com a maravilhosa Sacrilege que contém, ironicamente, um coral de igreja cantando "it's sacrilege, it's sacrilege", a faixa que segue "Subway" que é carregada apenas pela voz sem explosões de Karen e seu instrumental minimalista. Mosquito tem momentos de calmaria, de músicas mais ambient, de vocais arrastados mais minimalistas, mas também tem momentos mais explosivos e nervosos, como a faixa título. Num clima de filme de Terror B misturado com ficção cientifica, com sintetizadores assustadores, a voz bizarra de Karen, letras pertubadoras, o álbum se mostra consistente e uma bela adição a já ótima discografia do Yeah Yeah Yeahs.

    Lives for the applause: Sacrilege, Area 52, Subway, Mosquito.
    You better work, bitch: Buried Alive, Always



    46.

    What does the future sound like? The future will be silent. The future was not supposed to be like this. Where is the paradise that was promised? Silent.



    Artista: Orchestral Manoeuvres in the Dark
    Álbum: Electric English
    Gênero: synthpop, new wave, experimental
    Origem: Wirral Penisula, England ()


    Embora esse seja o décimo segundo álbum da banda e o segundo desde a reunião deles em 2005, eu nunca tinha ouvido nenhum outro álbum deles (e a situação, infelizmente, continua assim) mas não é dificil imaginar o som de seus álbuns anteriores, a banda é dos anos 80 e tinha base no synthpop e no new wave assim como a maioria surgida nessa epóca. O som de seu novo álbum "Electric English" soa nostálgico, evocando o sentimento dos anos 80 e do synthpop daquela epóca, mas soa futurista ao mesmo tempo. A banda experimenta com elementos novos colocando-os em faixas que soam antigas, algumas faixas como por exemplo "The Future Will Be Silent" são faixas que tomam como influência o genêro do "dubstep" e o incorporam em seu estilo oitentista, a maioria das faixas soam assim, nostálgicas, mas futuristas. Assim como "Night Café" e "Metroland" que despejam tanto liricamente como musicalmente toda a vibe oitentista e do new wave. As letras também fazem metáfora ao futuro de uma forma quase que pós-apocaliptica. É um álbum interessante de um genêro que de vez em quando escorrega nas repetições e nas reciclagens, mas que não deixa de ser bom.


    Lives for the applause: The Future Will Be Silent, Stay with Me, Dresden.
    You better work, bitch: Helen of Troy



    45.

    Se não fossem minhas malas cheias de memórias ou aquela história que faz mais de um ano, se não fossem os danos, não seria eu. Se não fossem as minhas tias com todos os mimos ou se eu menino fosse mais amado, se não desse errado, não seria eu.



    Artista: Clarice Falcão
    Álbum: Monomania
    Gênero: folk, pop
    Origem: Pernambuco, Recife, Brasil ()


    Clarice Falcão é a prova de que pro brasileiro, artista brasleiro só presta se não fizer sucesso. Quando Clarice nem EP tinha, era só elogios, hoje em dia só faltam crucificar a menina por ser "songa demais" "babaca" "música de três acordes". Mas deixando a opinião alheia de lado e indo ao que interessa: a música. Clarice Falcão é uma cantora sem pretensão NENHUMA, é apenas uma menina fazendo músicas engraçadinhas e simples sobre amor. Nada de genial, algo para você pegar o violão na rodinha dos amigos e todo mundo cantar junto e rir. Clarice não tenta ser a nova diva indie conceitual, até que não dá para fazer isso com letras bobinhas sobre cíumes ao extremo, paixonite aguda e dramas de um relacionamento adolescente. Mas a verdade é que Monomania mesmo sendo um álbum (bem) bobinho, é agradável. Suas músicas fáceis de ouvir, rápidas e com letras com rimas bonitinhas arrancam uma ou duas risadas durante seus 34 minutos. A voz doce e a fofura por si só de Clarice também colabora bastante na composição do álbum. Monomania é um disco descontraído, divertido e bobinho. Só isso. Embora contenha algumas músicas interessantes, como "Eu Me Lembro" uma parceria com o cantor SILVA, aonde os dois interpretes narram junto como o casal se conheceu, cada um de um jeito. A música traz uma boa nostalgia e uma sensação de tarde de sabádo com os amigos, o que não é ruim. Além da autobiográfica Capitão Gancho que mesmo com menos de 1 minuto e meio consegue se tornar uma das melhores do álbum.
    Monomania é um álbum songuinho sobre amor adolescente. E é ótimo.
    LEVEM A VIDA MENOS A SÉRIO!!!!!

    Lives for the applause: Capitão Gancho, Eu Me Lembro, Oitavo Andar (Uma Canção Sobre o Amor), Monomania
    You better work, bitch: Talvez


    44.

    And under the water you scream so loud but the silence surrounds you, but I hear it loud and you fall in the deep and I'll always find you



    Artista: Justin Timberlake
    Álbum: The 20/20 Experience
    Gênero: pop, hip-hop, rnb
    Origem: Memphis, Tennessee, United States ()


    Comeback do ano? Muito provavelmente Justin Timberlake levou esse título (quando digo comeback quero dizer que o artista ficou pelo menos uns 4 ou mais anos fora da indústria musical e voltou e não a sua diva que fez um álbum a 2 anos atrás e ficou fazendo turnê e agora lançou mais um, porque ela nem foi para poder voltar, para começo de conversa).
    Justin mostrou que não está para brincadeira quando lançou seu projeto chamado "The 20/20 Experience" que conta com a ajuda de grandões da música como Jay-Z e Timbaland, o cantor ex-disney nos deu um álbum que mescla canções pop, hip-hop e de R&B conteporâneo, com músicas extremamente bem produzidas, refrões chicletes, falsettes incríveis e letras sobre amor no maior estilo Justin Timberlake de sempre, o cantor conseguiu voltar com tudo na indústria do pop de 2013 com um disco que desafia o comum ouvinte de pop, de hits rápidos e efemêros com faixas que barram a duração de 5 minutos e chegam até os 8, 9 minutos.
    Com músicas que lembram seu estilo antigo, como a pegajosa e melancólica Mirrors, as dançantes Suit & Tie e Let The Groove Get In, o hip-hop de Don't Hold the Wall, e até mesmo aquelas românticas-bregas que chegam a ser extremamente melosas como Strawberry Bubblegum e That Girl são boas, pela sua incrível produção. As letras não são nenhuma genialidade, como se espera de um álbum pop, mas ela combina com a proposta e com o estilo de Justin.
    Timberlake acabou por reviver o pop pegajoso que já vinha decadente desde o começo da decáda de 2010 e dar a ele uma roupagem nova, mais ousada e experimental. The 20/20 Experience provavelmente ditará as regras do que será o pop nos próximos anos, com menos de um ano de lançamento o disco do Sr. Timberlake já é um clássico contemporâneo.

    Lives for the applause: Blue Ocean Floor, Don't Hold the Wall, Spaceshi Coupe, Pusher Lover Girl
    You better work, bitch:
    Strawberry Bubblegum

    43.

    Talk to me and watch me crumble, you will see me come undone, faithfully I will look over. There I'll find what you've become



    Artista: Disclosue
    Álbum: Settle
    Gênero: house, dance, future garage
    Origem: Reigate, Surrey, England ()


    Os irmãos do Disclosure fizeram bastante barulho esse ano. Nos dois sentidos, chamando a atenção de todos e figurando em várias listas de "Melhores do ano" incluindo a da Pitchfork, Billboard e uma indicação ao Grammy quanto em sua música explosiva, energética e dançante. Settle é EDM de primeira qualidade, tanto pelos sintetizadores pegajosos e viciantes, pela produção impecável, pelas colaborações de primeira (Sam Smith, Jessie Ware, Eliza Dolittle, London Grammar, AlunaGeorge). Disclosure cria música dance de muita qualidade e com conteúdo e acabaram se saindo melhor que uma outra dupla de robôzinhos. Mesmo que alguns podem chama-la de genêrica, Settle soa original e novo em folha, seja por suas batidas cativantes, os vocais perfeitos, a produção impecável. Disclosure mostra como se faz música pop e EDM de qualidade, uma epóca que o genêro vem cadenciando e caindo de qualidade lentamente e terrivelmente com artistas chatos e repetitivos como David Guetta e Avicii.
    Everybody hails Disclosure.

    Lives for the applause: White Noise, Help Me Lose My Mind, Confess to Me, Defeated No More
    You better work, bitch:
    Grab Her, What’s In Your Head

    42.

    I see you creep into my room like smoke, under my door, I can feel you in my throat. You ain't no good but you're good enough. I'll give you all my time but not my love



    Artista: Youngblood Hawke
    Álbum: Wake Up
    Gênero: alternative pop, electropop
    Origem: Los Angeles, California, United States ()


    Com seu som alegre, a produção coesa, seus vocais maravilhosos, os corais que estão presente em todas as músicas, Youngblood Hawke conquistou seu lugar no meu Best of 2013, confesso que não pesquisei muita coisa sobre o mesmo, acho que só o som alegre e divertido já bastava para eu me viciar, no entanto, o projeto tem algumas letras bem interessantes e algumas nem tão alegres assim. O som da banda é algo que cativa facilmente qualquer um, com seu ritmo divertido, dançante, lembra tardes de sábado de sol com os amigos, dançando e brigando a beira de uma piscina. A produção do álbum é coerente e boa em todo o álbum, é um álbum muito gostoso de se ouvir e facilmente "viciável", seja pela incrivel produção (ótima, para uma banda independente) pelos vocais masculino e femininos que se juntam muito bem, pelos refrões pegajosos, não importa, o que importa é que quando você ouvir Youngblood Hawke você não irá querer ficar parado. Nem só de depressões e tristezas vivem o Marcus, né gente, give me a break <3


    Lives for the applause: Sleeples Street, Last Time, Rootless, We Come Running
    You better work, bitch: Forever, Dannyboy


    41.

    You cheated me and left me lonely, I tried to be your very own, there'll be a day you'll want me only, but when I leave, I'll be a long time gone ,be a long time gone, be a long time gone



    Artista: Billie Joe + Norah
    Álbum: Foreverly
    Gênero: folk, country, americana
    Origem: United States ()


    Essa foi uma pareceria inusitada, que deu muito certo. Sempre achei que a voz do Billie combinaria com algo country e isso se concretizou. A voz de ambos, acompanhada da ambientação, com gaitas, acordeões, chocalhos, te levam ao interior do Estados Unidos nos anos 50, achei toda a produção do álbum muito bem feita, as vozes combinaram perfeitamente, eles conseguiram realmente deixar um clima country no álbum todo, como se tivesse sido realmente gravado na epóca.
    No geral, achei a criação desse projeto algo muito legal, parece que Billie queria fazer um álbum cover de um álbum da Everly Brothers, uma banda dos anos 50, mas não sabia com quem e sua mulher indicou a Norah Jones, Norah por sua vez que estava saindo de uma turnê e estava cansada, acabou aceitando e chamou Billie de "muito persuasivo". E ainda bem que ela aceitou, o álbum em parceria ficou ótimo e quase que eu não ouço ele nesse fim de ano, ouvi graças ao Kimball <3 e não me decepcionei. Muito melhor que a trilogia do Green Day mais recente, mesmo sabendo que isso provavelmente um projeto de um álbum só, eu espero que mais coisas sejam feita pela dupla ou que num futuro nem tão distante os dois se juntem de novo e crie mais uma mágica e nostálgica obra de arte.

    Lives for the applause: Roving Gambler, Silver Haired Daddy of Mine, Who's Gonna Show Your Pretty Little Feet?, I'm Here to Get my Baby out of Jail
    You better work, bitch: Put my Shoes Away



    40.

    É muito mais do que bilíngue, faz com a língua o que quiser.



    Artista: Ana Carolina
    Álbum: #AC
    Gênero: mpb, pop, samba
    Origem: Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil ()


    Sempre gostei da Ana, mas nunca fui em ouvir álbuns inteiros dela. Essa foi minha primeira experiência do tipo com a carreira dela e posso dizer que foi boa. O álbum é consistente, escrachado em algumas partes, romântico e mistura vários genêros como mpb, pop, samba, tango e valsa. Embora o álbum não seja coeso e sua tracklist não faça muito sentido, com músicas sem ligações umas as outras, é um bom álbum de músicas individuais, com letras interessantes como a engraçada e dançante Pole Dance, a gostosinha Resposta da Rita com o Chico Buarque, o samba de Pelo iPhone, a várias menções a pessoas importantes do Brasil em Canção para Ti, o ótimo tango de Mais Forte, são faixas que em uma tracklist não fazem muito sentido, mas que individualmente são ótimas. O timbre da voz de Ana como sempre está ótimo e consegue atingir notas altas, #AC é um álbum curto, mesmo com duas faixas bônus, o que torna sua audição fácil e agradável.


    Lives for the applause: Pole Dance, Mais Forte, Pelo iPhone, Resposta da Rita
    You better work, bitch: Esperta


    39.

    Is this paper all I've got, all I've got to keep you with me? Keep you from fading away, 'cause this paper is not enough, not enough to bring you to me



    Artista: AlunaGeorge
    Álbum: Body Music
    Gênero: synthpop, alternative rnb, trip-hop
    Origem: London, Greater London, England ()


    Lives for the applause: You Know You Like It, Outlines, Attracting Flies, Lost & Found
    You better work, bitch: Friends to Lovers, Superstar


    AlunaGeorge é uma das coisas mais viciantes do mercado "alternativo-mainstream" do momento, com sintetizadores marcantes e uma produção impecável por todo seu primeiro álbum "Body Music", acompanhado pela inusitadamente aguda voz de Aluna Francis, a dupla tem ganhado seu espaço na midia e conseguiram fazer um álbum com músicas gostosas de serem ouvidas, dançantes e divertidas, mas com qualidade. É inegável o talento de ambos tanto na produção, quanto nos vocais. As letras também são interessantes e embora não muito profundas, tem uma certa qualidade. Os refrões grudentos são fáceis de ficarem guardados na memória. O álbum só peca na quantidade de faixas, ele contêm 14 faixas, o que alonga o álbum demais e as faixas finais não são tão boas e interessantes quanto as primeiras, tornando-se um álbum dificil de se ouvir por completo, por isso a banda pode ter perdido alguns pontos comigo. Mas o álbum é bom e a dupla tem talento, muito provavelmente eles terão futuro e materiais para completar um álbum de 14 faixas, sendo todas elas muito boas.


    38.
    I wanna show my love but I don't know how, I know that I'm a mess but I pray you'll stick around



    Artista: Fallulah
    Álbum: Escapism
    Gênero: alternative pop, synthpop, art pop
    Origem: Tårnby, Amager, Denmark ()


    Já conhecia a Fallulah de nome, mas nunca tinha ouvido sua música. Baixei o Escapism e pelo o que me parece, não foi um álbum tão divulgado quanto o debut dela "Black Cat Neighbourhood", mas eu adorei o álbum, tinha tudo para ficar lá em cima, voz aguda, parecendo uma mistura de Oh Land com Lykke Li, tambores, música eletrônica pop, mas experimental também, letras metafóricas. Enfim, Fallulah tinha tudo pra ter "Escapism" como top 10, mas por algum motivo desconhecido ela acabou ficando para trás. Só que isso não quer dizer que eu não gostei do álbum dela, pelo contrário, só de estar no top 50 já mostra que eu gostei muito (se eu pudesse colocasse todo o top 50 no top 10, mas leis da fisica e matemática não me permitem). O álbum é dançante, alegre, com uns momentos de depressão, super pegajoso com essa voz maravilhosa da Fallulah guiando tudo, é um álbum muito gostoso de se ouvir, de uma cantora que tem muito futuro entre essas cantoras de pop alternativo como Lykke Li, Oh Land, Marina & the Diamonds, entre outras.


    Lives for the applause: Deserted Homes, Dried-Out Cities, Dragon,
    You better work, bitch: Your Skin


    37.

    Take me down to the river, underneath the blood orange sun, say my name like a scripture and keep my heart beating like a drum.



    Artista: Katy Perry
    Álbum: PRISM
    Gênero: pop, electropop
    Origem: Santa Barbara, California, United States ()



    MY PRISM COULD MEAN ANYTHING.

    Depois do ácido-fofo One of the Boys e do diabético-fofo Teenage Dream, Katy vem com PRISM, seu novo álbum... Antes dado como um "enterro" do Teenage Dream, com teasers que remetiam a uma direção completamente nova instigaram fãs e não-fãs (inclusive eu). Roar foi um balde de água fria na cara de quem esperava realmente uma mudança radical (inclusive, de novo, na minha), uma música com a fórmula repetida e desgastada do Teenage Dream, que embora tenha letras até consideráveis, não saia da zona de conforto já alcançada pela Katy. PRISM no entanto, mostrou realmente uma diferença tanto de Roar como do Teenage Dream, Perry não apagou as luzes para seu álbum novo, pelo contrário, ela abriu ainda mais as cortinas e deixou mais luz ainda entrar. Isso foi ruim? Não. PRISM se saiu como algo diferente, mas que ainda bebe da fonte do Teenage Dream. As melodias são mais leves, dreamy e menos diabéticas, o álbum todo te dá a sensação de uma tarde ensolarada de domingo no campo (seja pela melodia e pelas letras calmas dele ou pela imagem de seus photoshoots). O Fato é que PRISM é um álbum leve assim como a luz que Perry deixou entrar para fazê-lo, sem muitas pretensões. Mas Katy explora alguns lados e elementos interessantes nesse álbum, como o pop pagão de Legendary Lovers, que mescla música eletrônica com elementos da cultura indiana e letras que falam sobre "terceiro olho" "karma" "escrituras", Katy também explora um lado mais rnb e urbano em Dark Horse, com batidas de trap, elementos dreamy e sensuais e letras metafóricas sobre "tempestade perfeita" e "cavalos negros", a composição das músicas estão realmente melhores nesse álbum. A primeira parte do álbum conta com faixas mais alegres e retrôs, como Birthday que lembram o new wave dos 80's e Walking on Air as faixas dance dos 90's, This Is How We Do é uma descontraída música fim-de-festa para aquelas únicas 5 pessoas que sobraram na pista de dança. International Smile no entanto é uma reciclagem de suas faixas anteriores, não trazendo nada de interessante para a carreira de Katy ou para o álbum. O contraste da primeira parte se dá com a balada Unconditionally aonde Katy declama todo seu amor incondicional de uma forma não-brega, a faixa é poderosa com sintentizadores um tanto quanto experimentais e baterias marcantes. A segunda parte do álbum é bem mais calma, no entanto, com vocais mais suaves e melodias menos dançantes e lineares. As faixas 9 a 16 forma uma bela sequência, com faixas coesas e sólidas e com letras boas. Destaque para Choose Your Battles, It Takes Two, Love Me e Spiritual que são carregadas de grandes emoções e mostram que Perry é mais do que uma cantora pop que vive de singles e que sim dá a importância ao seu trabalho como um todo. PRISM é um álbum leve, claro, como um raio de sol, como flores no campo, como a brisa de uma tarde quente de verão e não, isso não é ruim.

    Lives for the applause: Legendary Lovers, Choose Your Battles, It Takes Two, Love Me
    You better work, bitch: Roar, International Smile, Walking on Air


    36.


    Take off your clothes, and give them to me. Put on my robes, pretend that you're me. Because nobody knows who we are. I'm sorry friend, but we've come too far.



    Artista: Esben and the Witch
    Álbum: Wash the Sins Not Only the Face
    Gênero: post-rock, dream pop, gothic pop
    Origem: Brighton, East Sussex, England ()


    Essa era outra das bandas que já tinham um álbum, mas eu só baixei o segundo (fiz muito isso no começo desse ano). Esse álbum estava no meu top 10 no primeiro semestre, mas acabou descendo por diversos fatores, mas eu simplesmente adoro esse álbum, desde o nome, passando pela capa e indo até a sonoridade post-rock / gótico / shoegaze, que juntamente com a voz gelada, funda e tétrica da vocalista torna um álbum obscuro, fantasmogórico com uma sonoridade bem dream pop, só que com um tom mais triste e assustador. As letras minimalistas, com poucas palavras, sendo sussurradas de jeito quase indecifrável também contribuem para esse ser um ótimo álbum. Bom, quem ouvisse já saberia que eu tinha gostado desse álbum, porque eu gosto muito dessa sonoridade fantasmagórica, principalmente com esses vocais arrastados.

    Lives for the applause: Deathwaltz, When that Head Splits, Shimmering
    You better work, bitch: Despair


    35.

    Don't pray for us, we don't need no modern Jesus, to roll with us. The only rule we need is never giving up. The only faith we have is faith in us



    Artista: Portugal. The Man
    Álbum: Evil Friends
    Gênero: experimental, psychedelic pop, alternative rock
    Origem: Wasilla, Alaska, United States ()


    Eu poderia definir esse álbum em uma palavra: viciante.
    A mistura de elementos de pop, rock, experimental e psicodelia de Portugal. The Man torna a banda uma das mais criativas e inventivas da atualidade e uma das mais ativas também, desde de o seu inicio em 2006, a banda lançou um álbum por ano, até hoje (Rihanna do alternativo -n) mas não mostra nenhum tipo de cansaço, reciclagem ou repetição. Pelo contrário, a banda que conseguiu projeção comercial recentemente mostra folêgo e criatividade de uma banda que está no seu prmeiro álbum. Faixas como "Plastic Soldiers" que começa como algo melancólico se transforma em uma canção alegre e dançante. Os sintetizadores presentes em faixas como Modern Jesus e Creep in a T-Shirt acompanhada dos vocais que abusam dos falsettes e das distorções vocais tornam a audição do álbum algo extremamente agradável e deliciosamente viciante.


    Lives for the applause: Plastic Soldiers, Evil Friends, Modern Jesus, Creep in a T-Shirt
    You better work, bitch: Smile, Waves



    34.

    Não importa o que você faz aqui. Não importa se você gosta assim. Não me importo em ser sutil, já que há um não no sim




    Artista: Dorgas
    Álbum: Dorgas
    Gênero: shoegaze, dream pop, psychedelic
    Origem:Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil ()


    Que felicidade que eu fiquei ao ver que essa banda era brasileira, ignore o nome estranho, a sonoridade da banda não parece nada com o nome. Com um instrumental viciante e vocais peculiares e distorcidos, a banda cria um som diferente de tudo que já foi visto na cena nacional. O álbum sem letras muito complexas, com vários termos repetidos ou frases desconexas, o álbum foca-se mais na ótima produção experimental que acaba sendo pegajosa. Com duas pessoas no vocais alternando entre as músicas, ambos são estranhos a primeira ouvida, principalmente pelo tom tão agudo. O álbum contém apenas 9 músicas, mas são 9 deliciosas músicas que mostram como o Brasil pode ser versátil musicalmente.

    Lives for the applause: Hortência, Campus Elysium, Patricinha Ingrata
    You better work, bitch: Bósforo


    33.

    If you must die, sweetheart, die knowing your life was my life's best part and if you must die, remember your life was mine's best part




    Artista: Keaton Henson
    Álbum: Birthdays
    Gênero: folk, acoustic,
    Origem: London, Greater London, England ()


    Esse moço me conquistou aos 44 minutos do segundo tempo de 2013. Descobri ele quase em dezembro e acho que se não tivesse viciado tanto, ele não teria entrado pro top (originalmente, ele não tinha, mas resolvi colocá-lo).
    Keaton me cativou com sua timída e fofa voz, que evoca os mais lindos sentimentos através de suas simples melodias e letras melancólicas e tristonhas, Keaton declama versos sobre solidão, amor e tristeza através de suas canções que em sua maioria contêm apenas um violão, Keaton toca fundo com sua frágil e linda voz, mesmo em faixas minimalistas como "Teach Me" e "You" e até em faixas mais pesadas, com influências do post-rock como Kronos e Beekeper. A faixa Don't Swim é de uma beleza incrível, Keaton canta de forma quase sussurrada sua música. O sentimento claro de timidez e tristeza é evidente, e para informação (de um fã dele) Keaton não fazia shows porque não sabia como lidar com o público até pouco tempo.
    Isso mostra que Keaton é um artista em par com os sentimentos transmitidos a sua música e isso a torna muito mais sincera e bonita.

    Lives for the applause: Teach Me, Don't Swim, You, 10Am Gare Du Nord
    You better work, bitch:Milk Teeth




    32.

    Just think of the future and think of your dreams, you'll get away from here, you'll get away eventually



    Artista: Paramore
    Álbum: Paramore
    Gênero: alternative rock, pop rock, folk
    Origem: Franklin, Tennessee, United States ()


    "Paramore ainda é uma banda" Essa foi a frase repetida a exaustão pelos membros restantes de Paramore. Hayley Williams, Jeremy Davis e Taylor York se esforçaram bastante para manter o nome Paramore de pé depois da conturbada saída dos irmãos Zach e Josh Farro, duas partes importantes da banda. Depois de um álbum pesado conceitualmente como o Brand New Eyes, cheio de indiretas e raiva, Hayley precisava descarregar toda a raiva contida, ela conseguiu fazer isso com o EP "Singles Club" e com faixas como "Monster" que serviram como alicerce para a banda não desmoronar, enquanto mostravam auto-confiantes para os fãs. Finalmente, um álbum novo saiu, auto-intitulado, representando um recomeço para a banda e reforçando o fato de que "Paramore ainda é uma banda". O resultado? Um álbum extremamente mais maduro musicalmente e que soa bem mais sincero e confiante, Paramore largou a imagem-adolescente pop punk que eram a marca registrada de seus álbuns anteriores, principalmente de RIOT! que os catapultaram direto para o sucesso mainstream. Hayley parecia querer cortar qualquer ligação que tinha com a sonoridade de seus antigos álbuns e ao mesmo tempo terem a mesma essência que manteria os fãs antigos. O álbum cumpriu esse papel, e muito bem, mostrando mais variedade musical do que os outros, o álbum também mostra muitas novidades no som de Paramore, com a adição de elementos eletrônicos como em Grow Up, o uso de Ukelele em (One of Those Crazy Girls), uso de um coral gospel em "Ain't It Fun" e uma baladinha suave como "Hate To See Your Heart Break" aonde encontramos o vocal da Hayley como nunca ouvimos antes, o ponto alto do álbum, no entanto, são as pequenas interludes que se encontram entre umas faixas e outras durante o álbum, ao todo, são três, "Moving On", "Holiday" e "I'm Not Angry Anymore" que também são faixas curtas, suaves e despreocupadas, com a base sendo apenas um violão e sua gravação remetendo ao country dos anos 50/60, algo para mostrar o quão versátil Paramore e a voz de Hayley são. Na parte lirica o álbum ainda mostra alguma da raiva contida de Hayley e ainda apresenta algumas indiretas para os irmãos Farro, principalmente nas curtas interludes, algo para mostrar que eles realmente seguiram em frente, mas existe mais uma novidade no álbum, a adição de faixas românticas, Still Into You e (One of Those) Crazy Girls são sobre amor e nada mais. Hayley disse que ainda tem dificuldade para escrever esse tipo de música, porque nunca tinha escrito antes. Crazy Girls no entanto ao mesmo tempo que é romântica também é incrivelmente pertubadora, com letras como "If you're not there when I break in, I'm gonna crawl to your closet, so I can smell your skin" algo como uma stalker, além de progressões vocais da Hayley de um suave "hey baby are we over now?" no começo da música para um psicótico "HEY BABY!!!! ARE WE REALLY OVER NOW????!!!!" em seu final. As letras das músicas são mais sucintas e mais diretas, sem muitas metáforas ou conceitos escondidos, elas falam exatamente daquilo que você está ouvindo e isso em momento algum é algo ruim, no entanto o álbum ainda carrega uma ode a uma faixa antiga, Part II continua Let The Flames Begin, continua não, melhor dizendo "finaliza". O álbum encerra com Future, uma faixa de 7 minutos, do estilo post-rock, com poucas letras e vocais, seguindo um instrumental por quase 5 minutos, uma pista para os ouvintes de que eles realmente estão mais maduros e que o Futuro nos reserva muitas coisas boas.
    Paramore é a prova de que Paramore AINDA é uma banda, depois de tudo, e o mais interessante, que eles são uma banda MELHOR, mais sincera, mais feliz e mais pé no chão, a banda ainda tem o que caminhar, e muitas coisas para fazer, seu quarto álbum foi realmente um recomeço para a banda e que recomeço!


    Lives for the applause: Future, (One of Those) Crazy Girls, Hate To See Your Heartbreak, Ain't It Fun, todas as 3 interludes
    You better work, bitch: Daydreamin', Be Alone


    31.

    Tell me why, must we sleep, tell me why, we want things we can't keep, tell me why, we have no choice tell me why, these illusions have a voice



    Artista: Little Boots
    Álbum: Nocturnes
    Gênero: nu-disco-, house, synthpop
    Origem: Blackpool, Lancashire, England ()


    Depois de 5 anos de luta desde o lançamento do seu debut, Hands, Little Boots volta com seu segundo álbum "Nocturnes". O álbum foi lançado quase independentemente por falta de apoio da gravadora, que não queria que ela fizesse a sonoridade que ela queria fazer. Depois de várias faixas vazadas, 2 mixtapes e muitos singles avulsos, Little Boots voltou arrassando com seu novo álbum. Precedido pela ótima "Motorway", que é uma música house eteréa acompanhada de um piano. O álbum é todo dance e house, mas eu não sinto como um álbum colorido e sim como um álbum escuro e frio, mas dançante. Com uma produção ótima e com mais personalidade, Nocturnes consegue ser melhor do que seu já ótimo debut, Hands. A comparação é inevitável, principalmente depois de um hiato tão grande. A cantora disse que se inspirou a fazer esse som por estar sendo a dj em várias festas e ter feito vários amigos dj's. O álbum é coeso, bem produzido, polido e com vocais ótimos. As letras deixam a desejar, como na terrivel Beat Beat ou Shake, mas as letras são quase irrelevantes em músicas com o óbvio intuito de ser dançante. A produção fala por si só e Nocturnes conseguiu brilhar mais do que o seu antecessor new wave, Hands (pelo menos para mim).
    obs: a artwork dos singles e dos álbuns são lindas

    Lives for the applause: Motorway, All for You, Confusion, Broken Record
    You better work, bitch: Beat Beat


    30.

    I don't wanna be a star, but a stone on the shore. Long door, frame the wall, when everything's overgrown



    Artista: James Blake
    Álbum: Overgrown
    Gênero: soul, experimental, post-dubstep
    Origem: Enfield, London, England ()


    Com sua hipnotizante voz, James Blake fez um maravilhoso álbum de rnb/soul, misturado com elementos experimentais, seus instrumentais minimalistas e etéreos deixam em evidência a profunda voz de James. As músicas contêm muitas camadas, o que faz de Overgrown, um álbum que tem que ser ouvido com calma e tem que ser sentido. Talvez, numa primeira ouvida algumas pessoas podem o achar vazio e brando (eu mesmo posso ter tido essa impressão), mas quando você consegue compreender a beleza do álum é fácil se perder em suas ótimas músicas, e na voz suave e aveludada de Blake.

    Com um foco maior nas letras, Overgrown é um ótimo álbum com pouquissimos erros e muitos acertos.

    Lives for the applause: Overgrown, Retrogade, Digital Lion, DLM
    You better work, bitch: Take a Fall For Me


    29.

    I feel so alone, why don’t you just stay here? Brings more than summer skies are letting go and to your loneliness asking what you wanna be. I ask you what you wanna do, you're all I do.



    Artista: oOoOO
    Álbum: Without Your Love
    Gênero: witch house, chillwave, dark ambient
    Origem: San Francisco, California, United States ()


    Witch House acabou se tornando um dos genêros mais interessantes para mim, por eles serem tão instáveis e todas as bandas do genêro serem diferentes umas das outras, no entanto, 2013 não foi um ano que houve muitos lançamentos de álbuns do genêro, mas um dos poucos que eu acompanhei ficou muito bom, oOoOO é um dos projetos mais legais do genêro. O álbum com letras em sua maioria sobre amor e solidão, a produção que fica a cargo do dono do projeto Chris Dexter Greenspan, com sua sonoridade etérea, com influências da house music com elementos obscuros e vocais ecoados, além da batida de hip-hop em algumas músicas, Chris diz que as influências do projeto são bem distintas como Ludacris, Broadcast e Britney Spears. O álbum apresenta um trabalho, coeso e que acerta na sua proposta. Para quem gosta do genêro ou derivados, é um álbum imperdível.

    Lives for the applause: Stay Here, Without Your Love, Sirens
    You better work, bitch: 3:31 AM



    28.


    Another day goes by and I don't wash my hair. Another night is spent wishing you were here. My skin it looks so pale, what's that over there?





    Artista: Kate Nash
    Álbum: Girl Talk
    Gênero: alternative rock, no wave, riot grrl
    Origem: Harrow, London, England ()


    Deixando de lado de vez a imagem de garota ácida que toca músicas fofas no piano, Kate Nash deu uma repáginada completa em seu visual para Girl Talk, pintando seu ruivo cabelo de preto, adotando um estilo mais rebelde e agressivo, Kate Nash agora é uma feminista revoltada coladora de velcro -n Mas mesmo que a Kate do Made of Bricks tenha sido ótima, a do Girl Talk se mostra bem mais madura e mais inteligente, usando seu sarcamo de forma mais articulada, o álbum contêm várias criticas sociais, mas também contêm várias faixas engraçadas e divertidas. Com um instrumental mais agressivo e vocais mais rasgados e gritados, tipicos da cena "riot grrrl" , Girl Talk é um ótimo álbum de 15 faixas, divertido de se ouvir, mais maduro, mais inteligente e tudo isso acompanhado pelo maravilhoso senso de humor da Kate Nash e seu sotaque delicioso.

    Lives for the applause: Lullaby For Insomniac, Rap for Rejection, OMYGOD!, Sister
    You better work, bitch: All Talk, Labyrinth




    27.

    We worshipped you, your red right hand. Won't we see you once again? In foreign soil, in foreign land, who will guide us through the end?



    Artista: Vampire Weekend
    Álbum: Modern Vampires of the City
    Gênero: alternative rock, baroque pop, experimental
    Origem: New York City, New York, United States ()


    Se houve uma banda que conseguiu muito mais respeito do que já tinha, essa banda foi Vampire Weekend. Depois de conquistar a atenção do público com seu debut que misturava o alternative com afro-beat em músicas curtas e energéticas, a banda volta em 2013 com um som mais orgânico, mais sério, com letras mais estruturadas e com um álbum mais sólido. Mesmo ainda preferindo o seu debut, Modern Vampires of the City é incrivel e incomparável. Com experimentações, distorções e ótimos vocais, Vampire Weekend cria um dos álbuns que muito provavelmente será citado em listas de álbuns importantes do rock alternativo no futuro. Com faixas animadas como Diane Young, Step, Ya Hey e Worship You, o álbum também encanta com suas faixas melancólicas e lentas como Hannah Hunt, a incrivel Hudson e a curta, mas maravilhosa Young Lion, um final perfeito para um ótimo álbum.
    Vampire Weekend se superou, se reinventou e se tornou uma das bandas mais importantes do genêro no ano de 2013, sem perder a personalidade e a essência que os acompanharam desde o debut.


    Lives for the applause: Ya Hey, Worship You, Young Lion, Hudson, Finger Back
    You better work, bitch: Obvious Bycicle


    26.

    This is gospel, for the vagabonds, ne'er-do-wells and insufferable bastards, confessing their apostasies, led away by imperfect impostors



    Artista: Panc! at the Disco
    Álbum: Too Weird to Live, Too Rare to Die!
    Gênero: synthpop, alternative dance, electronic rock
    Origem: Las Vegas, Nevada, United States ()


    Panic! é uma das minhas bandas favoritas e que se cortem os haters que chamam eles de emos porque eles nunca foram.

    Depois de dois álbuns perfeitos (A Fever e P.O.) a saída de Ryan Ross meio que abalou as esperanças dos fãs, afinal o Ryan era o cabeça do grupo, escrevendo 90% das músicas e guiando as idéias. Mas a saída do Ryan foi importante mesmo que a qualidade tenha caído, afinal as brigas constante provavelmente levariam a banda para o fundo do poço. Vices & Virtues, a primeira tentativa do Brendon de continuar a banda não foi das melhores, tivemos várias faixas genéricas, mas Urie mostrou que tem capacidade de continuar a banda com composições maduras e uma sonoridade diversificada. Se reinventando mais uma vez, em Too Weird to Live, Too Rare to Die! Brendon nos mostra no álbum um synthpop pesado, que várias faixas dançantes e até algumas que podem ser consideradas farofa, mas o novo disco é provavelmente o mais pessoal para Urie, com todas as faixas escritas pelo mesmo e inspiradas na sua volta a cidade natal, Las Vegas, Brendon escreveu as músicas baseadas em suas experiências e visões sobre a vida. Como This Is Gospel que juntamente com o vídeo seria algo ant-homofobia, na verdade, anti-preconceito de todos os tipos. Miss Jackson foi revelada pelo mesmo que foi baseada em sua primeira experiência sexual, a faixa é diferenciada pelo pouco uso do vocoder (o famoso auto-tune) e por ser menos eletrônica e mais Fall Out Boy. Falando em auto-tune, o mesmo que já tinha sido usado em faixas anteriores da banda, como por exemplo "Nails for Breakfast, Tacks for Snacks" foi de uso essencial para o álbum, dando uma atmosfera totalmente diferente do que se não houvesse seu uso, obviamente Urie não precisa do corretor vocal, mas seu uso excessivo e óbvio deixa claro que o objetivo dele não é esse no álbum.
    Vegas Lights seria sobre a sensação de estar em uma festa, ele disse que escreveu a música depois de ir em uma festa em Vegas e as emoções que conseguiu captar nela, a sensação de alegria momentânea e esquecimento dos problemas. Girls/Girls/Boys é sobre um triângulo amoroso aonde um menino se apaixona por uma menina que é lésbica. O álbum todo são sobre coisas triviais e cotidianas, nada de genial, mas não deixa de ser pessoal para o vocalista e acredito que seja isso que importe. O álbum contém várias introduções ótimas também como as de Vegas Lights e Casual Affair que foi retirada de um mini-filme de 1969. TWTLTRTD! não é nenhuma obra prima em questão lirica ou uma inovação em questão sonora, mas é um ótimo álbum, que mostra que a banda continua viva e continuará por muito tempo e que Brendon consegue carrega-la por muitos anos ainda. (chora ryan)
    E pros criadores de caso de plantão, Spencer e Dallon não estão aparecendo nos video clipes ou photoshoots porque Spencer está internado em uma clinica de reabilitação e Dallon se recusou a aparecer sem eles nos clipes, então a banda não virou Brendon! at the Disco.

    Lives for the applause: Vegas Lights, Collar Full, Casual Affair,
    You better work, bitch: Girls/Girls/Boys


    25.

    O destino. O tempo inteiro. Envergando a verdade. O tempo inteiro. Na verdade. O tempo inteiro. Envergando. A verdade dorme cedo



    Artista: Cícero
    Álbum: Sábado
    Gênero: folk, minimal, experimental
    Origem: Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil ()


    O cantor que conquistou os avídos ouvintes da "nova mpb" com seu primeiro álbum que continha canções com letras melancólicas, um som lo-fi e um vocal mais baixo que o normal volta em 2013 com um álbum simples, com poucos acordes, poucas letras, poucos vocais, Sábado é em todos os sentidos "menos" que seu antecessor, não que isso o torne ruim. Sábado representa aquele fim de tarde de um sábado, onde você não tem nada para fazer porque ainda não chegou a noite e já passou o dia, aquele momento que você fica submergido em seus próprios pensamentos, em sua própria chatice, em seu próprio tédio. Sábado é entediante, mas entediantemente delicioso. O novo álbum levou muitas críticas negativas quando foi lançado, o chamando de pretensioso, mas Sábado é tudo menos isso, Sábado é desprentesioso, Cícero não quis fazer nada mais do que um álbum que transmita seus sentimentos e eles são muito bem transmitidos pelos acordes intimistas e experimentais, pelos sussurros, pelas letras minimalistas, letras que as vezes não tem a ver com nada, foram jogadas ali para fazer algum sentido que não existe realmente, não é necessário letras com sentido para se fazer um álbum com emoção, se o álbum fosse todo instrumental a emoção seria a mesma. Cícero antes de tudo queria tirar a imagem de hitmaker que - talvez, o Canções tenha o dado, com músicas como "Tempo de Pipa" e "Vagalumes Cegos" que não deixam de ser ótimas, mas tem um apelo comercial bem maior que qualquer música no Sábado. O álbum todo é bem homogêneo, as músicas são parecidas - tanto, que não consigo ouvir uma música "separada" do álbum, sempre acabo ouvindo-o inteiro, é como se fosse uma música de 29 minutos com seus acordes minimalistas e sua poesia rarefeita. Mas entendo o lado de quem não gostou, embora eu tenha gostado bastante.

    Cícero está entediado com o próprio tédio em seu Sábado, que está mais para Domingo.

    Lives for the applause: Ela e a Lata, Por Botafogo, Porta Retrato, Asa Delta
    You better work, bitch:n/a


    24.

    You know that this will break us, but you push us as far as we can go taking every chance to find solutions that never make anyone happy. We are done this time. You don't owe me



    Artista: CHVRCHES
    Álbum: The Bones of What You Believe
    Gênero: synthpop, dreamwave, electropop
    Origem: Glasgow, Scotland, United Kingdom ()


    CHVRCHES foi uma das bandas que mais chamaram a atenção esse ano e que teve um dos álbuns mais esperados de 2013. A banda com seu synthpop parecido com banda dos anos 80 como New Order junto com seu vocal adocicado, fazem o debut de CHVRCHES muito marcante e interessante, embora possa soar repetitivo e vazio em algumas partes, o debut da banda é bem sólido e contêm uma variedade de músicas interessantes e autênticas. Com faixas synthpop deliciosamente viciantes como Lungs, Recover e The Mother We Share, o álbum também contêm faixas lentas, eteréas e que se assemelham a um dream pop mais eletrônico com Science/Visions, You Caught the Light e Tether. Para constratar com os vocais doces de Lauren, os vocais profundos e grossos de Martin aparecem em algumas músicas, como backing vocal, cantando algumas partes junto com Laurel, ou até mesmo uam faixa inteira. The Bones of What You Believe é o debut de uma banda que tem talento e que no futuro terá muito a apresentar.

    Lives for the applause: Recover, Science/Visions, Lungs, Night Sky, The Mother We Share
    You better work, bitch: Broken Bones


    23.

    Let me go. You know I'm not one for leaving. Let me go. You know I'm nothing without your love, no. I know I'm nothing without your love, no. So let me go.



    Artista: HAIM
    Álbum: Days are Gone
    Gênero: rnb, soul, folk
    Origem: San Fernando Valley, Los Angeles, California, United States ()


    HAIM é uma banda formada por três talentosas irmãs, Este, Danielle e Alana Haim. Elas já estiveram em uma banda cover com seus pais e num grupo de garotas chamado The Valli Girls, mas a fama e a atenção mundial veio quando as três formaram o HAIM, a banda que leva o sobrenome da família. O álbum de estreia delas mostra um soft rock com influências do r&b e do soul. Suas músicas são alegres e dançantes, mas executadas com classe e confiança, suas vozes combinam e se juntam num unisono perfeito por todo o álbum. Tudo isso combinado com a maravilhosa produção feita na maior parte do álbum por elas mesmas. Days are Gone é um debut sólido para uma banda que tem muito futuro pela frente, embora ele deslize em alguns sentidos como a repetição desnecessária da formula usada em outras músicas, que dá aquela sensação de "eu já não ouvi essa música antes?" como em Honey & I ou Go Slow, mas a maioria do álbum é composto por músicas que são impossiveis não cantar junto como os poderosos singles Forever, Falling e The Wire, o álbum também apresenta faixas diferentes e que impedem que o álbum caia na mesmice, como a sensual My Song 5 e a nebulosa Let Me Go. As letras vem de garotas que não precisam provar nada para ninguém e que são seguras de si, letras que combinadas com o som r&b/rock da banda acaba por lembrar outros artistas como Fleetwood Mac, PJ Harvey, Madonna e Pat Benatar. Days are Gone provavelmente não será o melhor trabalho das garotas, mas foi o trampolim delas para a indústria musical, uma indústria na qual elas tem futuro.


    Lives for the applause: Let Me Go, My Song 5, Days are Gone, Forever, Falling
    You better work, bitch: Honey & I, Go Slow



    22.

    You’ve always loved the strange birds, now I want to fly into your world. I want to be heard, my wounded wings still beating, you’ve always loved the stranger inside… Me, ugly pretty.



    Artista: Birdy
    Álbum: Fire Within
    Gênero: folk, alternative pop, pop rock
    Origem: Lymington, Hampshire, England ()


    Depois do inegavelmente ótimo debut de Birdy, todos estavam meio receosos se a garota realmente se sairia bem compondo e cantando suas próprias músicas ou se ela seria apenas uma cantora de covers mesmo. E Birdy não decepcionou, Fire Within que é mais produzido, com a adição de violinos, violoncelos e com uma voz mais confiante que seu Debut, mostra uma garota que aprendeu com suas experiências musicais e deu tempo ao tempo, não apressando sua carreira, a doce garota que encantou o mundo cantando Skinny Love com 14 anos, agora está mais madura e tem 17 anos, o disco contem 15 músicas compostas por ela mesma, As músicas são sobre relacionamentos, corações partidos, amor, paixão, rejeição e tristeza, tudo escrito e composto de uma maneira bela e inteligente, de uma garota que meiga, calma e madura. As músicas são guiadas por sua bela e profunda voz, que transmite seus sentimentos de maneira quase perfeita e totalmente emocional, a poderosa voz que já tinhamos visto em seu álbum anterior, se mostra mais encorpada, mais controlada, de uma maneira balanceada e extasiante. Sua voz pode ser explosiva como em Light Me Up, Wings, Heart of Gold, como também pode ser melancólica e profunda como em Standing in the Way of the Light e Strange Birds ou timída e suave como em Words As Weapons e Shine. Birdy tem um talento excepcional, é uma garota sensitiva e inteligente e tem tudo para seguir uma carreira saudável e de sucesso. You go, girl!

    Lives for the applause: Standing in the Way of the Light, Strange Birds, All About You, The Same, Shine.
    You better work, bitch: Wings


    21.

    Systems shouldn't operate by sticking me in a cage. Ain't Dalai Lama. Ain't Sai Baba
    My words are my armor and you're 'bout to meet your karma




    Artista: M.I.A.
    Álbum: Matangi
    Gênero: alternative dance, alternative hip-hop, exeprimental
    Origem: Hounslow, Middlesex, England ()


    Barulhento, aleatório e dançante. Isso é Matangi, o quarto disco de estúdio da cantora britânica, que passou maior parte de sua vida no Sri Lanka. Tendo como temas, hinduismo, reencarnação e karma, o agressivo e bagunçado álbum traz uma sonoridade dançante, mas ao mesmo tempo autêntica e criativa. Misturando música eletrônica, hip-hop, funk carioca e outros elementos dos mais variados e distintos genêros. O álbum foi gravado em vários locais ao redor do mundo e foi feito depois de M.I.A. se sentir desencorajada a fazer música, mas conseguir idéias depois de ler o significado de seu nome, a deusa hindu, Matangi e também não contêm muitas letras politizadas, uma decisão feita por M.I.A. Suas letras são mais focadas no hinduismo e temas relacionados, como meditação e karma, alé de uma referência a sua polêmic ao se apresentar no Super Bowl com a cantora Madonna na faixa "Boom Skit". Com seu caótico Matangi, M.I.A. só prova mais uma vez que é autêntica e não se deixa levar pela influência da midia ou do sonho de vendas, M.I.A. continua sendo the baddest bitch na indústria musical.

    Lives for the applause: Matangi, Bring the Noize, Come Walk with Me, Double Bubble Trouble
    You better work, bitch: Exodus, Sexodus



    20.

    Not a vagina. It's an option. The cock had it coming. You can't have an opinion.



    Artista: The Knife
    Álbum: Shaking the Habitual
    Gênero: experimental, trip-hop, dark ambient
    Origem: Stockholm, Stockholm County, Sweden ()


    "O que nós fazemos é algo politizado, isso é impossivel de não se entender" diz o duo sueco em uma entrevista. A dupla de irmãos sempre foi muito misteriosa desde o começo de sua carreira, primeiramente por nunca mostrarem seus rostos, sairem em público de mascáras, não fazerem shows e boicotarem premiações importantes que eles mesmo ganharam, mas com "Shaking the Habitual" eles se superaram e realmente balançaram o habitual, o habitual deles, dos seus fãs e da critica musical que os seguiam. O quarto álbum de estúdio, o seu primeiro desde Silent Shout, em 2006, o tema do álbum é também uma critica aos padrões sociais impostos nas pessoas, como a instituição da familia nuclear, que eles consideram como uma instituição conservadora que promove a desigualdade e a injustiça. Karin, a vocalista do duo diz que as pessoas seriam muito mais felizes se compartilhassem seus bens e vivessem como um coletivo ao invés de seguir as idéias neo-liberais de apenas cuidar de si mesmo. O duo também critica a homogenização comercial da indústria da música, dizendo que os artistas estão ficando cada vez mais comerciais, porque estão vendendo suas músicas para comerciais e fazendo turnês com grande marcas os patrocinando, o álbum também questiona como a arte e a música podem competir com esses moldes comerciais. Além de tudo, o álbum defende a causa feminista, LGBT e transsexual, fazendo de The Knife uma banda que faz mais que apenas música e sim um álbum com um trabalho e uma importância social muito grande. Musicalmente falando, o álbum é bem desconexo e aleatório, tendo faixas que beiram os 20 minutos, como Old Dreams Waiting to Be Realized que segue uma linha de música drone e dark ambient, sem muitas explosões ou efeitos na música, uma música bem arrastada, assim como tem pequenas interludes de 50 segundos, faixas instrumentais e faixas vocais caóticas e confusas, cheia de elementos eletrônicos complexos e estranhos, Shaking the Habitual balança todos as estruturas tanto musicalmente quanto socialmente fazendo da dupla sueca muito mais do que simples músicos.



    Lives for the applause: Raging Lung, Wrap You Arms Around Me, Without You My Life Would Be Boring, Full of Fire
    You better work, bitch: Fracking Fluid Injection


    19.

    Dig up her bones, but leave the soul alone, let her find a way to a better place. Broken dreams and silent screams. Empty churches with soulless curses



    Artista: MS MR
    Álbum: Secondhand Rapture
    Gênero: dream pop, darkwave, dark pop
    Origem: New York City, New York, United States ()


    Uma das minhas melhores descobertas do ano passado, seu EP "Candy Bar Creepshow" estrelou nas minhas menções honrosas do ano passado. Já sabia que ia amar esse álbum de cara e não me enganei, além das 5 faixas conhecidas, a dupla americana nos deu mais 7 faixas ótimas faixas novas, o álbum soa tétrico, mas animado ao mesmo tempo, com sintetizadores etéreos e intrigantes, a banda faz um som experimental, mas com música de estruturas pop, o que acabam por tornar sua músicas facilmente pegajosa, para completar, as letras metafóricas como "Dig up her bones, but leave the soul alone" ou "I had this dream where I cut out my tongue, so I could never make promises that would never be done" acompanhada dos vocais sombrios de Lizzy, fazem de Secondhand Rapture um forte debut. MS MR é a junção de tudo que deu certo nessa indústria de pop alternativo, mas a dupla tem a própria personalidade. Tendo sua voz comparada com cantoras como Florence Welch, Marina & the Diamonds e até mesmo Adele, Lizzy leva o álbum para outra dimensão com ela. Mesmo com algumas faixas destoadas como as animadas Head Is Not My Home e Salty Sweet, o álbum não perde sua essência e continua do lado de vários fortes debuts que tivemos esse ano.

    Lives for the applause: Bones, Twenty Seven, BSTK, No Trace
    You better work, bitch: This Isn't Control


    18.
    How could you tell me that I'm great when they chew me up, spit me out, pissed on me? Why would you tell me that it's fate, when they laughed at me, every day, in my face?



    Artista: The Neighbourhood
    Álbum: I Love You.
    Gênero: dark pop, alternative rock, hip-hop
    Origem: Newbury Park, California, United States ()


    Quando eu ouvi The Neighbourhood, eu fiquei impressionado com quão único o som da banda parecia ser, mostrando uma mistura do pop alternativo que vem rolando no mainstream atualmente (o álbum foi produzido pelo mesmo produtor do álbum Born to Die da cantora Lana del Rey) com batidas de hip-hop, vocais marcantes e composições pegajosas tornam "I Love You" um álbum muito bom de se ouvir. Mais impressionado fiquei foi quando eu li tantas criticas negativas em cima do álbum (para terem uma idéia, o álbum tem méida 48 no metacritic), a maioria delas colocaram como ponto negativo as letras que pareciam imaturas para uma pessoa de 20 anos, mas acredito que eles não entenderam qual é a do álbum. "I Love You" realmente tem umas letras que se você olhar por cima podem parecer escritar por uma criança de 12 anos, mas pelo o que eu entendi do álbum, ele recapitula a infância conturbada de uma criança problemática, aquela fase "revoltada", começando pela perca da fé, do medo da perca de identidade, do medo do convivio social, o primeiro amor, a primeira decepção amorosa, entre muitos outros temas que são muito bem escritos e com a intenção certa. E acho as letras do álbum incríveis por isso, o vocalista Jesse Rutherford consegue transmitir os pensamentos de um pré-adolescente (um individuo representa a banda toda, visto que não apenas Jesse ajudou na composição, então seria como um personagem novo, algo que englobasse experiências vividas por todos) e não entendi porque a critica especializada não entendeu isso também. The Neighbourhood obviamente não parará por aqui, visto que eles começaram de uma forma misteriosa, apenas colocando faixas online sem nenhuma descrição primária de seus membros. A banda para mim provavelmente tem mais material pronto para ser lançado, tão brilhante como o seu debut.

    "I Love You" é uma ótima descrição e narrativa de um pré-adolescente começando a lidar com os problemas da vida e soa tão imaturo e incosequente como um, mas essa é a parte interessante.



    Lives for the applause: How, W.D.Y.W.F.M., Let it Go, Female Robbery, Afraid
    You better work, bitch: Alleyways


    17.

    The only reason i stay is to care for you, everything else in me has atrophied and i am cold and painless now, I want to live but i feel nothing



    Artista: Chelsea Wolfe
    Álbum: Pain Is Beauty
    Gênero: experimental, doom folk, gothic pop
    Origem: Sacramento, California, United States ()


    Chelsea Wolfe lançou seu primeiro trabalho depois de 3 anos sem lançar nada, a cantora volta com o belo e arrebatador "Pain is Beauty" que incorpora mais aspectos da vida pessoal da cantora em suas letras, "They'll Clap When You're Gone" por exemplo, é baseado no poema que a mesma fez com 8 anos. A música é sobre morte e sobre como é morrer. Wolfe tem um som mais obscuro e assombroso acompanhado por seu vocal ecoado e distante. Muitas pessoas costumam chamá-la de "doom folk" como se sua música misturasse elementos do Doom Metal com a música folk, ou seja, músicas obscuras, depressivas e agressivas, mas com a simplicidade e calma da música folk. O álbum também é um passo a frente na questão de contato com a multidão, antes, por causa de seu medo de palco, Chelsea costumava cobrir seus rostos com um véu no show, para ninguém ver seu rosto, a cantora está tentando superar isso e hoje já faz shows mostrando o rosto para os fãs, também é a primeira capa de álbum aonde Wolfe aparece totalmente. Wolfe muda sua aparência em todo álbum, e esse não foi diferente, ela disse que queria explorar a intensidade da natureza nesse álbum, o vestido vermelho da capa é uma metafóra para a lava e a música "The Waves Have Come" é baseada na sensação que ela conseguiu captar quando viu os rostos das pessoas que tiveram as vidas devastadas pelo Tsunami de 2011 no Japão, ela disse que não lia as legendas para o que elas estavam dizendo, ela conseguia sentir a tristeza e desespero pelos rostos das pessoas, de ter tudo levado repentinamente. Quando explicando o conceito de seu álbum, ela se referiu a uma queimada na floresta, que ao mesmo tempo que destroi tudo e é uma catastrofe, destruindo milhões de árvores, também é um processo de limpeza e que acaba por espalhar sementes novas nos locais, trazendo vida nova. A O álbum que é constituido de harpas, elementos eletrônicos, sintetizadores etereos, violoncelos e violões traz esse conceito de queimada para a nossa vida, que por mais que seja dificil e devastadora como a queimada, pode nos trazer coisas novas e podemos aprender com ela, se nós persistimos e lutarmos.

    Lives for the applause: The Waves Have Come, They’ll Clap When You’re Gone, House of Metal, We Hit a Wall
    You better work, bitch: Reins




    16.

    My baby don't care for fancy clothes, she don't care for picture shows. My baby don't like champagne balls, she don't care for movie stars and what she wants, well I don't know. All I know is that I love her



    Artista: Willy Moon
    Álbum: Here's Willy Moon
    Gênero: noise pop, rnb, rockabilly
    Origem: Wellington, Wellington, New Zealand ()


    Como já descrita pelo próprio, sua música seria como se congelassem os Beatles da decáda de 60 (With the Beatles / Beatles for Sale) e os descongelassem nos anos 90, auge da música rnb e hip-hop. Misturando música dance, rnb, hip-hop, rockabilly e elementos do noise, Willy cria uma música retrô, mas que não é nostálgica ou que não é nenhum tipo de cover de outro artista do século passado, com músicas curtas, geralmente, menos de 3 minutos o álbum é energético e inovador. Quando questionado o porque de suas músicas serem curtas, Willy diz que acredita que a energia da música está em seus dois pirmeiros minutos e que se feita em mais tempo, ela pode se desgastar, dependendo da música. Willy também disse que captou a mesma intesidade e energia das músicas punk, que geralmente são curtas também. Com as letras simples dos anos 40, com romantismo extremo e músicas sobre dança, Willy transporta a música dessa epóca para os anos atuais, misturando genêros e criando uma música nostálgica-inovadora. Se vê muito de artistas como Elvis em Willy, mas Moon é muito mais que um simples cover, o neo-zeolandês traz uma roupagem nova ao rock 'n' roll dos 40's e dos 50's, é uma fusão animada e fácil das duas epócas. Incluindo faixas dançantes e barulhentas como What I Want, Yeah Yeah e Shakin', Moon também traz faixas que remetem aos filmes de terror da epóca, essas faixas que geralmente contam com um vocal mais obscuro e rasgado de Willy tem a sensação de estarem contando uma história, como em Fire, Railroad Track, Bang Bang e Working for the Company, o álbum também direito a um cover do clássico I Put a Spell In You e de uma faixa instrumental chamada "Murder Ballad", "Here's Willy Moon" é um álbum ótimo para a apresentação do novissimo cantor, de fácil audição com apenas 30 minutos em sua versão deluxe, o disco mostra que o moço tem futuro e merece respeito e reconhecimento por sua genialidade.
    Lives for the applause: Railroad Track, Working for the Company, Murder Ballad, Bang Bang, My Girl
    You better work, bitch: Shakin’


    15.

    Leave me in chains, strip me of shame, caress me with pain 'cause I'm down on my knees and I’m begging you please as you say. Don’t cry, mercy. There’s too much pain to come



    Artista: Hurts
    Álbum: Exile
    Gênero: electronic rock, darkwave, synthpop
    Origem: Manchester, North West England, England ()



    Mesmo que as vezes desnecessária, a comparação de um álbum com seu antecessor é inevitável, principalmente se o álbum for o segundo trabalho da banda. A diferença entre Exile e Happines da dupla britânica Hurts é grande, mas em qualidade, não. "Happiness" é um álbum mais calmo, claro e "leve" levado por sintetizadores e grande influência do new wave oitentista. Exile é mais osbcuro, agressivo e pesado, com guitarras pesadas, vocais mais profundos e efeitos eletrônicos mais fortes. Como já dito pela dupla, Happiness era sobre amor, perca e tristeza e Exile é sobre morte, sexo e vingança. Ambos os álbuns são tristes, mas enquanto a tristeza do Happiness é branda, passiva e calma, com letras sobre a espera de uma pessoa, sobre o desejo de ficar com ela, sobre devoção, as letras do Exile tratam de temas mais pesados, levando a tristeza para um lado vingativo, agressivo, com músicas sobre um lado mais obscuro dos sentimentos de uma pessoa, do lado mais obscuro da dor de uma pessoa. Com letras sobre violência, rejeição, depressão, solidão como "cut off my eyes and leave me blind" "don't cry, there's too much pain to come" "i'll give him no mercy when knocking him out" e "got no reason left to live for, got no reason yet to die".
    Exile talvez não seja melhor que Happiness, na minha opinião, mas ainda assim é um belo álbum, bem feito, que transmite uma sincera emoção assim como seu antecessor.

    Lives for the applause: Mercy, Sandman, The Crow, Somebody to Die For, Blind
    You better work, bitch: Heaven, Cupid


    14.

    In the dark I feel you around me. In the clouded mess, you surround me, I am not afraid to let go of all the history that pushed me over. This is my home, you are my only one.



    Artista: Zola Jesus
    Álbum: Versions
    Gênero: ambient, gothic ethereal wave, noise pop
    Origem: Phoenix, Arizona, United States ()

    O novo álbum de Zola Jesus não é tão novo assim, 8 das 9 músicas do álbum estavam em seus dois álbuns antecessores (Conatus e Stridulum II). As faixas foram rearranjadas com a ajuda do compositor J.G. Thirlwell em um modo mais dramático e emocional, retiram-se os obscuro sintetizadores e as camadas lo-fi de música eletrônica, coloca-se uma orquestra com violoncelos e violinos, centraliza-se a profunda voz de Nika (nome real de Zola Jesus) e se tem um álbum intenso, melancólico e arrepiante. Zola uiva suas canções sobre amor, desespero e solidão enquanto uma bela orquestra toca atrás, dando mais enfâse a beleza de sua voz. Muitos podem chama-la de teatral, mas Zola é tudo menos teatral, em um teatro veste-se uma máscara e interpreta-se um personagem, mas Zola está sendo ela mesma durante todos os seus álbuns. A cantora despeja seu amargurado coração nas letras de suas músicas, mas não é nada de tão metafórico, Zola está cantando sobre problemas cotidianos, como amores não correspondidos, isolação social e problemas no relacionamento, tudo intesificado por sua poderosa voz e sua incrível capacidade de interpretação. Zola afirma que procura ajudar pessoas através de suas letras, ela diz que o que vale para ela como uma escritora seria ajudar alguém a questionar as coisas na sua vida, Zola também afirma que não escreveria algo para escrever, apenas por fazer música, música superficial, a cantora diz que sua música tem que transmitir emoções e que ela definitivamente não faz música com outro intuito. Intuito que ela atinge muito bem, diga-se de passagem. A única canção inédita do álbum é "Fall Back", mas ela não foi escrita a tão pouco tempo, foi feito um pedido a Zola para que ela escrevesse uma música para a trilha sonora de "Crepusculo: Eclipse" que acabou não indo para a tracklist oficial do filme, a cantora disse que nunca tinha visto o filme, apenas sabia que era de romance, então ela fez uma música sobre sua jornada pelo amor, acompanhada de violinos que parecem que poderão explodir a qualquer momento, Zola retira seu coração e seus sentimentos e despeja-os através de frases como "I would do anything to be the one with you", o sentimento transmitido é muito mais poderoso do que a simplória história de amor de Edward e Bella.
    Em Versions vemos sua voz mais limpa do que nunca, tira-se todos os elementos eletrônicos obscuros que se misturavam a sua voz criando uma atmosfera etérea, tira-se todos os ecos, todas as camadas musicais, todas as vozes ao fundo que confundiam-se com sua voz e que faziam sua voz ficar praticamente indecifrável, Versions é direto, limpo e claro. Através de seus uivos desesperadores, gemidos melancólicos e gritos reconfortantes Zola libera toda sua emoção de suas músicas antes escondidas - mas não menos belas. Versions não é melhor que seus álbuns anteriores, mas dá um belissimo ponto de vista deles.
    A música de Zola Jesus é dramática, mas sempre real.

    Lives for the applause: Run Me Out, Fall Back, Night, In Your Nature, Hikikomori
    You better work, bitch: Seekir




    13.

    I'm useless and I know it. Auditory hallucination. You said I don't care what I'm thinking about, but I'm thinking of you right now.



    Artista: Sky Ferreira
    Álbum: Night Time, My Time
    Gênero: alternative pop, noise pop, grunge pop
    Origem: Los Angeles, California, United States ()


    Depois de 6 anos de espera, 2 EP'S, milhares de singles, várias trocas de estilo e uma prisão por porte ilegal de heroina, Sky Ferreira finalmente lançou o seu lendário debut. A garota que começou como mais uma cantora de electropop, adquiriu sua própria personalidade com o passar dos anos e agora está bem melhor. Night Time, My Time, começando pela capa é um álbum bem pessoal. Porque afinal, o que pode ser mais pessoal do que aquele momento do banho? Um momento aonde você fica só, um momento de alivio, um momento para pensar na vida, ainda mais do jeito vulnerável como ela foi retratada na capa. O álbum apresenta uma sonoridade barulhenta, com vocais rasgados e gritados e letras depressivas e pessoais. O álbum poderia ter criado até um novo genêro, se as pessoas não fossem tão chatas com isso, "grunge pop". O álbum também tem influências do noise e até mesmo do shoegaze em faixas como Omanko, I Will e Night Time, My Time, mas sem perder a sua essência synthpop como em 24 Hours e I Blame Myself (que foi escrita na cadeia). NTMT é aparentemente um álbum muito importante para a vocalista de descendência brasileira, visto que ela lutou fortemente contra a gravadora para lançá-lo. Sky é uma cantora de personalidade forte e que tem muito futuro pela frente (isso se ela não morrer de overdose antes n)

    Lives for the applause: I Blame Myself, Omanko, Night Time My Time, Heavy Metal Heart,
    You better work, bitch: Love in Stereo


    12.

    Faz tempo eu tô com azia. Durmo mal, tenho alergia, quando acordo, nem bom dia e a ducha fria ainda me dói, em atraso permanente escolho a roupa, escovo os dentes, abro a porta da frente e a luz do dia me corrói



    Artista: Apanhador Só
    Álbum: Antes que tu Conte Outra
    Gênero: alternative rock, folk, experimental
    Origem: Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil ()


    Eu nunca tive muito interesse na banda, mas depois de ouvir esse álbum, eu com certeza passei a apreciá-la muito mais. Além de misturarem vários elementos interessantes e diferentes para construir o rico instrumental do álbum, como motor de carro, latidos de cachorro, panelas batendo, apitos e outros objetos "cotidianos", o projeto foi todo financiado através de doações dos fãs e lançado gratuitamente no site da banda. O álbum que contêm vocais poderosos, tem letras mais poderosas ainda, letras patriotas, criticando o governo, a alienação e ao mesmo tempo exaltando o potencial do Brasil. Faixas como "Mordido" poderiam virar realmente hinos contra a corrupção e roubalheira que acontece descaradamente no país.. O álbum no entanto, é bem humorado, com na descontraida "Liquido Preto" que começa com "Pau no cu de quem não quer dividir esse refri com minha mulher" que é uma critica óbvia não só a coca-cola, mas a todos os produtos consumistas tão glorificados pela mídia, a rotina entediante imposta pelos padrões capitalistas também também é criticada na poderosa "Despirocar" que contêm um dos melhores vocais do álbum. A bagunçada "Nado" com frase jogadas e um instrumental aleatório é deliciosamente divertida e é muito boa de se ouvir. A faixa "Reinação" faz trocadilhos e jogos de palavras com frases do Hino Nacional trazend um certo tom de "orgulho de ser brasileiro" no álbum, porque nem só de roubalheira vive o Brasil, um dos países com o povo e a cultura mais diversificada.

    Apanhador Só conseguiu meu respeito com esse álbum criativo, original e autentico. Merecidamente meu álbum nacional favorito do ano.

    Lives for the applause: Mordido, Nado, Despirocar, Liquído Preto, Reinação
    You better work, bitch: Rota


    a partir de agora, não vai ter melhores músicas / piores músicas q


    11.

    There's a humming in the restless summer air and we're slipping off the course that we prepared, but in all chaos, there is calculation, dropping glasses just to hear them break.



    Artista: Lorde
    Álbum: Pure Heroine
    Gênero: minimal pop, art pop, electropop
    Origem: Devonport, North Shore, Auckland, New Zealand ()


    Ella Yellich O'Connor mais conhecida como Lorde é uma das melhores coisas a ficar no topo dos charts nos últimos anos e eu não estou exagerando. Quem imaginaria que uma música com um instrumental minimalista (diferente das extravagâncias da música pop) com letras que criticam tudo que faz sucesso atualmente de uma menina de 16 anos (na epóca) vinda da Nova Zelândia iria fazer tanto sucesso e barulho como fez? Lorde é uma artista genuina, a cantora escreve música de gente grande com a inocência e sonhos de uma menina de 17 anos, Lorde também tem uma visão artistica muito boa, sempre tentando melhorar o conceito e letras por trás de sua música, além de colaborar na produção delas. Mesmo com Royals sendo tocada a exaustão e o nome da mesma sendo citada em todos os lugares, Lorde continua sendo uma pequena gêniazinha que ainda tem muita estrada pela frente, não podemos desmerecer um artista apenas porque ele está fazendo sucesso. Lorde tem controle e personalidade suficiente para não se deixar levar pela futilidade e manipulação da indústria música. Seu primeiro álbum que conta com uma produção minimalista, na sua maioria com sintetizadores sendo o seu principal instrumento, um vocal arrastado e profundo e letras sobre adolescência, sobre a dificuldade de crescer e de se tornar adulto, músicas com um pensamento diferente sobre o mundo que está em sua volta, tudo isso numa estrutura de música pop, com refrões grudentos e um vocal marcante. Ella é a prova de que a música pop pode ser muito mais que futilidades. Lorde também não será a típica One Hit Wonder, ela tem um futuro brilhante a sua frente, se conseguir se manter fiel a sua personalidade forte.
    Pure Heroine começa com "Don't you think that it's boring how people talk?" e termina com "Let 'em talk, let 'em talk", mostrando uma critica óbvia aos tablóides e sites sensacionalistas que insistem em criar polêmicas desnecessárias em cima da imagem de artistas ou de qualquer um. O álbum não é perfeito, mas é um debut extremamente sólido para uma garota que mal chegou e já garantiu seu lugar na indústria da música.
    A música pop precisava de Lorde (e de vários outros artistas que estão a surgir) para dar uma reviravolta no deprimente cenário mainstream atual.
    Nada mal para uma adolescente neo-zelandesa que só dirigia Cadillacs em seus sonhos, não é mesmo?


    10.

    Footsteps have traced this land before, my skin is hurting, I cannot feel my feet anymore and you can hope for a life that is calm, but come in time, you’re gonna ick up one that feels a little hard



    Artista: London Grammar
    Álbum: If You Wait
    Gênero: dream pop, trip-hop, downtempo
    Origem: Nottingham, England, United Kingdom ()


    Das bandas que surgiram ano passado e lançaram seu primeiro álbum esse ano, acho que London Grammar foi a que me interessou mais. Com seu som melancólico, sonolento e arrastado e a voz única de Hannah fazem do álbum algo deliciosamente triste de se ouvir. Com suas batidas de trip-hop minimalistas, a banda constrói um debut extremamente sólido e coeso.
    A maioria das músicas podem soar parecidas algumas vezes, mas todas são únicas, como a desesperadora "Wasting My Young Years", o cover "Nightcall", a tribal "Flickers" e a animadinha "Metal & Dust" todas tem beleza própria e juntas formam um álbum ótimo.
    A banda também coloca algumas gravações de rádio como intro e outros da música, deixando um ar sombrio e etéreo. A produção discreta e a instrumentação minimalista são partes importantes do álbum, mas ele não seria nada sem o sombrio vocal de Hannah, que serve como instrumento próprio para a música, com suas várias camadas, sua voz te textura própria, como se fosse algo derretido e malemolente, sua voz profunda ecoa dentro da mente do ouvinte, causando um efeito instantâneo de vicio na música, uma voz de outro mundo, mas embora sua voz seja de outro mundo, os temas abordados no álbum são bem pé no chão. A busca pelo amor. As letras são caracterizadas por decepções amorosas, pessoas se apaixonando e desapaixonando e sonhos estilhaçados.
    Há momentos no álbum que a voz de Hannah se mistura com a produção e as duas se fundem criando uma atmosfera incrível, assim como a atmosfera geral que esse álbum cria nos ouvidos de quem o ouve.


    09.

    Moon, they forget how soft heart is, unfolding over time. Heart, don't forget how young we are! We wander softly. Seen through a window, my love blurred, mute, and slow. I offer roses to nothing. The answer absent.



    Artista: Julia Holter
    Álbum: Loud City Song
    Gênero: ambient, avant-garde, freak folk
    Origem: Los Angeles, California, United States ()


    Julia Holter, uma das cantoras mais criativas da atualidade, saiu com seu novo álbum esse ano, o terceiro em um curto periodo de 3 anos. O álbum é baseado na peça de teatro "Gigi" que foi feita a partir do romance de mesmo nome, que Holter assistia quando era criança. A idéia pro álbum, diz a cantora, veio enquanto ela fazia o seu antecessor, Ekstasis, uma cena do musical veio a mente, uma cena aonde as pessoas estão cochichando e fofocando sobre ela, então quando ela entra, todos param. Foi assim que nasceu as faixas "Maxim's I" e "Maxim's II", por isso as duas faixas têm momentos aonde se ouve sons do ambiente, como talheres, pessoas falando e carros passando. Mas Holter não poderia acrescentá-las no seu álbum, porque elas eram desconexas do resto. Então o que ela fez? Fez outro álbum para as duas músicas. Julia Holter tem um processo criativo incrível e uma linha de pensamento que faz de seu trabalho algo extremamente detalhado e interessante. O musical, Gigi, é sobre crescer e a chegada da idade, sobre a pressão de ser uma pessoa que você NÃO quer ser e todo os problemas acarretados com o fim da dita adolescência. "Loud City Song" é teatral e totalmente baseado nesse musical, Holter disse que é a primeira vez que faz algo totalmente baseado em uma coisa só. Em seus trabalhos anteriores, a cantora pegava algumas coisas emprestadas de um livro, uma idéia, mas para Loud City Song ela reciclou totalmente o musical, transformando-o em um álbum, e mesmo se sentindo estranha ao fazê-lo, diz que sente que fez a coisa certa, porque depois de tudo isso é o que é arte, pegar idéias e histórias de outros e reusá-las, transformá-las em suas próprias coisas e é isso o que ela fez em seu terceiro álbum de estúdio. Algumas músicas de seu álbum como "City Appearing" e "World" não foram escritas na forma de música e sim na forma de poema, depois elas foram transformadas em músicas, agora outras como "This is a True Heart" a música e as letras foram compostas juntas e essas geralmente soam mais acessivéis. "Loud City Song" é um álbum performático, como uma peça de teatro.
    Musicalmente falando, o álbum tem muitas partes acústicas e eletrônicas, com vocais sussurados que explodem de vez em quando, o álbum também toma influências do genêro avant-garde, o álbum é bem atmosférico e contêm uma ambientação própria como, realmente, uma peça de teatro.
    Em Loud City Song, Julia Holter mostra mais uma vez que sua criatividade é ilimitada transformando teatro em música de uma forma tão bela e verdadeira. Sua doce voz acompanhada de uma produção impecável fazem de Loud City Song uma das melhores experiências que você pode ter.


    08.

    And as the real world comes to its feet , o shake my hand, to greet with coldness and eloquence. I'm never tied to in distress, but I'm supposed to be you and I try to be you, but I thought I'd be you, but I'll never be you



    Artista: Blue Hawaii
    Álbum: Untogether
    Gênero: chillwave, dream pop, ambient
    Origem: Montreal, Quebec, Canada ()


    Blue Hawaii constrói com seu segundo álbum, algo atmosférico, distante e as vezes estranho. Com vocais calmos, suaves acompanhados de uma ambientação obscura e paradisiaca, o álbum parece o momento que o sol se põe, um momento triste, nostálgico, mas belo e algo que todos nós podemos nos relacionar com. O álbum foi feito baseado no relacionamento entre os dois membros do duo, e foi gravado em dois anos, separadamente, mas se mantêm junto em sua forma final. Ele mostra como a arte e a tecnologia influenciam relacionamentos humanos modernos e passa a sensação de "pertencer a" embora exista uma esmagadora distância entre ambas as pessoas. Até o nome da própria banda sugere algo paradisiaco e atmosférico, talvez um paraíso cansado, mas um paraíso, pelo menos. O álbum é chamado "Untogether" por apresentar elementos desconexos, talvez estranhamente colocados juntos, mas são esses elementos que constróem o álbum tão perfeitamente e magicamente. Blue Hawaii é um introspectivo, baseado em temas como separação e como é trabalhar separadamente, é um belo, etéreo e atmosférico álbum com vocais agudos e distorcidos, assim como seus conterrâneos Purity Ring e Grimes.
    Untogether é comouma cansativa ida a praia, uma ida a praia não para se divertir com seus amigos, tomar banho de mar ou aproveitar o sol, mas uma ida a praia introspectiva, sozinha, rejuvenescedora e até mesmo nublada.

    07.


    Well I've lost it all, I'm just a silhouette, a lifeless face that you'll soon forget, my eyes are damp from the words you left, ringing in my head, when you broke my chest.




    Artista: Daughter
    Álbum: If You Leave
    Gênero: folk, dream pop, ethereal
    Origem: London, Greater London, England ()


    Daughter foi uma banda que conseguiu um tipo diferente de atenção, eles conseguiram ouvintes graduamente e não por um hype repentino ou por muita fanfarra, a banda que já lançou dois EP's, lançou seu debut álbum esse ano. Um disco atmosférico, sombrio e melancólico que se misturam com os arranjos acústicos e com a penetrante, obscura voz de Elena Tonra criando uma coleção de músicas sinceras, lentas e tristes. A maioria das letras presente no álbum são amargas, sobre corações partidos, rejeições, ser desprezada, lembranças da juventude, arrependimentos... Assim como a letra de "Youth" diz, If You Leave documenta os "amantes que deram errado", mas talvez o álbum não seja para todos, não é um álbum de fácil digestão, requere tempo e atenção, talvez 3 ou mais ouvidas para se encontrar nas sombras do álbum, nos vocais etéreos e na ambientação acúsitca do álbum, ambientação que se difere bastante das estruturas comuns desse genêro, com mais elementos, tornando a música mais autêntica e inovadora, mas ao mesmo tempo nostálgica. Embora o álbum seja um tanto quanto direto em suas letras, Elena Tonra se esquiva ao ser perguntada sobre as razões de las, ela diz que não é preciso dizer nada mais, porque tudo que ela precisaria dizer já foi dito, ela também diz que prefere que os ouvintes descubram por si só, ao se relacionarem com os temas nele presentes.
    If You Leave é um doloroso álbum, mas a dor nunca antes tinha soado tão bonita e reconfortante como soou nele.

    06.

    I might be young, or so I’m told, so why do I feel 85? I should get up, I should get down, I should go out and make all my friends so proud, but the closer I am to midnight, the further I get from this nocturnal life. When the party gets going wild, well, I am the first to say goodnight



    Artista: Oh Land
    Álbum: Wish Bone
    Gênero: experimental pop, art pop, synthpop
    Origem: Copenhagen, Hovedstaden, Denmark ()


    A dinamarquesa que não queria ser cantora, e sim bailarina, teve seu destino drasticamente mudado por um acidente que a impossibilitou de dançar, mas que descobriu seu amor pela música depois disso e agora está criando obras de arte em forma de álbum.
    Depois de seu debut independente "Fauna", seu álbum em uma gravadora grande (e debut mundial) "Oh Land", a cantora dinamarquesa volta para o independente, alegando que estavam tentando restringir seu controle criativo em sua gravadora antiga, com seu terceiro trabalho Fabricius mostra que seu processo criativo é quase ilimitado, trabalhando artistas como Dave Sitek, David Poe e Sia, mas só como ajuda. ("Eu nunca cantaria algo que não escrevi, eu e Sia sentamos e escrevemos a música juntas", disse a cantora em uma entrevista). Wishbone junta vários estilos, genêros e experimentações possíveis, desde o pop experimental de Bird an Aeroplane, que contém samples de "Hunter" da islandesa Björk, até a chiclete "Renaissance Girls" que fala sobre a independência feminina, passando por suaves baladinhas folk (uma novidade até aqui, na música de Nanna) como Love You Better, músicas com influências de hip-hop como My Boxer e até influências da disco music como Pyromaniac, Wishbone agrada a todos os gostos e mostra a versatilidade da artista e de sua doce voz, que guia perfeitamente todas as 13 músicas do álbum, seja fofa, vulnerável e inocente como em 3 Chances, seja divertida, alegre e brincalhona como em First to Say Goodnight ou carregada de emoção como em Sleepy Town, o terceiro trabalho da dinamarquesa é sólido, bem produzido e guiado por uma cantora que sabe o que está fazendo, muito provavelmente a moça não conseguirá uma projeção mundial como conseguiu com músicas como "Sun of a Gun" ou "White Nights" mas Oh Land já conquistou seu público, seus fãs e tem estabilidade em sua carreira, o suficiente para criar vários outros trabalhos tão bons como os 3 já criados. Oh Land é uma cantora de primeiro calão, com personalidade e que se mantêm fiel a sua integridade artistica o que a torna uma das melhores atualmente no ramo.


    05.

    Keep me down. Take my heart. Hold me captive. Tear me apart. Make me better. Consume my soul. Cross the water. To another world. Don't testify me. Don't bring me down. Don't hold me captive. Not the apple of my eye. See, don't patronize me. I'm not your clown. Don't cause me suffering. It's over now



    Artista: V V Brown
    Álbum: Samson & Delilah
    Gênero: experimental pop, dark rnb, trip-hop
    Origem: Northampton, Northamptonshire, England ()


    V V Brown engavetou seu segundo álbum "Lollipops & Politics" depois de lançar seu lead single e o mesmo estar perto de seu lançamento oficial, a cantora britânica também abandonou sua gravadora, a Capitol Records e fundou sua própria gravadora independente a YOY Records (YOY = You Own You). A cantora já disse que quando isso aconteceu ela ficou com muito medo, porque ela estava se afastando do lucro, do sucesso comercial, de tudo que um artista pode querer, mas quando ela sentou em seu quarto e gravou no seu estúdio caseiro o álbum, quando começou a escrever músicas, ela se sentiu forte de novo. O álbum é baseado na história biblica de Sansão e Dalila, na saga de Sansão, um homem forte, poderoso que teve sua força e respeito arrancados pela sua própria amada e depois foi humilhado publicamente. V V disse em entrevistas que esse álbum foi a coisa mais pessoal que ela fez em toda sua vida, ela disse que pos toda sua alma nesse álbum, que ouvir ele seria o equivalente a beijar ela. V V disse que se sentiu muito melhor ao fazer esse álbum do que seu debut, embora tenha respeito e admiração por seu debut, aconteceu muitas brigas e discussões com sua gravadora até o produto final, nesse não, era ela e ela, não tinha ninguém falando o que deveria e o que não deveria fazer, também não havia aquela pressão que é botada sobre os artistas em gravadoras grandes, a famosa "será que as rádios tocarão minha música?" V V diz que não pensou nenhum segundo nisso ao fazer o álbum.
    "Samson & Delilah" é a mistura perfeita de vários genêros, como o rnb, o hip-hop, a música eletrônica experimental, avant-garde, pegando influências de artistas como Björk, Grace Jones, The Knife e Janelle Monáe. O álbum contêm faixas emocionantes e sinceras como Substitute for Love, faixas dançantes como The Apple, faixas obscuras e sujas como Igneous, experimentais e distorcidas como I Can Give You More. O álbum é verdadeiro e sincero, um tipo de álbum que raramente se encontra hoje em dia, VV tb é um tipo raro, uma artista que sacrifica sua chance de ser famosa em uma gravadora grande como a Capitol Records para fundar sua própria gravadora e fazer as coisas do jeito que ela quiser. VV disse que engavetou o álbum que estava pronto porque ela sentiu que ele seria a perfeita continuação para o seu debut, mas não era ela de verdade, ela não se sentia confortável com ele e como ele não a representava, 6 anos se passaram desde de seu debut e ela não parecia mais com ele, ela agora é uma mulher com quase 30 anos, a cantora disse que era um risco que ela necessitava ter em sua carreira, mas que foi a melhor sensação que ela teve em todo seu tempo de cantora.
    "Samson & Delilah" é um álbum praticamente sem falhas, que mostra a versatilidade e maturidade de V V Brown, sua ousadia e sua personalidade. Samson & Delilah é, como ela mesma disse, um álbum 100% sincero, seja pelos seus vocais potentes, pela sua experimentação, pela suas letras obscuras e sem esperança. Um álbum que DEVE ser ouvido por qualquer um que goste do genêro ou que procure coisas novas para ouvir. Samson & Delilah estourará nas charts musicais e terá suas músicas tocadas na rádio? Muito provavelmente não. Samson & Delilah precisa estar na biblioteca musical de quem realmente aprecia música? Com certeza.






    04.

    Another fist, another wall, we lose ourselves we lose it all. I wrote him a hundred times, cCan you hear my heart through the prison bars? The boys I kiss don’t know my name, the tears I cry all taste of blame, bad luck and dirty cops, I’m a fucking teenage tragedy



    Artista: Natalia Kills
    Álbum: Trouble
    Gênero: dark pop, electropop, industrial pop
    Origem: Bradford, West Yorkshire, England ()


    Acho que a tendência é: pessoas que sofrem muito na vida, no futuro viram cantores (ou quase isso). Se a Natalia Kills não tivesse seguido a carreira, seria um desperdicio e tanto, porque ô vidinha!
    Brincadeiras a parte, Kills realmente fez seu segundo álbum "Trouble" de forma mais pessoal e todo baseado em sua vida, com enfoque quase total na sua conturbada adolescência. Ela disse que as letras são cada uma, uma fase de sua adolescência, ou um aspecto dela, ela também disse que mesmo as letras sendo sobre problemas, tristezas e na sua maioria depressivas, a sonoridade não é, Natalia disse que quis fazer diferente do que todos fazem com músicas que contam uma história triste, que queria canta-la de forma alegre, porque no momento ela está ótima e não triste, mas que queria relatar sua vida num álbum. Pois bem, ela fez e quer saber? Ficou ótimo. Nas música vemos a história da problemática vida de adolescente de Kills, depois de sua familia sofrer um colapso pela prisão de seu pai e a entrada da depressão de sua mãe, Kills virou uma tipica garota-problema, sem supervisão, fazia o que queria, mas faltava algo. Em faixas como Television, Kills explica que a vida não é como se vê na televisão, que os problemas não podem ser desligados, que os caras maus não vão embora e que eles também não são derrotados, uma faixa de 6 minutos com direito a uma introdução assombrosa ambientada por sirenes policiais e gritos. As músicas "Rabbit Hole", "Stop Me", "Problem" são sobre as vidas nas ruas de Natalia, arranjando problemas com a policia, sem saber o que fazer da vida, sem amor e sem dinheiro. Kills canta de forma até meio sexual sobre como ela virou uma garota-problema. Em Daddy's Girl, a britânica canta sobre seu pai e sobre sua prisão, como ela sempre foi a "garotinha do papai" e como de uma hora pra outra, tudo isso foi levado embora repentinamente e tragicamente, Natalia diz que não abandonará o pai e que nunca o decepcionará. Em Saturday Night, que seria mais o menos o "resumo" de toda a vida da cantora, ela conta sobre sua problemática mãe, como ela escrevia cartas para o pai todo dia quando ele estava na prisão, sobre estar nas ruas, sobre como é se sentir uma tragédia em todos os aspectos, sobre suas várias tentativas de suicídio, composta totalmente pela cantora, a música é uma das mais sinceras que já ouvi. Em "Controversy" em uma entrevista já dada pela mesma, ela disse que a música serve como uma "lista de coisas erradas no mundo" e por isso decidiu abrir o trabalho de seu segundo álbum com ela. "Marlboro Lights" e "Watching You" são sobre o namorado dela, quando ela tinha 19 anos, que não a amava o tanto ela o amava e sobre suas várias tentativas de suícidio por causa disso, as músicas contam sobre seus pertubadores e exagerados sentimentos que estavam embaralhados e fora de controle.
    "Trouble" é um MARAVILHOSO álbum pop, com uma sonoridade variada, indo de industrial pop, passando por hip-hop, rnb, electropop e uma infinidade de genêros. O álbum é um progresso imenso em relação ao seu debut, com vocais, produção e letras melhoradas.
    Trouble traz um pop de qualidade, um pop com conteúdo, mas que é divertido e dançante como todo o bom pop deve ser.

    Para terminar essa avaliação, eu vou postar um trecho de uma entrevista que a Kills deu para revista "Digital Spy" que achei MUITO sincera. Natalia é uma das cantoras mais verdadeiras que tive o prazer de conhecer o trabalho. (A entrevista é um pouco grande, mas vale a pena ler!)

    Digital Spy: "Saturday Night" em particular lida com o fato de você ter crescido numa casa problemática - o quão dificil é para você enfrentar essas emoções, enquanto escreve músicas?

    Natalia Kills: Eu queria uma música que fosse a história de minha vida. Pelo o que eu li, eu sou sempre vista com a garota má; a vadia, extrovertida, garota má fofinha. Eu apenas supus que todos deveriam saber de onde essa atitude vem. Para agir desse jeito, você não pode vir de um bom lugar. Eu percebi que nem as pessoas que mais me conhecem sabem pelo o que eu passei. Eu sempre coloco uma expressão corajosa no rosto quando estou muito assustada, muito encurralada e fora de controle. É sobre isso que "Saturday Night" é. Eu queria fazer uma confissão de tudo que sou e de tudo pelo o que eu passei.
    Eu sai de casa com 15 anos, para fugir de toda a besteira, mas eu cai de cabeça em muito problema. Eu fui levada pela policia por comportamento perigoso, fui sedada, quase presa - era problema atrás de problema, atrás de problema. "Saturday Night" é a forma pela qual eu posso apresentar essa parte importante da minha vida.


    Digital Spy: O álbum tem memórias boas assim como as ruins?

    Natalia Kills: O álbum todo parece bem feliz. É um desafiador "foda-se" para os problemas. Não importa o tanto de merda que me segue, eu vou conseguir superar. O engraçado é, todo mundo sempre disse isso pra mim, em toda minha vida. "Não deixe as coisas ruins definirem você, deixe isso para lá, pense positivo". Eu não quero fazer isso - Eu quero fazer o oposto! Eu sou todas minhas piores memórias em melodias. Todas as coisas ruins que me aconteceram me definiram, me moldaram, me deram forma. Eu estou cansada de fugir das coisas. Eu acredito que todo esse álbum é sobre mim, me sentindo glorificada e sustentada por todos os piores momentos da minha vida.


    Digital Spy: Você disse que esse álbum é sobre "todas as coisas erradas que fez". Tem uma confissão particular no álbum que você acha que chocará os fãs?

    Natalia Kills: Sim, tem, a maioria tem. Eu tenho algumas baladas no álbum que são baladas suicidas. Eu lembro quando tinha 19 anos, eu amava meu namorado que não me amava tanto assim - não me amava paranoicamente - e toda vez que ele me machucava, eu desesperadamente sentia vontade de pular da mais alta ponte que pudesse encontrar ou entrar na frente do caminhão mais rápido. Meus sentimentos irregulares sobre amor e desespero apaixonado estavam totalmente fora do meu controle.

    Digital Spy: Você diria que confrontar essas emoções seria um processo purificante?

    Natalia Kills:Definitivamente não é uma libertação e também não é nem um pouco terapêutico. Na verdade, é uma tortura - as vezes é reviver algo que eu queria nunca reviver. Mas ao menos não sou obsoleta - Estou no controle. Eu escolhi cantar e cantar e cantar. Eu escolhi olhar para trás, eu escolhi lembrar. Eu não tenho que desejar não ter ferrado com as coisas tannto... fingindo que estava bem e sofisticada por todo o tempo - coisa que eu nunca estive.

    Digital Spy: Sua habilidade de contar histórias são bem arrebatadoras. Nós imaginamos que isso foi influenciado em parte por seu amor pelo Eminem, que afinal é um mestre em contar histórias?
    Natalia Kills: Eu nunca tinha pensando sobre isso, mas direi que sim porque posso me ver nisso. Mesmo que eu não tenha passado por nada como ele passou; Eu não tive nem ao menos que viver num trailer em Detroit ou comer cogumelos, mas o sentimentos que tive - os sentimentos de tristeza e de prisão - era disso que ele estava tentando escapar. Não fiz esse álbum para ninguém além de mim. Eu não fiz para que as pessoas se sintam como eu me senti. Eu NÃO FIZ para os fãs. Mas talvez Eminem tenha me influenciado a falar sobre mim autobiograficamente em minhas músicas, não sei. Você me fez pensar!.

    Digital Spy: "Perfectionist" foi um ótimo álbum, mas como você se sentiu sobre sua performance comercial?
    Natalia Kills: Eu não consigo acreditar. Eu não tinha aonde morar. Eu estava ficando no chão de um hotel em Earls Court por um ano então eu fiz um monte de merda, peguei um avião para LA e dois anos depois eu tinha vendido mais de 800 mil singles. Eu estava viajando na primeira classe e ficando em suites presidenciais - Eu não conseguia acreditar!. Eu escrevi 14 músicas e o que aconteceu? Minha vida mudou para sempre. Se você me perguntasse, perguntasse para a pessoa que estava dormindo no chão em Earls Court "Você tem 26 anos - aonde está você?" Eu nunca imaginaria isso. Eu provavelmente pensaria que estaria morta agora, ou que seria uma stripper.

    Bom, diferentemente de Demi Lovato, agora vocês sabem pelo o que Natalia Kills passou.

    03.

    You gotta laugh at the zombie in the front yard, take a bath, but nothing gets the funk off, you're on TV, rocking and a rolling, 'cause the dead just love to rock and roll. Sick and tired of food tasting plastic, you wanna cry, but they grew up without a real kitchen, asking why the pain is always equal, but the joy just never spreads around




    Artista: Janelle Monáe
    Álbum: The Electric Lady
    Gênero: alternative rnb, experimental pop, soul
    Origem: Kansas City, Kansas, United States ()


    The Electric Lady" é a terceira parte da saga que Janelle deu inicio no seu debut EP, ela se passa em um futuro, aonde a Terra possui humanos e andróides, mas os dois não podem se msiturar. Cindi acaba se apaixonando por Antony Greendown, um humano, o que é estritamente proibido e assim ela começa uma luta contra o tirano governo e contra seus próprios conterrâneos, os andróides. A saga é dividida em "suites" e no álbum contém as de número "IV" e "V", indicando que teremos ainda mais um álbum para completar a saga que foi originalmente separada em sete partes (as "suites") Essas "suites" são pequenas faixas instrumentais, de menos de 2 minutos que são posicionadas como introdução do álbum e depois no meio do álbum, servindo de interlude, elas geralmente separam as histórias e as faixas num geral. Enquanto escrevia "The Electric Lady" Monáe pintava quadros e que sempre a imagem de silhuetas de mulheres vinham a sua cabeça, a cantora resolveu então dar esse tema ao seu segundo álbum de estúdio. Ela disse que não queria que The Electric Lady fosse uma repetição de seu antecessor, por isso procurou colocar suas próprias experiências e pensamentos no álbum, mas ela disse que ele ainda tem ligação com a história de Mayweather e que o álbum seria tipo um prelúdio do seu antecessor, contando a história que antecedia tudo que aconteceu em ArchAndroid. O álbum também tem uma conotação feminista, com várias músicas que exaltam a figura feminina e seu poder no mundo. Como em Q.U.E.E.N., Ghetto Woman e Dorothy Dandrige Eyes, que é uma homenagem a Dorothy Dandrige e todas as mulheres negras que abriram portas para as atuais, conforme foi explicado pela cantora. As hilárias interludes de gravações de rádio espalhadas pelo álbum dão uma pista que Cindi virou uma celebridade, com vários seguidores e até mesmo inimigos. "Primetime" é sobre um amante que ela teve antes de Antony Greendown, interpretado por Miguel e We Were Rock & Roll parece com o término do relacionamento dela com Greendown. O álbum ainda contém criticas sociais como em Dance Apocalyptic, aonde ela fala de comida artificial, catastrófes, a alienação da televisão numa energética e dançante faixa com refrões e versos grudentos.
    Musicalmente falando, The Electric Lady é mais coeso que seu antecessor, que misturava estilos como a EDM, Rap, Hip-hop, soul, rnb, funk e até mesmo punk. The Electric Lady é mais focado nos genêros da black music como R&B, Soul e hip-hop como mostrado em faixas como "Victory" "Can't Live Without Your Love" e "It's Code", mas há espaço para a experimentação no álbum, como a jazzy "What an Experience", o álbum contêm também um time de participações especiais importantissimas como o lendário Prince e as maravilhosas Erykah Baduh, Solange e Esperanza Spalding.
    "The Electric Lady" só concretiza o fato que já estava praticamente soldificado com seu antecessor, que Janelle Monáe é uma das melhores artistas que surgiram recentemente.

    02.

    Tell me lies and fall apart, but don't tell me to change. Whoa, don't give me that face. Secret call, cracks in this use. Bitter self, fashion fronting



    Artista: Rhye
    Álbum: Woman
    Gênero: minimal, alternative rnb, downtempo
    Origem: Los Angeles, California, United States (base, membros do duo são do Canadá e da Dinamarca) ()


    Rhye é uma dupla formada em Los Angeles, composta pela canadense Mike Milosh e o dinamarquês Robin Hannibal.
    A dupla apresenta um som característico, delicado e sensual. A mistura da atmosfera criada pelos violinos, violoncelos, pianos e sintetizadores no álbum é frágil e sensual, carregado de emoção o duo mistura os vocais aveludados de Milosh com o instrumental remetente ao jazz e ao r&b, criando um som sincero e poético. As letras tratam sobre o sexo e sobre o amor de forma direta, mas ao mesmo tempo sem vulgaridades ou sem ser explicito, as letras do álbum exaltificam o ser amado, uma ode a mulher, mas sem objetifica-la. Outro ponto alto do álbum é a ambiguidade existente principalmente pelos vocais de Milosh, um tanto quanto travestidos, o que numa primeira ouvida dificulta a identificação do genêro da voz, essa ambiguidade deixa o álbum ainda mais bonito e instigante, sua voz androgina é carregada de emoções verdadeiras e deixam o ouvinte estarrecido com a beleza e eterialidade de sua música. Os dois lead singles, Open e The Fall são as escolhas óbvias para a abertura do álbum, pois explicita a beleza e delicadeza do álbum logo em suas duas primeiras faixas, com letras de exaltação ao ser amado, os arranjos de violino de Open é realmente a porta de entrada para o delicado e maravilhoso mundo que o álbum nos apresenta. Enquanto as mais levadas pelos sintetizadores são mais upbeat (Verse, Hunger) elas ainda carregam o tom intimista do álbum todo, a eterea faixa "One of those Summer Days" é a música mais atmosférica do álbum todo, a música é levada num tom preguiçoso, te levando a um outro tipo de dimensão, bem mais distante do que a que você está. A ambiente "Woman" faz você sentir como um astronauta vagando pelo espaço, a atmosfera criada pelos seus sintetizadores e pela palavra "woman" repetida por toda a música te deixam com uma sensação de segurança, como se estivesse dentro de um casulo, no entanto a música que fecha o álbum acaba de repente, sem aviso prévio, te deixando até um pouco perdido depois de 35 minutos dentro do casulo de Rhye.


    01.

    Born a mystery, you're the in between, boy or girl?



    Artista: Goldfrapp
    Álbum: Tales of Us
    Gênero: folktronica, ambient, dream pop
    Origem: London, Greater London, England ()


    Alison Goldfrapp e Will Gregory criaram a mais bela obra de arte do ano, com um álbum minimalista, triste e melancólico a dupla conseguiu passar todos os tipos de sentimentos possiveis e imagináveis. Depois de serem forçados a fazerem um álbum comercial pela EMI (sua gravadora em 2010) e não terem gostado nada do resultado, a dupla voltou ao controle total de seus trabalhos em Tales of Us, Alison disse que quis tirar o número de camadas possíveis no álbum, tanto de instrumental como de vocais, deixando o álbum direto e sincero. Alison guia o álbum da maneira mais bela e tocante possivel, seus vocais sussurrados e sensualmente depressivos junto com o instrumental etéreo ecoam nos ouvidos.
    "Tales of Us" assim como o título já revela, são histórias individuais sobre pessoas diferentes, cada música que tem o titulo de um nome próprio conta a história de uma vida, com seus problemas, suas dúvidas, suas preocupações. As histórias não têm ligação uma com as outras, tornando o álbum uma experiência única. Vindo de várias inspirações, Alison explicou sobre o que algumas músicas são sobre, "Annabel" é baseado num livro de mesmo título que conta a história de um menino hermafrodita que foi forçado a se tornar um menino pelos pais, mas que no fundo sentia qual era sua verdadeira identidade delicadamente Alison canta pela música "Why they can't let you be both, Annabel?" e "You are the truth they deny" revelando a história da confusa criança que tinha que conviver dia-a-dia com a dor de se sentir no corpo errado. Tales of Us não é um álbum de uma música só, ou um álbum de singles (tanto que a própria Alison disse que não sente vontade lançar uma música individual como single do álbum, visto que elas todas tem que ser ouvidas, ou seja "Tales of Us" não tera singles), cada música te absorve de um jeito diferente e te leva para o mundo e universo particular de cada personagem nele citado, como o desespero e tristeza de "Clay" um soldado da Segunda Guerra Mundial que descobriu que seu parceiro tinha morrido em combate, Alison disse que a inspiração foi a carta que ele escreveu para seu parceiro depois de morto, a música que é acompanhada pelos vocais profundos de Alison e uma instrumentação mais acústica que as outras faixas transmite toda a dor, toda a saudade e toda a sensação de perca que "Clay" sentiu.

    Alison sempre foi uma mestre em transmitir poderosas emoções por sua única voz, mas nesse álbum ela se supera, seja pelo tom mais pessoal, mais intimista e pelo seu significado mais poderoso ou pelo fato de que Alison foi devota completamente ao trabalho, o qual o processo de gravação durou 2 anos, seja como for ela realizou perfeitamente o trabalho de contar as histórias melancólicas e tristes contidas no álbum, até as mais obsucras como "Simone" sobre uma mãe que encontra sua filha na cama com seu namorado. A música que contém uma ambientação mais dark que transmitem a sensação de desprezo provavelmente sentida por Simone, de descobrir que seu namorado não a amava realmente, de reijeição, de frustração, com letras como "I felt your colddness come You're insatiable, I was blind. You're the younger me in his arms".

    As letras de Tales of Us não são longas e complexas, são versos simples, geralmente sem um refrão definido que contam uma história de forma simples e misteriosa.
    Falando em misteriosa, a única figura não identificada do álbum, Stranger é uma música totalmente misteriosa com letras como "Born a mistery, you're the inbetween... Boy or girl?" "Stranger" parece uma criatura indefinida, proveniente de sonhos, já que a própria cantora não consegue se lembrar quem é.

    Todas as músicas do Tales of Us tem que ser sentidas, re-sentidas, todas as letras lidas e relidas, todo os intrumental, todo o vocal tem que ser minuciosamente observado para se apreciar cada segundo dessa belissima obra e para completar a experiência, Alison transformou o projeto em um projeto audio-visual, com vídeos geralmente em preto e branco, gravados e dirigidos por sua parceira desde 2008, Lisa Gunning, Alison diz que é a primeira vez que sente que seus vídeos realmente adicionam algo a mais na música, adicionam um significado e é a primeira vez que ela realmente sente confortável gravando-os. Os clipes também minimalistas, com um toque noir e obscuro adicionam mais significados e interpretações as já ambiguas músicas do álbum. Em Stranger, uma mulher seduz outras mulheres na praia e quando você pensa que nascerá um romance lésbico entre duas estranhas, a "Stranger" mata a outra, depois joga ao mar o corpo, não antes de pegar sua aliança e juntar com as outras milhares que tem num cordão. Em Jo, uma mulher assustada tenta fugir de si mesma, provavelmente de seus próprios pensamentos, dá a sensação de uma mulher com dupla personalidade, tentando se esconder de si mesma e de sua malevóla face. Annabel conta a belissima história já contada na música, do menino que se sente no corpo errado, mostrando cenas dele passando a mão em seu corpo enquanto olha-se no espelho, passando toda a confusão que está em sua mente para quem assiste o vídeo, depois o mostra em seu próprio esconderijo, brincando com jóias, num lugar aonde ele pode ser ele mesmo, uma luz aparece quando sua mãe entrega um pacote com seu lanche, depois do sanduíche que o clipe mostra detalhadamente seu preparo, no pacote há um vestido de lantejoulas, o menino o veste e dança pela floresta com seu novo vestido e a alegria de saber que é entendido, o clipe graduamente tem suas cores adicionadas, assim como a felicidade e alivio de Annabel. Drew é nostálgico, gravado numa mansão vazia no interior da Inglaterra, quatro pessoas se divertem, brincam e dançam, totalmente nuas, menos Alison, no final todas as pessoas que estavam nuas desaparecem e Alison vai embora da casa, indicando uma sensação de lembrança, de recapitulação de boas memórias de pessoas que já se foram.
    Todos os 5 vídeos (dos quais 2 já foram lançados oficialmente 3 foram vazados) farão parte de um filme de 30 minutos que passará nos cinemas da Inglaterra.

    Goldfrapp construiu uma dos mais belos álbuns que já ouvi e com certeza o álbum que mais me tocou no ano, com suas músicas hipnotizantes, seu conceito enigmático que me fizeram refletir sobre suas distintas e tristes histórias e que solidificam Goldfrapp como um dos melhores grupos da atualidade e um dos meus favoritos de todos os tempos. Tales of Us é uma experiência única, assim como as histórias de cada pessoa presente no álbum.



    Estátisticas interessantes sobre meu best of:
    Artistas de cada país:
    EUA: 43
    Inglaterra: 27
    Brasil: 9
    Canadá: 4
    França: 3
    Austrália: 2
    Islândia: 2
    Irlanda: 2
    Suécia: 2
    Dinamarca: 2
    Nova Zelândia: 2
    Escócia: 1

    Bandas x Duplas x Solo:
    Bandas: 29
    Duplas: 16
    Solo: 53

    Vocais femininos x Vocais masculinos x Instrumental:
    Feminino: 48
    Masculino: 44
    Instrumental: 4
    Ambos (em quase todas as músicas): 1


    ÁLBUNS RUINS

    Mais uma vez, mais do que nunca quero reforçar que TUDO aqui é minha opinião e se você discorda, não faça comentários ofensivos. E não leve essa categoria muito a sério, não tenho nada contra quem ouve o que ta aqui, então don’t worry, essa parte é mais descontração depois de uma review pesadíssima ali em cima q.



    Ignora o fato que eu tenho quase 3k de plays da Britoca, eu detestei esse álbum (e o antecessor dele, o Femme Fatale) fiquei muito decepcionado porque eu realmente (ah, a ilusão...) pensei que esse álbum seria algo pessoal, mas quebrei a cara, o álbum é fraco e sem muita personalidade, duas baladinhas e uma música com a irmã não fazem do álbum, algo pessoal (quotando mikeyunicorns HAH) mas tem umas partes legaizinhas como Don’t Cry, Passenger e Alien, mas a maioria chega a ser chata e até irritante, como It Should Be Easy. Acho que ta na hora da Britney ter um descansinho mesmo.




    Bom, não é surpresa pra ninguém que esse álbum ia estar aqui KKK, todos sabem que não suporto a Gilettovato e esse álbum só concretiza que eu realmente não gosto dela. É um álbum que não mostra nenhuma evolução, soa repetitivo, clichê, com letras ZzZz e sem maturidade nenhuma, Demi Lovato já está no quarto álbum dela e continua a mesma coisinha chata de sempre (mudando o fato que agora ela não é mais pop/rock genérico e sim pop farofa genérica com umas baladinhas chatas) enfim, esse álbum deve ter umas 2 musiquinhas menos-chatas, mas não me conquistou e não fez eu ganhar respeito pela Lovato. Beijos, é isso bial.



    Olha, dou os créditos pra Selena por tentar fazer algo diferente, mas sinceramente, não desceu, além de ser uma cópia barata da fórmula que a Britney Spears usou na carreira, músicas repetitivas, farofa e dançantes, sem letras interessantes, escritas por 90 pessoas, auto-tune no máximo e playbacks nos shows. Ela pode ter “crescido” da imagem da Disney, mas não ficou bom não. Desculpa ai.



    Eu tava realmente esperando algo legal desse álbum, mas desculpa Avril, ta feio. Eu sei que você não quer crescer e tudo mais e não ta nem ai pra isso, mas fia, para. KKK Depois do Goodbye Lullaby que eu adorei (tirando What the Hell e Smile) eu esperava algo mais maduro, mais acústico e mais interessante. No entanto, saiu algo repetitivo, tanto nos temas, quanto musicalmente. Com algumas faixas BEEEm diferentes como Hello Kity mas que saíram desastrosas, o álbum tem algumas faixas legais tipo Give You What You Like e Falling Fast (que relembram o GL) mas no geral, o álbum é bem fraco. Nem tão ruim, mas MUITO fraco.



    Desculpa rainha, mas tu pisou na bola feio. Mas eu não te culpo, com uma gravadora chata daquela... Enfim, Utopia é muito, mas muito fraco e sem personalidade, músicas farofadas, com letras clichês e repetitivas, tirando Speed Limit (que é melhor na demo) o álbum segue uma linha que eu realmente não queria que a Kerli seguisse, mas fazer o que? No aguardo da próxima tentativa dela, amém.



    Enfim, é isso gente <3 obrigado todos os gatos & gatas por lerem, eu fiz isso de coração e espero que tenham gostado, deixem seu comentário e que seu 2014 seja ótimo, e até o ano que vem <3 (quando eu estiver com 30 anos provavelmente ainda estarei aqui)

    Pra 2014 teremos....:
    Lady Gaga – 2º parte do ARTPOP (que seja melhor, pfvr)
    RIhanna – 8º álbum (ou será que ela tomará 2 anos pra descansar?)
    Christina Aguilera – 5º álbum (finalmente a piranha saiu da RCA)
    No Doubt – 7º álbum (a Gwen ta grávida, mas eles postaram foto deles gravando, vai saber...)
    Marina & the Diamonds – 3º álbum (ela postou fotos gravando música...)
    Lana Del Rey – UltraViolence (vem sambar rainha, vem)
    Pixie Lott – Pixie Lott (vai destruir o UK todo, amo)
    Florence + the Machine – 3º álbum (Apenas no aguardo da Terceira obra-prima)
    Shakira - 8º álbum (lead single com a Rihanna, destruirão)
    Kerli – 2º álbum (e que a gravadora independente traga músicas boas para ela)
    Hurts – 3º álbum (eles postaram algo sobre um provável álbum novo)
    The Pretty Reckless – Going to Hell (Tomara que saia mesmo, cansadíssimo de esperar)
    Lily Allen – 3º álbum (2014 = UK sambando na cara da sociedade [como sempre])
    Kylie Minogue – 12º álbum (Tomara que não farofe, conto contigo gata)
    Grimes – 4º álbum (assinou com a Roc Nation, tomara que não corrompam ela)
    Pitty - 4º álbum (tomara que saia dessa vez mesmo, em)
    Nicola Roberts – 2º álbum (boatos que sairia esse ano, mas fui iludida)
    Lykke Li – 3º álbum (tomara que não perca os arquivos de música do álbum de novo, bjs linda)
    Iamamiwhoami – 3º álbum (boatos e mais boatos)
    Björk – 8º álbum (tudo indica que sim, vem deusa, vem sambar)
    Fergie – 2º álbum (lendário já)
    CHVRCHES – 2º álbum (já anunciaram, amo)
    Clare Maguire – 2º álbum (iludido também, pensei que sairia em 2013)
    Charli XCX – 2º álbum (anunciou também)
    Banks – 1º álbum (minha maior aposta para 2014)
    Die Antwoord – 3º álbum (reis africanos)
    Solange – 3º álbum (rainha, samba na irmã)
    FMLYBND – 1º álbum (também aposto neles)
    Haerts – 1º álbum (aposta [3])
    MØ – 1º álbum (aposta [4])
    Ariana Grande – 2º álbum (também já foi anunciado)


    Espero que tenham gostado da minha Retrospectiva com uma pitadinha de urban conceitual <3 Até 2014
  • Albums I listened in 2013

    1 May 2013, 20:15

    (alphabetical order)
    Total: 211 Albums
    AlunaGeorge - Body Music
    Ana Carolina - #AC
    Apanhador Só - Antes que tu Conte Outra
    Anitta - Anitta
    Apparat - Krieg un Frieden (Music For Theater)
    Arctic Monkeys - AM
    Atlas Genius - When It Was Now
    Austra - Olympia
    Autoheart - Punch
    Autre Ne Veut - Anxiety
    Avril Lavigne - Avril Lavigne
    BANKS - LONDON (EP)
    Bárbara Eugênia - É o que Temos
    Baths - Obsidian
    Bastille - Bad Blood
    Beach Fossils - Clash the Truth
    Billie Joe + Norah - Foreverly
    Birdy - Fire Within
    Black Rebel Motorcycle Club - Specter at the Feast
    Blitzkids mvt. - Silhouettes
    Bloodgroup - Tracing Echoes
    Blue Hawaii - Untogether
    The Boxer Rebellion - Promises
    Braids - Flourish // Perish
    Britney Spears - Britney Jean
    Britta Persson - If I Was A Band My Name Would Be Forevers
    Camera Obscura - Desire Lines
    Cansei de Ser Sexy - Planta
    Capital Cities - In a Tidal Wave of Mistery
    Charli XCX - True Romance
    Chelsea Wolfe - Pain Is Beauty
    Cristopher Owens - Lysandre
    CHVRCHES - The Bones of What You Believe
    Ciara - Ciara
    Cícero - Sábado
    Clarice Falcão - Monomania
    CocoRosie - Tales of a Grass Widow
    Cold War Kids - Dear Miss Lonelyhearts
    CLASSIXX - Hanging Gardens
    Daft Punk - Random Access Memories
    Dale Earnhardt Jr. Jr. - The Speed of Things
    Darkside - Psychic
    Daughter - If You Leave
    David Bowie - The Next Day
    Delphic - Collections
    Demi Lovato - DEMI
    Deptford Goth - Life after Defo
    Devendra Banhart - Mala
    Diana Vickers - Music to Make Boys Cry
    Dido - Girl Who Got Away
    Disclosure - Settle
    Doldrums - Lesser Evil
    Dorgas - Dorgas
    Endless Melancholy - Five Songs(EP)
    Entertainment for the Braindead - Songs for the Sleepless (EP)
    Esben and the Witch - Wash the Sins Not Only the Face
    Editors - The Weight of Your Love
    Ellie Goulding - Halcyon Days (Re-Release)
    Elliphant - Elliphant (EP)
    Elliphant - A Good Idea
    Everything Everything - Arc
    Fall Out Boy - Save Rock and Roll
    Fallulah - Escapism
    Fantasia - Side Effects of You
    Fitz and the Tantrums - More than Just a Dream
    The Flaming Lips - The Terror
    FMLYBND - GOLD (EP)
    Foals - Holy Fire
    Foxes - Warrior (EP)
    Foxygen - We Are the 21st Century Ambassadors of Peace and Magic
    Frankmusik - Between
    Franz Ferdinand - Right Thoughts, Right Words, Right Action
    Heza - Generationals
    Giant Drag - Waking Up Is Hard to Do
    Girls Names - The New Life
    Glasser - Interiors
    Gliss - Langsom Dans
    God Is an Astronaut - Origins
    Gold Fields - Black Sun
    Goldfrapp - Tales of Us
    Guards - In Guards We Trust
    HAERTS - Hemiplegia (EP)
    HAIM - Days are Gone
    The Haxan Cloak - Excavation
    High Highs - Open Season
    The History of Apple Pie - Out Of View
    How To Destroy Angels - Welcome Oblivion
    Hungry Kids Of Hungary - You're a Shadow
    Hurts - Exile
    I Am Kloot - Let It All In
    IAMX - The Unified Field
    Indians - Somewhere Else
    Jaloo - Couve (EP)
    James Blake - Overgrown
    Jamie Lidell - Jamie Lidell
    Janelle Monáe - The Electric Lady
    Javelin - Hi Beams
    Jaymes Young - Dark Star
    Jessy Lanza - Pull My Hair Back
    John Newman - Tribute
    Jonathan Bree - Primrose Path
    The Joy Formidable - Wolf's Law
    Julia Holter - Loud City Song
    Julianna Barwick - Nepenthe
    Justin Timberlake - The 20/20 Experience
    Justin Timberlake - The 20/20 Experience: 2 of 2
    Karol Conká - Batuk Freak
    Kate Nash - Girl Talk
    Katy Perry - PRISM
    Keaton Henson - Birthdays
    Kerli - Utopia (EP)
    The Knife - Shaking the Habitual
    La Femme - Psycho Tropical Berlin
    Lady Gaga - ARTPOP
    Laura Marling - Once I Was An Eagle
    Laura Mvula - Sing For the Moon
    Lisa Lois - Breaking Away
    Little Boots - Nocturnes
    The Little Ones - The Dawn Sang Along
    Local Natives - Hummingbird
    London Grammar - If You Wait
    Lorde - The Love Club (EP)
    Lorde - Pure Heroine
    Lotte Kestner - The Bluebird of Happiness
    M.I.A. - Matangi
    Mads Langer - In These Waters
    Majical Cloudz - Impersonator
    Marcelo Jeneci - De Graça
    The Mary Onnetes - Hit The Waves
    Matt Costa - Matt Costa
    Miley Cyrus - Bangerz
    Miss Kittin - Calling from the Stars
    Miss Li - Wolves
    MØ - Bikini Daze (EP)
    Moddi - Set The House On Fire
    MS MR - Secondhand Rapture
    My Bloody Valentine - M B V
    The Naked and Famous - In Rolling Waves
    Nana - Pequenas Margaridas
    Natalia Kills - Trouble
    The National - Trouble Will Find Me
    The Neighbourhood - I Love You
    New Politics - A Bad Girl In Harlem
    Nick Cave & The Bad Seeds - Push the Sky Away
    No Joy - Wait to Pleasure
    On An On - Give In
    oOoOO - Without Your Love
    Oh Land - Wishbone
    Orchestral Manoeuvres In The Dark - Electric Light
    Orianthi - Heaven In This Hell
    Pacific Air - Stop Talking
    Palma Violets - 180
    Panic! at the Disco - Too Weird to Live, Too Rare to Die!
    Paramore - Paramore
    Phoenix - Bankrupt!
    Portugal. The Man - Evil Friends
    Postiljonen - Skyer
    powwowW - Psychic
    Psychic Ills - One Track Mind
    Public Service Broadcasting - Inform - Educate - Entertain
    Queens of the Stone Age - ...Like Clockwork
    Ra Ra Riot - Beta Love
    Rhye - Woman
    RLMDL - Before Then Was Now
    The Ropes - Post-Entertainment
    Sally Saphiro - Somewhere Else
    Sandy Leah - Sim
    Selena Gomez - Stars Dance
    She & Him - Volume 3
    Sin Fang - Flower
    Sigur Rós - Kveikur
    Sky Ferreira - Night Time, My Time
    Skylar Grey - Don't Look Down
    St. Lucia - When The Night
    Starfucker - Miracle Mile
    The Strokes - Comedown Machine
    Stromae - Racine Careé
    Suuns - Images du Futur
    Suede - Bloodsports
    The Summer Set - Legendary
    Sun Devoured Earth - Elilan
    Tarja - Colours in the Dark
    Team Ghost - Rituals
    Teen Daze - Glacier
    Thao with the Get Down Stay Down - We The Common
    To Kill a King - Cannibals with Cutlery
    Tom Odell - Long Way Down
    Toro y Moy - Anything In Return
    Torres - Torres
    Tropic of Cancer - Restless Idylls
    Unknown Mortal Orchestra - II
    V V Brown - Samson & Delilah
    Vampire Weekend - Modern Vampires of the City
    Vanguart - Muito Mais que o Amor
    Various Artists - The Hunger Games: Catching Fire (Original Motion Picture Soundtrack)
    Various Artists - The Great Gatsby (Music From Baz Luhrmann's Film)
    The Veils - Time Stays, We Go
    Veronica Falls - Waiting for Something to Happen
    Villagers - {Awayland}
    Vinnie Who - Midnight Special
    Vortex Rikes - All Hope is Lost (EP)
    Wado - Vazio Tropical
    Washed Out - Paracosm
    Wavves - Afraid of Heights
    Willy Moon - Here's Willy Moon
    Woodkid - The Golden Age
    The World Is a Beautiful Place & I Am No Longer Afraid To Die - Whenever, If Ever
    Yeah Yeah Yeahs - Mosquito
    Young Dreams - Between Places
    Youngblood Hawke - Wake Up
    Youth Lagoon - Woundrous Bughouse
    Zeromancer - Bye-Bye Borderline
    Zola Jesus - Versions
    The 1975 - Music for Cars (EP)
    The 1975 - The 1975
    30 Seconds to Mars - Love Lust Faith + Dreams
  • ♡ Retrospectiva do ano de 2012 ♡

    30 Dic 2012, 21:51

    HOJE É UM NOVO DIA, DE UM NOVO TEMPO, QUE COMEÇOU, NESSES NOVOS DIAS, AS ALEGRIAS, SERÃO DE TODOS, É SÓ QUERER, TODOS NOSSOS SONHOS, SERÃO VERDADE, O FUTURO, JÁ COMEÇOU... PORRA NENHUMA EU QUERO É PUTARIAAAAAAAAAAAAAAAAAA! –n

    Enfim, está terminando mais um ano, com muita paz amor alegria graças a deus. E provavelmente vocês gozaram de muito amor e alegria, nas suas piscinas lindessimas, mas estamos aqui, graças a deus, e vocês lerão, graças a deus, minha review do ano de 2012, e novidadexxxxx não são só os melhores, mas sim os PIORES também, então garanto a vocês, que vale a pena, mesmo que esteja grande pra caramba. Enfim, temos que dividir sem ver a quem, porque somos um mundo, graças a deus e amén. Então, faz por aonde, que eu vou fazendo, então vamo fazendo!

    2012, no geral foi um ano bom, nada de muito interessante aconteceu para mim. Mas musicalmente falando, foi bom. Descobri muitos artistas ótimos, e muitos do que já conhecia lançaram álbuns bons também! Enfim, vocês lerão só de quem conhece e ignorarão os outros (obvio) mas tentem se esforçar, fiz isso com muito amor então NÂO ME FLOPEM SEUS INÚTEIS! N
    (Legenda pra nota: ✰ (meia estrela) ☆ (estrela inteira)



    20



    Álbum: Trouble
    Artist: Totally Enormous Extinct Dinousaurs
    Genêro: , , ,


    Quando falamos de "música eletrônica" ou "música dance" as pessoas já falam que é lixo, porque pensam naquelas músicas com batidas super-recicladas e entediantes que estão presentes em 80% das músicas que tocam na rádio. O que poucos sabem é que a música eletrônica vai muito além disso e contem artistas ótimos, e um desses artistas é o Totally Enormous Extinct Dinosaurs, projeto do britânico Orlando Higginbottom. As batidas e os sintetizadores deixam suas músicas totalmente viciantes e dançantes, mas ao mesmo tempo, inovadoras, nem chegando perto de ser "farofa".

    Os vocais calmos e minimalistas de Orlando em conjunto com a batida hipnotizante das músicas faz de "Trouble" um ótimo álbum. Destaque para músicas como Household Goods (aonde o vocal dele está ótimo), Promises e a hipnotizante Garden. Só uma coisa que não me agradou muito foi o extenso tamanho do álbum, o que não me permite escutá-lo por inteiro várias vezes. Várias músicas poderiam ter sido menores como Panpipes e Closer

    Melhores Músicas: Promises, Garden e Household Goods
    Pior/es Músicas: Stronger
    Nota: ☆☆✰

    19



    Álbum:Warrior
    Artista: Ke$ha
    Gênero: , , ,


    Ke$ha sempre foi uma artista que eu gostei, suas músicas divertidas foram sempre boas, afinal, nem só de músicas com significados profundo vive um ser humano, para isso que serve a Ke$ha, Animal e Cannibal, seus trabalhos anteriores apresentavam um dance-pop muito bom, uma "farofa boa. Mas ela realmente se superou com "Warrior", o álbum novo é mais consistente que os outros, e apresentam um som mais maduro e melhor-produzido. Também contém músicas mais pessoais como "Wonderland", "Love Into The Light" e"Warrior". Mas claro as marcas registradas da Ke$ha como "Die Young" "C'mon" e "Crazy Kids" (a qual apresenta um rap ótimo da Ke$ha! haha). O album também conta com ilustres participações especiais, como Iggy Pop na maravilhosa "Dirty Love" e The Strokes em "Only Wanna Dance With You" o que dá um ar mais "rockeiro" ao álbum. Um estilo o qual a Ke$ha tenta se encaixar desde o começo de sua carreira. Mas é isso, "Warrior" é um álbum divertido, extremamente viciante e que te deixa preso do começo ao fim. Provavelmente o melhor da Ke$ha até agora.

    Melhores Músicas: Dirty Love, Wonderland, Warrior, Die Young, Thinking of You e Love Into The Light
    Pior/es Músicas: Wherever You Are
    Nota: ☆☆☆


    18



    Álbum: The 2nd Law
    Artist: Muse
    Genre: , , ,


    Muse, uma banda ótima, misturou Symphonic Rock com batidas de dupstep para o The 2nd Law, e mesmo com vários fãs reclamando, o álbum não deixa de ser ótimo, The 2nd Law é um ótimo sucessor de outro incrível álbum, que seria "The Resistance", com músicas grandiosas e o ótimo vocal de Matthew Bellamy, deixa o álbum com uma sensação de "epíco", os arranjos musicais, a variedade de instrumentos misturados com batidas eletrônicas deixou o álbum, com um ótimo conteúdo, muitos fãs não gostaram do rumo que o Muse tomou desde de The Resistance, com músicas "grandiosas", dessas parecendo que são feitas para performances em grandes arenas, mas eu apoio esse mudança de direção. Achei criativo da parte deles, apenas as letras de algumas músicas poderiam ter sido melhor. Mas de resto, o álbum realmente merece ser ouvido!

    Melhores Músicas: Panic Station, Eplorers e Supremacy
    Piores Músicas: Liquid State
    Nota: ☆☆✰


    17



    Álbum: Some Nights
    Artist: fun.
    Genêro: , ,


    Conheci o fun. com seu debut album, "Aim and Ignite", já estava imaginando que "Some Nights" não seria melhor que esse maravilhoso álbum. E não foi, mas do mesmo jeito é um álbum bom, tirando alguns usos desnecessários do auto-tune como em "It Gets Better" e "Carry On", mesmo não tendo aquela sensação impactante e maravilhosa do debut, Some Nights tem umas músicas ótimas, como Some Nights, One Foot, Out On Town e All Alright. Provavelmente a mais irritantezinha é o hit "We Are Young" que conta com a participação da Janelle Monáe, mas que para ser sincero, não consegui identifica-lá na música, no máximo um backing vocal. Não é álbum forte, que se torna enjoativo depois de algumas vezes que você o ouve seguidamente. No entanto, ele contém uma das melhores letras da carreira do fun., "One Foot" é ótima, com uma boa mensagem e é viciante "I'm going to die for my own sins, thanks a lot!" simplesmente brilhante. Mas no final das contas, o álbum deixa uma sensação de vazio como se faltasse algo. Mas mesmo assim é um bom álbum.

    Melhores Músicas: One Foot, All Alright, Some Nights e Out on Town
    Piores Músicas: We Are Young e Why Am I The One
    Nota: ☆✰


    16



    Álbum: Lotus
    Artista: Christina Aguilera
    Genêro:: , . ,


    Talvez não esteja tão inovador como os outros trabalho da Christina, por causa do flop comercial do seu antecessor, então talvez a RCA tenha tirado um pouco da liberdade criativa do controle da Christina, o álbum começa bem, com uma intro aonde o uso do auto-tune é totalmente favorável, uma coisa bem experimental e interessante, seguida pelo "hino" Army of Me, tudo indo bem, ai o álbum desanda. Red Hot Kinda Love é uma bagunça musical, enquanto Make The World Move que com uma letra ótima e com a participação de Cee Lo Green, tinha tudo para ser uma forte música, acabou se tornando uma das faixas mais "esquecíveis" do álbum, o Cee Lo tem uma participação medíocre enquanto a batida dance-pop da faixa não colou. Então nós temos ensaduichado entre duas músicas com frases que exaltam o amor, Your Body, uma faixa dance-pop, onde se escuta "All I wanna do is fuck your body", alguns dizem que a Christina é boa por isso, de sua versatilidade, mas eu acho que Your Body poderia estar posicionado mais para o final do álbum, então vem a "farofa" do álbum, Let There Be Love, que, pelo o que eu vi, será a aposta de alguns fãs para um #1 do álbum. então nós temos "Sing For Me" que seria uma daquelas baladas motivacionais da Christina, como Soar, mas que infelizmente, não tem o impacto da mesma. A faixa que segue, é a simpleszinha mas ótima Blank Page. Então vem uma das melhores faixas do álbum, Cease Fire, com uma intro maravilhosa, que me lembra uma faixa da Florence + The Machine, os vocais da Christina estão simplesmente incríveis na música. Nós temos então All Around the World que é uma música interessante, mas praticamente uma filler, assim como Make The World Move, mas não tão ruim como a mesma. Nos deparamos então com a "I Hate Boys" do Lotus, Circles, uma faixa com um ritmo fofinho e indie, onde a christina manda você basicamente, sentar e rodar no dedo do meio dela, viciante e extremamente infecciosa, a faixa mesmo com uma letra nem tão incrível (que não tem importância, já que essa é uma música "só pra zua" da christina) é excelente. Vemos agora, uma das baladas mais vergonhosas, Best Of Me, que por causa do auto-tune exagerado e erronameante usado, acaba com qualquer impacto que ela poderia querer causar. para fechar a versão standart, temos a excelente Just a Fool, onde a Aguilera arrasa no country, um contraste com o resto do álbum. As faixas bônus, Light Up The Sky e Empty Words, são extremamente incriveis e poderiam facilmente substituir as fraquinhas Sing For Me e Best of Me no álbum, mas já Shut Up mesmo sendo divertidissima merece ficar apenas como bônus, já que ficaria totalmente deslocada no álbum, ela é mais uma das faixas "só p zuá" da christina, praticamente uma Bobblehead. Enfim, no geral, o álbum é divertido, tem algumas faixas viciantes, mas, realmente, esperava mais. A Christina infelizmente não foi de capaz de mostrar seu potencial nesse álbum, mas espero que ele venda bem e que ela possa ter mais controle sobre seu próximo álbum e talvez fazer algo mais experimental pro lado do eletrônico, algo que eu acho, que ela vem tentando fazer desde Bionic.

    Melhores Músicas: Lotus Intro, Cease Fire, Army of Me, Light Up The Sky, Just a Fool e Circles
    Piores Músicas: Make The World Move, Best of Me, Let There Be Love e Red Hot Kinda Love
    Nota: ☆☆✰



    15



    Álbum: kin
    Artist: iamamiwhoami
    Genêro: , , ,


    Desde o nome de seu projeto, tudo em "iamamiwhoami" é cativante e misterioso. Começando como uma figura desconhecida que postava vídeos com músicas no Youtube, muitas foram as especulações sobre sua verdadeira identidade, já falaram que poderia ser a Aguilera (mas cá entre nós, a Christina poderia fazer um som que nem ela qualquer dia desses né?! haha!), Little Boots, até Lady Gaga! mas a verdade é que era uma nova artista, depois de muito mistério e muitos vídeos avulsos no youtube, finalmente veio o "Kin", álbum eletrônico cativante, misterioso e extremamente ambient. Com os vocais dreamy de Jona Lee, com melodias que vão do Misterioso e puxados pro Dream Pop (Sever, Good Worker e Kill) e melodias dançantes (Goods, In Due Order, Idle Talk)

    Com apenas 9 faixas, te dá a sensação que tem bem mais, já que não deixa a desejar.

    Melhores Músicas: Sever, In Due Order, Goods e Good Worker
    Piores Músicas: Drops (Para falar a verdade, nenhuma delas é ruim, mas eu tinha que escolher uma D:)
    Nota: ☆☆☆✰




    14



    Álbum: The Truth About Love
    Artist: P!nk
    Genêro: pop/rock


    P!nk sempre se sai bem no que faz, e nesse álbum, não foi diferente. Música pop e pegajosa com boas letras. "The Truth About Love" mostra que a P!nk ainda é a P!nk, uma artista que varia entre vários genêros, em seus álbuns, mas todos tem a sua essência. "The Truth About Love" é o sucessor do ótimo "Funhouse", e também é o sucessor de seu casamento e de sua gravidez. Mas mesmo com tantos acontecimentos, a P!nk continua com suas letras debochadas e seu vocal agressivo. Primeiro começamos, com a poderosa "Are We All We Are", e nessa já sabemos que o que seguirá, vai ser ótimo. Blow Me (One Last Kiss) o lead single do álbum, puxa mais pro lado pop, do que o Pop/Rock, mas mesmo assim ainda contêm a essência "bad-ass" de So What ou Ur + Ur Hand, músicas anteriores de sua carreira que tratam de quase o mesmo assunto - um relacionamento com um homem, no qual, acontece algo entre os dois, e P!nk faz sua "vingança", basicamente, a sua marca-registrada. Chegamos então, a uma música, vulnerável, essa música é Try, mas mesmo com esse tom de insegurança, P!nk passa esperança entre as lindas letras da música "Just because it burns doesn't you gonna die". "True Love" com a ex-Lily Allen, agora "Lily Rose Cooper" (mas que se foda, nunca vou chamá-la assim) era provavelmente a faixa mais esperada por mim, porque sonho com esse dueto, desde de muito tempo, as duas cantoras mais acidas no mundo da música! haha. A música em si, é boa, tem um ritmo bonitinho (mesmo que as letras, sejam um contraste, amo isso) mas a Lily poderia ter feito mais. O vocal dela ficou extremamente apagado, infelizmente, poderia ter sido melhor. Deparamos com outro featuring muito esperado por mim, Just Give me a Reason com o vocalista do fun., Nate Ruess, a música é linda, e soa mais com uma música do fun., do que da P!nk, mas tá valendo! os vocais dos dois combinaram muito bem, dando um "feeling" ótimo na música. De novo, uma marca registrada da P!nk, Slut Like You, assim como Stupid Girls, é aquela música a qual você oferece para aquela menina nojenta que você odeia! "How Come You're Not Here" é juntamente com "Slut Like You" a mais "Pop/Rock" do álbum, muito boa também. The Truth About Love, a faixa-titulo, é ótima também, tem um ritmo muito catchy, simplesmente ótima e realmente, as letras são "A Verdade sobre o Amor", uma coisa chata, irritante, nojenta, que só te atrasa, mas que te faz extremamente feliz e que continua sendo a coisa mais importante para qualquer um. Chegamos a baladinha, que sempre tem no álbum, "Beam Me Up", mas mesmo sendo boa, foi mal colocada no álbum, deveria ter sido deixada por último na tracklist, junto com "The Great Scape", afinal sua sucessora, é a escrachada "Walk of Shame" que pra quem não sabe, é sobre transar com alguém na casa dele, depois de uma festa, e sair toda descabelada e com a mesma roupa, revelando pra todo mundo, que você fez sexo! Engraçadissima, extremamente pegajosa, não tem como não amar. "Here Comes The Weekend" com o Eminem, mesmo sendo catchy, pode ser considerado o ponto mais fraco do álbum, nada tão especial sobre. "Where Did The Beat Go?" é uma das melhores do álbum, com certeza! Extremamente bad-ass, realmente ótima. Chegamos ao final da standard edition, The Great Escape, aquela baladinha que sempre tem no álbum da P!nk, que mesmo sendo ótima, acaba sendo apagada por causa das outras faixas mais animadas, mas mesmo assim, ótima. as faixas da deluxe/itunes/japanese/australiana/versão da republica checa/versão especial pra lua etc São ótimas também, destaque para "My Signature Move", "Run" e incrivelmente ótima "Timebomb" e a rejeitada "The King is Dead but the Queen Is Alive" que só ficou para b-side de single e para a versão japonesa. Mas enfim, um álbum ótimo, que mostra que a P!nk é uma artista consistente. Não é melhor que seus trabalhos antigos, (I'm Not Dead, continua como meu favorito) mas realmente, não decepciona!

    Melhores Músicas: Where Did the Beat Go?, Walk of Shame, Slut Like You e The Truth About Love
    Piores Músicas: Here Comes the Weekend
    Nota: ☆☆☆



    13



    Álbum: Fall to Grace
    Artist: Paloma Faith
    Genêro: , r&b,


    Claustrofóbico. Foi a primeira coisa que me passou pela cabeça quando eu ouvi esse álbum. Músicas com letras tristes, cantadas com vocais desesperadores, que te dão a sensação por dentro, de estar preso, como se estivesse num lugar fechado, sem saída, quase não dá pra respirar, e isso é realmente incrível, afinal, música não é sempre uma coisa para alegrar o ouvinte. Acima de tudo é para representar os sentimentos do cantor, e nesse álbum, Paloma, faz esse trabalho muito bem, você consegue sentir a sua tristeza em cada segundo de cada música na sua voz, voz que por acaso, é ótima. "Picking Up The Pieces" o lead single, e a música mais poderosa do álbum, é a prova disso, Paloma te passa uma sensação de desabafo, como se algo estivesse preso nela, e agora ela libertou. Os último segundos, são os mais poderosos, ela quase chora. Seguindo, pela mais calminha "30 Minute Love Affair", mas do mesmo jeito, tocante. "Black & Blue" fala agora, não do sentimento de Paloma, mas de, talvez de outras pessoas. Ela fala de medos, manias e segredos que as pessoas contém em seu intímo, provavelmente a mais bonita, liricamente, no álbum. (I know people who use chat-rooms as confessionals / I know a man who fill his emptiness with strangers) Just Be, mesmo com letras boas, é a musicalmente, mais fraca. Let Me Down Me Easy, me lembra Amy Winehouse, provavelmente a mais "segura" do álbum. (juntamente com Blood, Sweat & Tears). As seguintes, são todas no mesmo sentido, tristes mas esperançosas, desesperadas mas confortantes, destaque para "Agony", "When You're Gone" e "Freedom". A Deluxe, contém versões acústicas, que dão um feeling diferente e mais calminho as músicas.

    Melhores Músicas: Picking Up the Pieces, Black & Blue, Agony e When You're Gone
    Piores Músicas: Just Be
    Nota: ☆☆☆


    12



    Álbum: Fuga
    Artist: Tom Custódio da Luz
    Genêro: , ,


    Extremamente novo no mundo da música, Tom, é um daqueles artistas brasileiros, que tem um talento excepcional, mas não são reconhecidos pelo público em geral e mesmo aqueles que falam que a "Música brasileira atual é uma merda" não apreciam, afinal, só sabem reclamar. Mas enfim, com seu "debut" no mundo da música, Tom, é interessantemente promissor. Com letras em formato de poesia, seu vocal simples e seu som, que mistura ritmos brasileiros, como samba, bossa e pitadas de Pop, Rock e Jazz. "Fuga" não é revolucionário nem extraordinário, mas é ótimo, para quem sabe apreciar música. "E Agora, Tião?" "Polipolar" são poesias em forma de música, ótimo jeito de começar um álbum. Infelizmente, mesmo sendo boas, "Sobre a Flor" e "Desculpe" soam mais como fillers (o que, quase sempre, acontece em Debuts) as proximas faixas são muito boas, mas definitivamente, o ponto alto desse álbum, é no final, a fofissima "Cotidiana", a divertida "Do Outro Lado do Morro" e eu simplismente adoro os assobios de "Pro Mar", e "Da Falta" que contêm uns vocais depressivos de Tom com uma menina na segunda voz, que se juntam muito bem.

    Melhores Músicas: Cotidiana, Polipolar, Pro Mar, Do Outro Lado do Morro e Da Falta
    Piores Músicas: Desculpe e Placidez
    Nota: ☆☆✰


    11



    Álbum: Out of Frequency
    Artist: The Asteroids Galaxy Tour
    Genêro: , ,


    Essa banda lá da Dinamarca, chamou minha atenção com o comercial da Heinekein e eu descobri que eles estavam vindo para o Rock In Rio 2011, desde então tenho gostado dela. O "Fruit" é um ótimo álbum, e quando descobri que eles estavam fazendo um segundo álbum, tratei logo de baixar. O álbum não perde em nada para o Fruit. Um álbum cheio de cores, explosivo, com os vocais estridentes da Mette e cheios de trompetes e trombones. Começa com a sequência de pequenas faixas "Gold Rush Pt. 1", "Dollars In The Night" e "Gold Rush Pt. 2" que não deixam a desejar e já começam com a Mette gritando "What's Her Name? FAME!" com vocais super altos, as faixas seguintes não perdem o foco e continuam todas no mesmo estilo, Out of Frequency é um álbum para você ouvir do começo ao fim, já que todas as faixas parecem ter relação uma com a outra. O instrumental desse álbum foi o que mais me chamou a atenção, totalmente incrivel, ele te deixa interessado no contéudo. Heart Attack é super alegrinha e te passa uma sensação ótima, "bam, bam, bam you give me a HEART ATTACK", Out of Frequency contém um dos melhores vocais da mette em todo album, "Tell me you're okaaaaay, pleaaase tell me you're okaaaay". Os refrões repetitivos deixam tudo ainda mais infeccioso e você acaba querendo ou não, cantando as músicas na cabeça.

    Embora seja ótimo, não recomendo começar ouvir por ele, talvez pela sonoridade alta e explosiva, acabe o tornando cansativo para alguns ouvintes, seria melhor começar pelo Fruit mesmo.

    Melhores Músicas: Heart Attack, Ghost In My Head , Cloak and Dagger (destaque para os gemidos e gritos no final da música), Out of Frequency
    Piores Músicas: Theme from 45 Eugenia
    Nota: ☆☆☆


    10



    Álbum: Unapologetic
    Artist: Rihanna
    Genêro: , ,


    Aô potência! Rihanna lança mais um álbum nesse ano, exatamente a um ano depois do seu antecessor. A Rihanna estava devendo aos fãs um álbum bom depois do desastre que foi "Talk That Talk" e está ai, o melhor álbum desde de Rated R. Muitos estão reclamando da falta de músicas com cara de hit, mas eles sempre reclamaram das "farofas" então não tem sentido reclamarem. Enfim, o álbum é dividido em duas partes, a primeira, é sexy, hip-hop e urbana, que contém faixas como Phresh Out of the Runaway, Pour It Up e Numb, a última, poderia ser melhor, principalmente da parte da Rihanna, ficou muito vazia. Mas a partir de da faixa 8, "What Now" começa uma parte mais vulnverável e pessoal da Rihanna, What Now (que contém uma das melhores letras do álbum: I don't have anyone to call, because I'm playing games with them all, the more i swear I'm happy, the more that i'm feeling alone) e Stay onde a Rihanna mostra que seu vocal está realmente melhorado. Parecendo com os impécaveis da GGGB Tour, ainda temos a fofissima Nobody's Business, e depois temos direito de uma faixa de 7 Minutos, que na verdade são duas faixas, Love Without Tragedy / Mother Mary, são duas faixas incriveis, que se completam, e que por mim, não deveriam ser separadas como todo mundo está falando. Get It Over With é provavelmente a mais vulnerável da carreira da Rihanna junto com Question Existing e Cold Case Love, realmente incrível. No Love Allowed é realmente o destaque desse álbum, relembrando suas raizes lá do Music of The Sun, Rihanna arrasa num reggae, e as letras não ficam pra trás. Lost In Paradise tem boas letras e pode ser muito bem um hit. O álbum fecha com a faixa do Deluxe, Half Of Me, que é uma baladinha vulnerável. Enfim, no geral é um álbum diferente do que a Rihanna vinha fazendo desde o Loud e eu realmente aprecio, só queria que ela estivesse mais presente no processo de escrita das músicas, queria ver uma músicas "Da Rihanna" mesmo. Vamos ver se ela irá fazer isso para um possível oitavo álbum em 2013 (será?!)

    Melhores Músicas: No Love Allowed, Lost In Paradise, Get It Over With, Jump, Love Without Tragedy / Mother Mary
    Piores Músicas: Loveeeeeee Song e Right Now
    Nota: ☆☆☆✰


    9



    Álbum: The Origin of Love
    Artist: Mika
    Genêro: , ,


    Acho que o que fez com que eu gostasse desse álbum, foi a baixa expectativa que eu estava dele. Depois dele ter mostrado essa capa sem-graçinha e o horrivel lead-single "Celebrate", eu meio que não apostava nada nesse álbum, se eu estivesse esperando algo grandioso dele, talvez eu teria odiado. Enfim, antes do lançamento desse álbum, MIKA revela que é gay, e não bisexual como ele havia dito anteriormente e que todas suas músicas foram feitas para um homem. O que meio que muda sua visão sobre o álbum mas enfim, o álbum é exatamente isso, um álbum cheio de musiquinhas fofas e bonitinhas sobre amor, por isso, as letras não tem tanta inovação e flexibilade, mas o MIKA se sai bem, e eu não culpo ele, deixa o menino se apaixonar né? O importante é que ele está feliz, e as músicas não estão ruins, só não tem a inovação do seus dois primeiros álbuns. Eu só queria saber uma coisa, esse álbum segue a linha de tempo dos dois primeiros álbuns? porque o LICM de acordo com o MIKA seria sua infância e o The Boy, seria sua adolescência, seria o TOOL sua fase adulta?. Anyway, não tem muito do que falar do álbum, um álbum fofo, pessoal e tudo mais que você pode querer. As faixas em francês do deluxe da frança são totalmente incriveis, o MIKA realmente poderia fazer mais músicas em francês.

    Melhores Músicas: Step With Me (fofissima aw), Stardust, Kids, Elle Me Dit e Tah Dah
    Piores Músicas: Celebrate.
    Nota: ☆☆☆


    8



    Álbum: Pines
    Artist: A Fine Frenzy
    Genêro: , ,


    No seu primeiro álbum, "One Cell In the Sea", Alison, mostrava-nos um lado extremamento romântico e vulnerável, com grandes vocais e tudo mais. No Pines, sua voz está mais calma e apagada, mas o que não tira a grande beleza e impacto que ela tem nas suas músicas, acompanhando seu vocal tem os simples mas maravilhosos instrumentais. Logo quando ouvi as duas primeiras faixas, Pinesong e Winds of Wander (que é totalmente mãe-natureza), já sabia que esse álbum estaria entre os melhores do ano. Suas enormes músicas (a média é de 5:30 para cima) são extremamente relaxantes, e te dão um clima de natureza lindissimo. Em várias das músicas Alison, deixa só o instrumental com alguns sussuros seus por vários minutos, dando paz para sua mente. a incrivelmente hipnotizante Dream of the Dark é um dos melhores exemplos disso. Mas nem só de calmaria vive esse álbum, temos a animadinha Sailingsong e a determinada They Can't If You Don't Let Them. Dance of the Gray Whales é praticamente um instrumental ocêanico que mexe com você e te deixa apaixonado, enquanto Sadseasong te deixa calminho calminho, no entano It's Alive e Now Is the Start, as mais "pop" do álbum, dão uns flertes com a música eletrônica. O que preocupou os fãs, já que ambas foram os "lead singles" mas Alison mostrou que está mais experimental AINDA com esse incrivel álbum. Não se assute com o tamanho das músicas, realmente vale a pena ouvir cada segundo desse ótimo álbum.

    Melhores Músicas: Sailingsong, Winds of Wander, Dream in the Dark, Pinesong
    Piores Músicas: It's Alive
    Nota: ☆☆☆✰


    7



    Álbum: Crystal Castles (III)
    Artist: Crystal Castles
    Genêro: , ,


    Aterrorizantemente Hipnótico. Em seu debut, Crystal Castles mostrou um eletrônico agressivo, que abusava do 8-bit e dos efeitos na voz da Alice, no seu 3º álbum, temos músicas bem mais assustadoras, a voz hipnotizante da Alice, que desempenha um papel bem mais importante nesse álbum e as batidas fantasmagóricas do Ethan, dão um álbum aonde, quando você começa, você ouve até o final. Começando com a furiosa Plague, aonde Alice despeja todo seu sentimento de raiva, seguimos para a dançante Kerosene, onde eles abusam do efeito "Alvin & Os Esquilos" haha, temos uma faixa dreamy, Wrath of God, que começa como uma canção de ninar e depois se mostra mais agressiva. e por falar em canção de ninar, a última faixa do álbum, a pertubadoramente deliciosa Child I Will Hurt You, te dá uma sensação muito estranha, a música é quase uma música de sorveteiro depressiva e por mais triste que seja, é totalmente realidade. Destaque para as incriveis Transgender que é tão fantasmagórica que te dá a sensação de estar num quarto escuro dentro de um filme de suspense e Sad Eyes e para as dançantes Affection e Telepath. Insulin me lembra muito o primeiro álbum, rápida, agressiva, indecifrável, uma quebra de estilo nesse álbum. Mesmo que muitos não se importem com as letras, por causa da voz indecifravel da Alice, elas estão mais maduras nesse álbum.

    Melhores Músicas: Child I Will Hurt You, Sad Eyes, Kerosene, Transgender
    Piores Músicas: Insulin
    Nota: ☆☆☆☆


    6



    Álbum: Coexist
    Artist: The xx
    Genêro: , ,


    Minimalista, é o que esse álbum é, com suas batidas e vocais simples, nos conquista em cada segundo dele, os vocais tanto de Oliver quanto os de Romy, estão muito mais sentimentais nesse álbum, eu li algo sobre do processo de escrita das músicas contidas nesse álbum, e me parece que cada membro escreveu sozinho cada música, sem influência, baseado nas suas expêriencias, o que torna ele ainda mais mágico. "Angels" com certeza é extremamente sentimental, mesmo sendo uma música relativamente esperançosa, é acompanhada de vocais depressivos. Muitos costumam dizer que esse álbum é entendiante e que as músicas não se diferem umas das outras, mas essa sensação é que cada uma tem uma ligação uma com a outra é que o deixa mais interessante. O álbum vai "escurecendo" a cada música que passa, passando por Fiction, aonde os vocais estão extremamente depressivos, passando também pela fantasmagórica batida contida em Try, as coisas começam a "clarear" em Sunset, mas já caem na obscuridade em Missing e em Unfold, o álbum termina com Our Song, onde os vocais estão quase totalmente apagados, linda música. Uma sensação que não só o Coexist, mas como xx também me dá, é a sensação de vazio, de como se não existisse mais nada, nenhum futuro, só aquele momento. (e talvez não exista mesmo) Tente ouvir num dia nublado e frio e entrará em depressão -q

    Melhores Músicas: Angels, Missing, Try, Our Song
    Piores Músicas: Swept Away
    Nota: ☆☆☆☆


    5



    Álbum: Visions
    Artist: Grimes
    Genêro: , ,


    Você olha para a capa e imagina algo agressivo e barulhento, mas o que encontra são músicas eteréas com um vocal fininho, Grimes com seu primeiro álbum numa grande gravadora, depois de "Halfaxa" e "Geidi Primes" com um som obviamente mais mainstream mas mesmo assim muito bom. Seu som eletrônico te faz relaxar e ter vontade de dançar ao mesmo tempo, seu vocal hipnotizante e diferente faz com que você não tenha nenhuma vontade de parar de ouvir o álbum, começa com a dançante Infinte ♥ Without Fullfimente e parte para a depressiva Genesis, que carrega também, o titulo de melhor Video do Ano pra mim, uma faixa que te deixa nas nuvens, com os vocais indecifráveis e ecoados de Grimes, temos também a dançante Oblivion e depois partimos para a curtinha mas a mais agressiva do álbum, Eight, que abusa dos efeitos elêtronicos, e aonde a voz da Grimes está mais fina que nunca, Circumabient é a mais dançante do álbum, e a que tem os vocais mais "decifráveis" do álbum, se assim podemos dizer. Vowels = Space and Time, tem uma vibe r&b electronica, com alguns vocais sensuais da Grimes em alguns pontos e que por falar nisso, foi algo que evoluiu bastante dos outros álbuns para esse, o vocal dela, ficou mais destacado e está atuando como personagem principal, não um acessório para as batidas etéreas dos álbuns anteriores. Faixas como Be a Body (侘寂) também mostram bastante dos vocais da Grimes. Visiting Statue é curtinha, mas com certeza é uma das melhores do álbum, ela lembra as faixas antigas de Grimes, aonde sua voz é apenas um pano de fundo e aparecem em alguns pontos, o álbum termina com Know The Way, um Outro extremamente maravilhoso, com uma sensação "natureza", com barulho de um rio e um ritmo relaxante, uma ótima forma de terminar o álbum.

    Melhores Músicas: Eight, Visiting Statue, Genesis, Vowels = Space and Time, Know the Way (Outro)
    Piores Músicas: Christmas Song
    Nota: ☆☆☆☆✰




    4



    Álbum: Estrela Decadente
    Artist: Thiago Pethit
    Genêro: , , ,


    Eu já falei que amo esses artistas indie-folk brasileiros? Pois é, e o Thiago é mais um deles. Descoberto numa madrugada sem sono, um pouco antes do Estrela Decaadente ter sido lançado, baixei o Berlim, Texas e amei, mas foi com o Estrela que me apaixonei mesmo por ele. Como já dito pelo mesmo, o Berlim, Texas seria algo mais pessoal e o Estrela Decadente, um personagem - que contém sentimentos dele também. Parafraseando uma entrevista dele, o Estrela vinha com um Sabor Artificial Thiago Pethit, enquanto o B,T seria um sabor mais natural. Enquanto o primeiro é baseado apenas em alguns acordes de violão simples e algum piano atrás, o Estrela Decadente é bem mais teatral, e bem mais retrô, temos canções fofas como Pas De Deux, e algumas letras muito boas como em "Moon" (Quem não vai dizer, que não era diferente, a 10 minutos atrás?) divertidas como Dandy Darling, e depressivas como Perto Do Fim junto com a linda da Mallu Magalhães e sua voz que de tão triste quase te faz desistir da vida. (Ah, e as minhas partes favoritas das músicas, são que elas misturam perfeitamente inglês e português, como se as duas linguas fossem a mesma) Mas a parte "teatral" do seu trabalho virá depois de "So Long, New Love" com músicas como Estrela Decadente e a curtinha Haunted Love, a parte mais "dark" do álbum é a faixa Devil In Me, aonde os vocais de Thiago estão bem mais obscuros e um ar pesado e tenebroso cobre a música toda - que é cantada toda em inglês, só para no último segundo uma assustadora frase aparecer do nada: "Eu vendi a minha alma só pra descobrir, que o diabo sou eu". E claro, baseado numa peça de teatro, a maravilhosissima e divertida Surabaya Johnny com a Cida Moreira, que pelo o que eu entendi, é sobre um marinheiro - que não contou que era um marinheiro para a pessoa, e que abusa da pessoa que o ama, o que acaba por irrita-lá. Nessa música, a melhor do álbum, Thiago junto com Cida cantam com vozes divertidas frases como "Tira esse cachimbo da boca, seu porco!" "Te odeio tanto Johhny" "Odeio quando você me olha assim" "Eu te dei de tudo, você queria até mais!" Enfim, Thiago Pethit um grande poeta e artista brasileiro nos presenteou com esse curto mas ótimo álbum, com certeza um dos meus nacionais favoritos!

    Melhores Músicas: Surabaya Johnny, Moon, Perto do Fim
    Pior/es Músicas: So Long, New Love (na verdade, nenhuma)
    Nota: ☆☆☆☆☆


    3


    Álbum: Electra Heart
    Artist: Marina & the Diamonds
    Genêro: , , ,


    Marina & The Diamonds é provavelmente uma das melhores artistas a surgir nos últimos 5 anos. Depois do seu fênomenal debut "The Family Jewels" ela veio com um álbum mais puxado pro sytnhpop e pro elêtronico do que ele, não acho ele melhor que o TFJ, algumas músicas como o lead single Primadonna tem batidas bem genéricas e recicladas, no entanto, a segunda parte do álbum, que contém Valley of the Dolls, Teen Idle, Fear and Loathing etc, são puras obras-primas das música eletrônica. Mas o que mais destacou esse álbum para mim, foi o seu conceito. Com certeza foi um dos álbuns que eu mais analisei em toda a minha vida, vou explicar para vocês o que EU entendi:
    O álbum todo é dividido em 4 Arquetipos (Personalidades), e o álbum tem 4 personagens baseados nessas personalidades elas são "The Primadonna", uma personalidade autoritária, que quer sempre ganhar e quer tudo aos seus pés, Su-Barbie-A, a dona de casa suburbana, sem sonhos, que só tem como destino cuidar do marido e filhos (Desperate Housewives feelings) "The Idle Teen" o adolescente depressivo, revoltado com a vida, entediado. (Alguém sentiu indiretas pro tumblr?) e o Homewrecker, a personalidade vingativa e fria que já foi machucada muitas vezes e agora está amarga.
    Não sei se perceberam até agora, mas todas essas "personalidades" são na verdade lados da Marina e de qualquer pessoa por ai, todos temos esses "lados", mesmo se reprimimos eles, são nossos lados "obscuros", que todo mundo tenta esconder, que todo mundo tem vergonha, mas que uma hora ou outra, você vai mostrá-lo, mesmo sem querer. E é sobre isso que Electra Heart fala, os lados obscuros de cada pessoa, divididos nas 12 músicas do álbum, (só para constar, todos esses personagens, formam uma personagem só: Electra, a personagem - que não é um alter-ego, que fique claro - que a Marina criou para esse álbum)
    O álbum começa com Bubblegum Bitch e Primadonna, músicas aonde ela canta sobre dinheiro e como ela é a "melhor" esses são partes da "The Primadonna", e claro sobre o desejo queimante da Marina de ser famosa, o que vem sendo retratado desde do The Family Jewels (Ouçam Are You Satisfied?, Numb e Hollywood) depois de tentar de todos os jeitos "vencer", a nossa querida personagem quebra a cara - Lies, que pertence a Su-Barbie-A - é trocada, é deixada por seu namorado (o que também pode ser relacionado a um fato real da Marina, o término do namoro com Theo Hutchcraft - integrante do duo synthpop Hurts) a partir dai ela se torna amarga, vingativa, é ai que entra "The Homewrecker", e é aonde que faixas como Homewrecker (dã) e Starring Role se encaixam, faixas que falam sobre vingança, termino de relacionamento e raiva, nesses seus acessos de raiva, Electra cai na dura verdade, que ela viveu sua vida toda dentro de um sonho, "My Life is a Play, is a Play" ela diz em "The State of Dreaming" uma música depressiva, e que mostra que por mais que ela procure a fama, ela só estará em seus sonhos (All i want to be is wonderful but people in this town can be so cruel) ou se ela fizer um sacrificio muito grande (Maybe if I sold my sorry soul, i'd have it all), nesse ponto do álbum estamos caminhando para o lado "depressivo de uma pessoa. Mas antes temos mais uma faixa da personalidade "The Homewrecker", Power & Control, aonde Electra finalmente conclui sua "vingança" e resolve deixar o caso de lado completamente. A partir de agora tudo está levado para o lado depressivo e mais filosófico da vida, além de ter fama e dinheiro, aqui Electra faz um balanço da sua vida e descobre que sua vida foi gasta de uma forma triste, (Aqui começa também a "Idle Teen") em Living Dead isso fica explicito "Did i really deserve it?" "I hardly loved, I hardly lived" "I waited for my life start, but everyday, it never comes" "I'm living dead, dead, dead, but only alive, alive alive, while I pretend pretend tend tend that i have died died died" "I could have kissed" entre muitas outras frases, mas a depressão total vem na próxima (que é uma das minhas favoritas) Teen Idle, nessa música ela analisa que sua vida está sendo entediante e que mesmo ela sabendo que pode mudar, ela está muito psicologicamente debilitada para isso, e com isso sua juventude foi gasta totalmente, na sua vida toda ela foi "segura", não fez nada, e hoje ela se arrepende, mas em contra-partida, essa música pode ser uma paródia que Marina fez a esses tipos de adolescentes, que são "revolucionários" que querem ser tudo (I wish i've been a prom queen) mas não querem sair da zona de conforto (i want blood, guts and >chocolate cake<) e que se sentem o máximo sendo depressivos e "góticos" (Not a 16 burning up a bible, feeling super, super super suicidal) talvez ela esteja revisitando a adolescência dela mesma, e vendo com ela era tristemente médiocre, já que numa das melhores letras que já li ela diz "Adolescence didn't make sense, a little loss of innocence, the ugly years of being a fool, ain't youth meant to be beautiful?" uma analíse totalmente certa sobre a adolescência de hoje em dia, pessoas depressivas, sozinhas, que esperavam que a adolescência fosse seus "anos de ouro" mas só se tornaram uma coisa deprimente. (definindo metade dos adolescentes na internet?) Valley of the Dolls é de "Su-Barbie-A" onde mais uma vez fala sobre sonhos destruídos, e sensação de vazio, da suburbana com sonhos, mas sem capacidade ou vontade de realizá-los por estar psicologicamente debilitada, e fala também sobre aparências, e esconder o que você realmente é (pick a personality, for free, when you're feeling like nobody) então a "história" termina com Fear and Loathing, aonde se junta todas as personalidades, e Marina fala sobre todas elas, e sobre perda de personalidade, depressão, tudo que foi tratado no álbum, em uma incrivel música de 6 minutos, que termina com uma assustadora voz cantarolante (mas não se espante, é só a vó da Marina cantando uma canção tradicional da Grécia).
    Antes que alguém fale, sim, eu não botei Hypocrates porque não achei lugar pra ela, mas mesmo assim amo essa linda música. E claro temos as faixas da Deluxe, Sex Yeah, que é uma analise sobre a sociedade atual. Lonely Hearts Club que muito bem poderia fazer par com Teen Idle, e Buy The Stars, que lembra muito TFJ e claro o primeiro single da Era, Radioactive, que deu começo a historia de Electra.
    Mas é isso, o álbum é um álbum de conceito, que conta uma historia e ao mesmo tempo mostra as opiniões da Marina sobre os assuntos tratados. No entanto, nenhuma das personalidades e sentimentos do álbum são a Marina como um todo, são apenas sentimentos que ficam guardados nela (e em todos) extremamente amplificados, para como se fosse uma pessoa que é definida apenas por aquele sentimento. Então, nenhuma dessas músicas seria a "Marina" de verdade.
    Mas o álbum, mesmo puxando pro mais mainstream, ainda tem a essência da Marina, mas que pelo meu bem, que ela volte pro estilo anterior ou mude para outro, porque a sonoridade de algumas músicas, pecaram. Mas mesmo assim

    Melhores Músicas: Teen Idle, Valley of the Dolls, Fear and Loathing, Starring Role, Lonely Hearts Club
    Pior/es Músicas: Bubblegum Bitch, How to be a Heartbreaker
    Nota: ☆☆☆☆✰



    2


    Álbum: Halcyon
    Artist: Ellie Goulding
    Genêro: , , ,


    Depois do fofinho e folk “Lights / Bright Lights”, Ellie adota uma sonoridade mais dark e eletrônica e acerta em cheio! Se alguém se surpreendeu com ela mais “dark” e “eletrônica nessa era, foi porque não vem prestando atenção nos passos dela, até nas faixas adicionais do “Bright Lights” ela já vem nos mostrando isso, faixas como Animal e Human, e depois as obscuras capas dos singles, tudo mostrava que Ellie adotara uma nova direção e diferente do que eu acho das maioria dos artistas que mudam seus estilos, a Ellie foi completamente para melhor. O álbum começa com uma faixa dream-pop com sussuros e gemidos, “Don’t Say a Word” é a perfeição em forma de música, mergulhado num estilo “Beach House” e “Lana Del Rey”, Ellie começa seu álbum de uma maneira triunfante, a faixa seguinte “My Blood” não cai na qualidade nem um pouco também, My Blood mostra que os vocais da Ellie estão bem mais avançados e maduros em Halcyon, Anything Could Happen, uma faixa alegrinha do álbum, e o lead-single, mostra os vocais da Ellie bem mais agudos que de costume, uma ótima faixa eletrônica, as seguintes, “Only You” e “Halcyon” são também ótimas, Halcyon seria a com a letra mais positiva do álbum, “It Will Get Better, It hás to Get Better” Ellie diz repetidamente na música (que caso alguém ainda não tenha percebido, é um recurso usado em quase todas as músicas por ela, a repetição de frases / palavras) chegamos a uma faixa obviamente influenciada por seu ex-namorado () Skrillex, a faixa cheia de breaks de Dubstep, a mais eletrônica do álbum, mesmo sendo uma música aparentemente com letra feliz, deixa uma sensação de prisão muito grande, e isso é mostrado pelo maravilhoso vídeo, aonde Ellie se mostra inquieta e mais tarde, vendada e enrolada em panos vermelhos. “JOY” começa de uma maneira calminha e alegre, mas depois mostra um vocal triste de Ellie, mas depois parte para um refrão explosivo, o que também é uma coisa muito usada pela Ellie nesse álbum, versos e bridges tristes e calmas, enquanto o refrão é alto, alegre e explosivo, e depois de algum tempo, a música toda fica “alegre”, uma parte alta de JOY, é o finalzinho, onde ellie fica “uuuh—ééé-aaah” de um jeito fofo haha. Depois partimos pro cover “Hanging On” que felizmente na versão do álbum não contém o Tinie Tempah que quebrava todo o clima da música, Ellie faz do cover, quase uma música dela, com toda a emoção que coloca nos vocais acompanhado do maravilhoso instrumental. Em Explosions, que começa com um coral, assustadoramente maravilhosa, Ellie começa a cantar com um vocal mais limpo, só para no refrão “Explodir” haha, com letras lindas, a música é uma das melhores do álbum “Explosions, on the day you wake up needing somebody and you learn, it’s okay to be afraid, but it Will never be the same”, depois do refrão, lá por 2:27, a música entra em uma parte de tirar o fôlego, “I hope you will find peace, and I’ll find you another time, I’ll Love you another time”
    “I Know You Care” é a mais fofinha do álbum, e a menos eletrônica, com piano e uns vocais meio r&b, é uma música de amor perfeita, também acompanhada de um coral atrás, “Please don’t close your eyes, don’t know where to look without them” “I know you care, you always’ve been there, i see in the way you stare at me” são só uma amostra de letras ótimas que essa música contém. Com um vocal bem mais calmo da Ellie, dessa vez por toda a música.
    Atlantis com um vocal agudíssimo da Ellie, volta ao estilo das primeiras, Halcyon, Only You e Anything Could Happen, com refrões repetitivos e “hmmm, eeeh” da Ellie durante a música, mas dessa vez bem mais indecifrável haha. Ah, e só quero dar destaque a uma coisa, depois de “Atlantis” vem “Dead in the Water”, sacaram? Fico pensando se foi de propósito. Enfim, Dead in the Water, vem logo depois da explosiva e alegrinha, mas ela é bem mais depressiva, com uma intro dream pop e depois nada além do vocal da Ellie , citando as lindas letras “IF i was not myself, and you were someone else, I’d say só much to you, and i’d tell the truth”, a música toda é embalada em um ritmo downtempo, bem lentinha, “I’m dead in the water, still looking for you, can’t you see?” a última faixa é a farofinha do álbum, a parceria com Calvin Harris, que também está no álbum dele. Com batidas dance-house que grudam na cabeça, juntamente com a voz da Ellie – que também é viciante, deixam uma música que infecta rapidinho no seu cérebro, acabada a versão standart, temos as deluxe, e claro, o melhor foi deixado pra lá, temos a ótima, linda, maravilhosa, destruidora de carreiras, Ritual. Com um estilo Florence + the Machine eletrônico, uma coisa bem “ritual satânico” mesmo, Ellie canta “Around of a blaze off ire, we hold our heads so hight tonight, and we breath the smoke” “And i know my fears, i understood” “I know i’ve sinned” “It’s a ritual, i know you see it, it’s a ritual I know you feel it” e depois fica repetindo “but I’m ready now” e “on the ritual we lose it all”. A melhor do álbum sem sombra de dúvidas. In My City, é como se fosse um hino de libertação, “but you gave my wings, and i use them, i use them on my youth, i don’t wanna lose them” “and i’m taking off tonight, cause i’m free”. A intro de Without Your Love, me lembra Diamonds da Rihanna, mas enfim, com um instrumental tribal, a única coisa que diminui essa música é o refrão. Depois temos um remix de ACH, Lights (acho que ela vai colocar essa faixa em cada álbum dela, porque nossasinhora) e a versão completa de Hanging On, junto com o Tinie Tempah.
    Pera, acha que acabou? Nada disso! Temos ainda a edição especial do United Kingdom, e algumas faixas bônus de lojas como a Target, a maravilhosa e dream pop “The Ending” devia estar pelo menos na deluxe, com um som mais experimental da Ellie, ainda temos Stay Awake e High for This (outro cover do The Weeknd) e pelo menos eu coloquei Bittersweet na minha versão deluxe, que por um acaso, é uma ótima música, com lindas letras, uma pena que ficou só nos créditos do “Amanhecer, PT. 2” porque queria ter ouvido ela no filme, chora/ Mas é isso, Halcyon é uma evolução da Ellie, tanto na sonoridade, como nos vocais.

    Melhores Músicas: Don’t Say a Word, Explosions, Ritual, Dead in the Water
    Pior/es Músicas: Without Your Love
    Nota: ☆☆☆☆☆


    1



    Álbum: Born to Die / Paradise
    Artist: Lana Del Rey
    Genêro: , , ,


    Acho que não foi nenhuma surpresa eu ter colocado em primeiro lugar, Born to Die, mas mereceu, um dos melhores álbuns de todos e com certeza o melhor do ano. Conheci a Lana no começo de Janeiro, não me apaixonei por Video Games ou Born to Die pela primeira ouvida, demorou até uma 3º para eu realmente gostar. Quando lançou o álbum, não me apaixonei por todas de uma vez, embora tenha gostado do álbum. Mas ele foi crescendo em mim pelo ano todo, e está ai o melhor do ano. Gosto da Lana e do BTD pelo motivo de que são nada mais nada menos que músicas de amor, mas num estilo depressivo-suicida-obcecado-doentio-desesperado, que acompanhado pelos vocais "mortos" da Lana, se tornam um álbum esplêndido.
    O álbum começa com a faixa "Born to Die" uma analise sobre o nascimento de uma pessoa, e da morte da mesma, e aquele pedaço chato entre os dois. Tudo que está presente aqui tem que morrer, o nosso destino na vida não é conseguir um bom emprego, ser famoso, dinheiro, isso são detalhes, o destino é, um e só um: morrer. Depressivo não é? é sim, mas é a verdade nua e crua. A vida é apenas uma coisa sem explicação que não tem porque de se investir nela, mas que sempre investimos, afinal ninguém espera a morte chegar, parado lá, sempre temos que achar uma razão pela qual viver, mesmo que o nosso destino final é sempre o mesmo. Acompanhada de um video que especifica a música para um caso de amor, mas com o mesmo sentido, não importa o quanto você ame a pessoa, ou quanto se esforce, uma hora ela ou você terão que morrer e é isso.
    Em "Off to the Races" temos o começo da "historia" do álbum, Born to Die, foi uma opening, em Off to the Races, ela apresenta para a gente, o "amor de sua vida" mas seu amor por ele, vai mais do que qualquer amor normal, é um amor obsessivo, sufocante e dependente. Temos aqui a noção que o cara que ela ama, não é uma pessoa fácil de se lidar e que está envolvido em coisas não muito "Legais" (My old man is a bad man), mas ela o ama com cada fibra do seu corpo, e cada uma dessas fibras necessita dele para continuar vivendo e isso se dá por ele lidar com ela de um jeito especial(but I can't deny the way he holds my hand And he grabs me, he has me by my heart). Ela talvez tente ser dominadora "be a good baby do what I want" mas ela simplesmente não consegue pelo fato de estar totalmente dominada por ele e pelo seu doentio amor e pelo fato dela simplesemente achar que não precisa disso (I'm your little harlot, scarlet, kiss me on my open mouth, ready for you) Mesmo o "homem" dela sendo um cara ruim, ele tem um bom coração, talvez aqui dizendo que ele provavelmente sofre de bipolaridade, e que ela tem problemas com isso, mas não consegue sair do relacionamento porque ele trata ela como ninguém. O Sinal de depêndencia definitivo do amante, são nos versos "I'm not afraid to say that I'd die without him Who else is gonna put up with me this way? I need you, I breathe you, I never leave you" Aqui ela mostra, que necessita dele, que respira ele e que nunca deixaria ele, os versos que antecedem dizem que ela ficará com ele até o "Senhor" (deus) tirar ele dela, (se ele tirar).
    "Blue Jeans" é mais uma sobre veneração e obsessão ao ser amado, e mais uma afirmação que ele não é bom para ela (That love is mean, and that love hurts) mas ainda assim ela o ama e nunca esquece o "dia que se conheceram em dezembro" aqui ela mostra os sinais não só de depêndencia como de obsessão com e para o ser amado, "i will love you till the end of time" não importa QUANTO e O QUE passar na vida dela, ela continuará o amando, "Promise you remember that you're mine" é uma das frases mais cheias de significado da música, mesmo que não pareça, preste atenção, ela não fala "serei sempre sua" "nós sempre nos amaremos" ou algo assim ela pede para ele PROMETER, que LEMBRARÀ que sempre será DELA, ou seja, além de quase obrigar ele a ser dela, ainda faz uma chantagem emocional enorme, misturando as fortes palavras como "prometer" e "meu" e a inocência de "lembrará" falando que ela ficaria muito triste se ele não lembrasse, talvez causando uma confusão no ser amado e fazendo ele aceitar tal proposta. A obsessão é mais mostrada ainda, na frase "love you more than those bitches before" ela ataca qualquer pretendente que possa ter amado ele e que poderá ama-lo, de novo, mais sinais de obsessão doentia, ele falou que precisava recomeçar a vida, e precisaria deixar ela sozinha por uns tempos para isso, para o bem dos dois, mas ela insiste que ele fique, falando que eles não precisam de dinheiro, eles podem dar certo SEM isso, implicando em mais uma chantagem emocional. Aqui ela tenta pacificar as coisas "você saia toda noite, querido, tá tudo bem, eu já disse, tudo que fazer, estarei ao seu lado" "não importa se você falhar ou voar" aqui está obvio que o namorado dela fez algo errado, e foi preso "they took you away" "i just want it like before" nesse últimos versos não são mais chantagens emocionais mas sim, vulnerabilidade, a música muda completamente, se no primeiro ela estava tentando trancar o namorado no relacionamento, aqui ela está numa parte mais vulnerável, já que o seu namorado foi preso e que ela está sozinha agora mas que mesmo assim ela precisa que ele lembre que ela amará ele até o fim do mundo.
    "Video Games" me parece como uma música de nostalgia dela, ela está lembrando os antigos tempos de namoro com ele, é uma simples música de fácil entendimento, mas de muita carga emocional, ela lembra do tempo em que ele jogava o videogames, eles tomavam cerveja juntos no quintal de casa, e mais uma vez ela mostra a veneração que tem por ele "is you, it's you, it's all for you, everything I do" a música toda é uma obsessão pelo ser amado, com frases auto-explicativas sobre isso. Ela támbem mostra que não precisa de uma vida luxuosa se sua vida for com ele.
    "Diet Mountain Dew" ela está consciente que ele de jeito nenhum, é bom para ela, mas ela o quer e mais uma vez ela fala uma uma frase de alta carga emocional "Você acha que nos amaremos para sempre?" não é quase nem uma pergunta, é quase uma afirmação, como se fosse uma obrigação dele. Ela aqui parece mais confiante e não liga para o passado, e aqui também mostra que o namorado dela é voluvel, implicando em bipolaridade também, deixando ela numa "Montanha Russa" mas que "talvez ela goste" disso e que "talvez deixe ela acordada" e que talvez tudo isso só aproximem os dois, a música toda é cantada em um tom de dúvida e questionamentos, deixando a ainda mais confusa.
    Em "National Anthem" há um reviravolta, ela talvez tenha largado o seu amado da primeira parte do álbum, e então ficado com um mais rico? Talvez. Ou você pode interpretar essa música como uma critica social, mas vamos lá. Ela agora está com um cara rico, e ela, que compra carros, roupas e leva ela a festas, ele diz pra ela: "to be cool" mas ela não está acostumada com essa vida ainda, então ela diz "but i don't know how yet", os proximos versos é ela tentando ser uma "burguesa" dar um ar de "rica" (wind in my hair, hand on the back of my neck). Com o passar do tempo, ela muda, ela não é mais a garota inocente do começo da música, ela é agora uma socialite, ela foi totalmente levada por esse mundo de festas, dinheiro, fama, drogas etc, ela diz "olha o que você fez pra mim" culpando o seu amado, ele diz "to be cool" de novo, mas agora ela diz que é "already coolest" e que agora ela quer muito mais que festas, ela quer diamates, ela está totalmente afogada pelo mundo futil, essa música pode ser considerada uma "Historia de amor do século 21" as pessoas estão tão obcecadas com fama e celebridades, que esquecem da vida e vivem só de aparências, no final elas não sabem distinguir a vida real da vida "da fama" e acabam descobrindo que suas vidas estão arruinadas. Então, no final de tudo, Dinheiro, é, realmente o hino para o sucesso.
    "Dark Paradise" talvez não tenha nada a ver, com a sua anterior, talvez National Anthem, tenha sido uma saida da história para contar outra, ou talvez não, o que importa é que Dark Paradise contém uma das melhores letras do álbum. É obviamente, uma música sobre uma pessoa amada, que morreu, mas não se suicidou, os dois estavam extremamente felizes juntos, a tragédia aconteceu, e agora ela está devastada. E como contida em qualquer outra música do BTD, Lana está obcecada pela pessoa, mesmo depois dela morta, ela não vai deixar ele, mesmo que se ele não estiver aqui (Loving you forever, can't be wrong, even though you're not here, won't move on) os amigos dela dizem pra ela deixar isso pra lá (all my friends tell me i should move on) mas não, ela vai ficar ali esperando ela, ela não consegue esquecer ele, porque seu rosto "is like a melody" e "won't leave my head" a alma dele, está dizendo pra ela que tudo está bem, mas ela "queria que estivesse morta" para talvez estar junto com ele, ou não, ela tem medo que ele não esteja esperando ela do outro lado. Ela encontrou o amor verdadeiro, e não vai deixá-lo assim tão fácil. E ela entendeu que não tem mais jeito, ela vê ele nos sonhos, e só lá que o vê, ela o sente tocando-a, e depois ela diz que "não quer acordar disso hoje" ou seja ela quer "continuar dormindo" ou seja, morrer, para então ficar com ele. Essa foi minha primeira interpretação mas também pode ser interpretada, como um namoro a distância - onde todas as pessoas tentam impedir ela de ficar com ele, falando que não vai dar certo, mas ela diz que "quando você encontra o amor verdadeiro" você vai entender, mesmo se talvez ele nunca tiver a chance de encontrar com ela, ela vai continuar ali esperando. São duas interpretações nas quais eu pensei. As duas são viaveis.
    "Radio" fala sobre a carreira de Lana, e como ela conseguiu chegar ao estrelato, quando ela gravou seu primeiro álbum, o "Lana Del Ray a.k.a. Lizzy Grant" em 2008, mas ele só foi lançado em 2010, em download digital pelo motivo, que a sua gravadora a 5 Points, não a permitia lançar nada em outra gravadora por 3 anos, ela conseguiu um advogado para conseguir o direito sobre as músicas de volta. A 5 points lançou o álbum, mas o mesmo ficou a venda apenas por 2 meses e depois foi retirado pelo advogado. Enfim, a Lana passou dificuldades na sua carreira e provavelmente foi desencorajada ou rejeitada por gravadoras. Nessa música ela fala sobre sua chegada ao estrelato. "not even they can stop me now", agora nem as pessoas que tentaram desencorajá-la podem parar ela agora, "i've been raised from the dead", ela provavelmente já estava acabada e agora foi "ressucitada dos mortos" para uma artista de grande sucesso. "I don't even knew how hard life was, I don't even think about it now because i've finally found you" o "you" se refere a fama, ela nem liga para como a vida era dificil, porque agora ela é famosa. "Now my life is sweet like cinnamon" Cinnamon é canela, e canela obviamente não é doce, então fazendo dessa frase, uma frase acre-doce, isso quer dizer que ela está feliz sendo famosa, mas ela é famosa numa indústria superficial. Outra interpretação seria que a canela tem cheiro doce e bom, mas se você a provar, ela não é tão doce assim, obviamente uma refêrencia ao mundo da fama, que só vive de aparências. "american dreams came true somehow i swore i'd chase until i was dead i heard the streets were paved with gold that's what my father said" aqui ela diz, que os sonhos americanos, podem se tornar realidade, e que ela iria perseguir o sonho dela (ser famosa) até morrer, o pai dela disse pra ela que as estradas eram pavimentadas com ouro, ou seja que a vida de pessoa famosa era MUITO boa. "i don't even notice what life was like now i'm in la and it's paradise" a vida de celebridade é tão "paradisiaca" que ela nem lembra como sua vida era antigamente. "Love me cause i'm playing on the radio" é um foda-se para todas as pessoas que rejeitaram ela antigamente, e é isso. Obviamente, essa música pode ser interpretada como uma música de amor trágica também, mas cada um tem sua interpretação.
    "Carmen" é sobre uma mulher com problemas com álcool, que pensa que não tem problema nenhum "Doesn't have a problem. Lying to herself, cuz her liquor's top shelf", mas na verdade a "Carmen" é a própria Lana, ela teve problemas com álcool quando era adolescente (e até foi parar numa clinica de reabilitação) e ela pensava que não tinha problema nenhum, "She is still shining like lightning" ela sabe que tinha um passado não tão bom assim, que envolvia drogas, vicio etc, mas mesmo assim, mesmo ela tendo estragado as coisas, ela ainda tem potencial para brilhar e ainda é uma boa pessoa. Essa música é sobre os anos da adolescência dela. Ela sabia que precisava de ajuda para sair do vicio e assim que conseguiu, ela brilhou feito um raio.
    "Million Dollar Man" provalvemente a com o vocal mais morbido do álbum todo, é sobre um homem, que era diferente de todos os outros que ela já namorou, ele tratava ela muito bem (you said i was the most exotic flower), mas era bem assustador, ele tem muitos defeitos e as vezes ele pode até machucar ela (emocionalmente) mas ela não sabe como tirar ele da cabeça, porque ela está apaixonada por cada defeito dele e cada um deles, o faz perfeito, as vezes as pessoas gostam de ficar com pessoas "defeituosas" para tentar aperfeiçoar os defeitos, como se ele precisasse dela igual a ela que precisa dele, como se os dois se completassem. E ele é tão bom para ela (mesmo depois de tudo) que ela simplesmente acha que não vai encontrar alguém "tainted and flawed" que nem ele. (porque namorar alguém perfeito, deve ser chato pra caramba)
    "Summertime Sadness" é sobre um casal que se conheceu no verão, se apaixonaram, mas por alguma razão, eles não podem mais se ver (talvez, por distância, já que eles se conheceram no verão) e ela se sente como não poderia viver mais sem ele. é isso, me desculpem pela interpretação pobre dessa, mas é que eu senti só isso xoxo gossip girl
    "This What Makes Us Girls" é sobre amizade e sobre (de novo) seus anos de adolescente, e eles (seus amigos) estavam a procura de diversão, mas na maioria das vezes, acabava em problema (stealing police cars with the senior guys) (remember when we party up all night) (sneaking out and looking for a taste of real life)
    A parte "there she was my new best friend" até "lana how i hate those guys" fala sobre a amiga dela que teve um coração partido por um cara, o que a deixou decepcionada.
    "This is what makes us girls, we don't look for heaven and put love first" quando se é jovem e se apaixona, você coloca a pessoa que ama acima de tudo e de todos.
    "And that's where the beginning of the end begun" até "with the boss" é aonde as coisas começam a ficar mais sérias, Lana começa a faltar aulas, beber no trabalho etc e depois dessas atitudes malucas sua vida mudaria para sempre (de novo, uma refêrencia ao problema de alcoolismo)
    A música TODA, é sobre Lana sair com os amigos, aprontar várias, ser perseguida por policia as vezes, mas nada importava, porque eles estavam se divertindo.
    "They were the only friends I ever had / We got into trouble and when stuff got bad / I got sent away, I was waving on the train platform / Crying 'cause I know I'm never comin' back." aqui, ela fala que realmente amava seus amigos, e que - de novo - a parte mais divertida e talvez única parte era festejar, mas isso acabou em severas consequências para a Lana e então seus pais a mandaram embora (reabilitação) e ela chorava porque nunca mais vai voltar, porque se voltar, ela irá voltar ao seu estado anterior, o que só traria mais dor para ela.
    Without You, é sobre dois jovens, Lana se apaixona por ele, tanto, que ela acha que achou "Deus", a meta deles é serem felizes, e viver o "sonho americano" mas depois que eles crescem nada parece com o que eles tinham planejado.
    Lolita eu realmente não soube como interpretar, vou pular ela, xau.
    Lucky Ones, é sobre um casal que encontrou o "amor puro e verdadeiro", todo mundo fica invejand eles, porque eles encontraram um ao outro, por isso eles são "Os Sortudos". Ele completa ela e ela completa ele e os dois se gostam como cada um é, ou seja eles pode ser "malucos" quando estão perto um do outro, ao contrário de muitas hístorias de amor, o amor deles não é proibido, os dois são almas-gemêas e foram feitos um para o outro. Na minha opinião a mais linda do álbum.
    Nossa, mas isso tá ficando grande pra caralho, e ainda tem mais 9 faixas do Paradise e eu to com preguiça dmssss de interpretar cada uma delas. então vou só interpretar a minha favorita: Yayo.
    Yayo me conquistou pelo motivo dela ter duas versões, a do A.K.A. Lizzy Grant, aonde ela soa sexy e devota ao "daddy" dela, mas na versão Paradise, ela soa como se estivesse depressiva, como se ela estivesse chorando, morrendo, e aqui ela revisita seu antigo relacionamento e como ela era feliz, mas isso, por qualquer motivo que seja, acabou e agora ela entrou em depressão. E com certeza os melhores vocais de todos da Lana, essa música é de tirar o folêgo <3
    Gosto de quase todas do Paradise, sendo Yayo, Bel Air e Body Electric minhas favoritas. Não sou fã da tão amada "Cola" pelo motivo de não ter nada de mais, é só sobre um amor proibido aonde ela foge com um homem casado, eles fazem sexo etc etc Ah, isso me lembra que as faixas do Paradise estão mais sexy e mostra mais a atração da Lana por caras mais velhos (Let Me Put On a Show For You Daddy - Yayo / O video de Ride / I Have a Taste for man who are Older - Cola entre outros) além de estarem com o conteudo sexual mais explicito "On the land of gods & monstes, I was an angel hoped to get fucked hard" "My Pussy tastes like Pepsi Cola" entre outras.
    ENFIM, Lana simplesmente me conquistou esse ano e pelo resto da vida e tomare que ela continue nessa vibe, porque não suportaria ver ela lançar um álbum só de músicas como Go Go Dancer ou Hit and Run, que mesmo que sejam boas, não fazem nem um pouco o estilo da Lana e seria muito dificil eu ver ela assim :( enfim é isso, espero que tenham lido tuuuuuuudo tá? vou cobrar, risos. -n
    Melhores Músicas: Lucky Ones, Million Dollar Man, Yayo, Vídeo Games, Body Electric, Dark Paradise
    Pior/es Músicas: Cola, Lolita.
    Nota: ☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆



    Menções Honrosas: Aqueles álbuns que eu também amei, MAS não foi possível coloca-los no Top 20 Oficial, mas como eles são ótimos, não poderia esquecer!


    1. Anxiety – Ladyhawke (Recomendo: Gone Gone Gone e Cellophane)
    2. The Haunted Man – Bat For Lashes (Recomendo: Laura, All Your Gold e Horses of The Sun
    3. Candy Bar Creep Show EP – MS MR (Recomendo: Bones e Hurricane)
    4. Here we Are – Citizens! (Recomendo: Love You More e Reptile)
    5. Hit Me Like a Man EP – The Pretty Reckless (Recomendo: Cold Blooded e Under the Water)
    6. Bloom – Beach House (Recomendo: Myth e New Year)
    7. Instinct – Niki & The Dove (Recomendo: Somebody e The Fox)
    8. Human Again – Ingrid Michaelson (Recomendo: Ribbons e Blood Brotherss)
    9. Tudo Tanto – Tulipa Ruiz (Recomendo: É e Víbora)
    10. Claridão – Silva (Recomendo: Moletom e Cansei)
    11. We Are The Others – Delain (Recomendo: Babylon e We are the Others
    12. The End of the World Suíte – Vespertine (Recomendo: Supply & Demand e City/Light/Nitendo/Fuck)
    13. The Royal Concept EP – The Royal Concept (Recomendo:D-D-Dance e Gimme Twice)
    14. The Magic Gift Box – Iiris (Recomendo: Curaga e Just Like a Ogre)
    15. Come of Age – The Vaccines (Recomendo: Teenage Icon e Come of Age)
    16. Red – Taylor Swift (Recomendo: Sad Beautiful Tragic e All Too Well)
    17. ¡Adiós, Esteban! – Esteban (Recomendo: Tudo Pra Você e Pianinho)
    18. Lukas Graham – Lukas Graham (Recomendo: Ordinary Things e Red Wine)
    19. Ten$ion – Die Antwoord (Recomendo: Fatty Boom Boom e I Fink U Freeky)
    20. Put Your Back N 2 It – Perfume Genius (Recomendo: Sister Song e AWOL Marine)


    Os Piores Álbuns de 2012:
    Prepare-se para se horrorizar, ter medo e vomitar com essa seção, você verá agora a lista DOS PIORES ÁLBUNS DE 2012 *músiquinha de suspense*
    (O Ministério da Saúde adverte: Não recomendado para pessoas com epilepsia, estômago fraco, Alzheimer e com Gosto Musical Bom)

    6



    Álbum: Overexposed
    Artist: Maroon 5
    Genêro: , , ,


    Desastroso. Um pop/rock não digestível, açucarado, e super radio friendly. Ainda com uns rappers desnecessários (por exemplo, Whiz Kalifa, um dos piores rappers que existem) Maroon 5 nunca foi uma banda de rock pesado, mas dessa vez eles desceram ladeira abaixo, Songs About Jane tinha varias músicas boas, enquanto esse são só misturas desastrosas. E na maioria das vezes parece que o Adam está em carreira solo com uma banda de apoio, como se fosse Adam Levine & The Maroon 5.

    Melhores Músicas: Eu não fui com a cara de nenhuma q
    Pior/es Músicas: Payphone
    Opinião da Britney:


    5



    Álbum: Hello My Name Is…
    Artist: Bridgit Mendler
    Genêro: , , ,

    (Começando com esse nome brega que devia ter me impedido de ouvir isso)
    Essas garotas da Disney não tem nenhuma criatividade? Porque parece que elas sempre reciclam o mesmo som de uma das outras, nenhuma inovação nesse álbum comparado a outras estrelinhas da Disney como Demi Lovato, Selena Gomez, Miley Cyrus, Ashley Tisdale etc, as letras bobinhas do álbum não ajudam em nada. Teen Pop é realmente um gênero que não me agrada nem um pouco.
    A garota ainda tenta colocar um rap ali no meio que meu senhor.
    Um farofão sem tamanhos, que deve cair no esquecimento daqui a algum tempo (bom, isso se ela não falar que cortou os pulsos aos 11 e passou muita coisa difícil na vida dela e agora está tendo a coragem de contar isso pro mundo, ai ela pede pra escreverem uma música pra ela sobre superação, ai as menininhas do tumblr vão adorar ela pra sempre)
    Melhores Músicas: De novo, não fui com a cara de nenhuma
    Pior/es Músicas: Ready Or Not, Forgot to Laugh, Blonde
    Opinião da Britney:


    4



    Álbum: Kiss
    Artist: Carly Rae Jepsen
    Genêro: , ,

    O MINISTERIO DA SAÚDE ADVERTE: Produto não recomendado para diabéticos
    Nossa, enjoativo, enjoativo, enjoativo, muito doce, voz irritante, letras idiotas, tudo nesse álbum me dá dor de cabeça, começa com a horrenda Tiny Little Bows, e só vai piorando, e além de ser todo menininha e fofinho ainda é uma farofa braba. As vezes eu fico pensando, falam que a Rihanna é a farofeira, mas eu vejo muito mais inovação em álbum da Rihanna, do que no dessas meninas, pfvr.

    Melhores Músicas: Your Heart is a Muscle
    Pior/es Músicas: Tiny Little Bows, This Kiss, Turn me Up
    Opinião da Britney:


    3



    Álbum: ORA
    Artist: Rita Ora
    Genêro: , ,


    Estão dizendo que Rita Ora é a Rihanna mas com talento, mas eu me pergunto, do que adianta cantar bem se suas músicas são genéricas e entediantes? Irritante esse álbum, apenas, começa com a horrenda Facemelt, passa pela terrível Roc the Life e a nada agradável Radioactive, os singles também são entendiantes como R.I.P. e How We Do (Party) as letras são fúteis e repetitivas. A única boa fica no Deluxe, que seria Meet Ya, que é divertidinha. O resto é dispensável.

    Melhores Músicas: Meet Ya
    Pior/es Músicas: How We Do (Party), Radioactive, Facemelt
    Opinião da Britney:


    2



    Álbum: Believe
    Artist: Justin Bieber
    Genêro: , ,


    Vou confessar: sou gay n
    Ta, mas confesso que fiquei esperando esse álbum, porque eu gostei de Boyfriend, mas veio uma merda como eu esperava, a voz do garoto melhorou sim, está ouvivel, mas assim como a qualidade das músicas que são uma farofa sem tamanho, os irritantes rappers, afinal o Justin quer manter a pose de “mano vida loka” dele, não sei porque, afinal, parece mais fake que tudo. As letras continuam sem alma, repetitivas, chatas, irritantes etc etc etc Ou seja: é o mesmo jus10 do My World, mas com uma voz menos irritante.
    Melhores Músicas: Believe, Die In Your Arms, Catching Feelings
    Pior/es Músicas: As Long as You Love Me, She Don’t Like the Lights, Right Here, One Love
    Opinião da Britney:


    1



    Álbum: Take Me Home
    Artist: One Direction
    Genêro: , ,


    TÃ-TÃ-TÃ *música de suspense* O PIOR ÁLBUM DO ANO VAI PARA: One Direction
    Batidas recicladas do primeiro álbum, letras repetitivas, vozes chatas, farofada, é sério que eu preciso falar tudo que eu falei antes? Esses álbuns são quase todos iguais, chatos, entediantes. No entanto, Little Things é linda e é com certeza junto com Moments e Over Again as únicas coisas boas que eles vão fazer na carreira deles. Mas tem uma coincidência bem interessante em todas essas músicas, sabem o que? Todas ela são compostas pelo perfeito, lindo, maravilhoso, Jesus ruivo: ED SHEERAN. Xau.

    Melhores Músicas: Little Things, Over Again
    Pior/es Músicas: C’mon, C’mon, Rock Me, Kiss You, Live While We’re Young, Heart Attack, They Don’t Know About Us
    Opinião da Britney:


    Espero que tenham sobrevivido!
    ~créditos finais~
    ~não percam no próximo episódio
    ARTPOP – Lady Gaga (3º álbum de estúdio)
    8º álbum de estúdio – Rihanna (SERÁ?!)
    5º álbum de estúdio – My Chemical Romance
    Relançamento do Push and Shove – No Doubt
    3º álbum de estúdio – Pixie Lott
    8º álbum de estúdio – Shakira
    Paramore – Paramore (4º álbum de estúdio)
    2º álbum de estúdio – The Pretty Reckless
    Trouble – Natalia Kills (2º album de estúdio)
    3º álbum de estúdio – Lily Allen (por favor seja verdade )
    5º álbum de estúdio – Avril Lavigne (ouvi boatos)
    4º álbum de estúdio – Pitty
    Exile – Hurts (2º álbum de estúdio)
    22º álbum de estúdio – Cher (será?)
    3º álbum de estúdio – Vampire Weekend (Ouvi boatos)
    7º álbum de estúdio – Goldfrapp


    E FAÇAM O FAVOR DE NÃO ME FLOPAR VLW Feliz ano novo pra todox <3 amo vocês <3




    FEITO EM PARCERIA COM: oiglush (preguiça de linkar o username aqui)
  • Review of "Take Me Home" by One Direction

    18 Nov 2012, 0:45

    Live While We're Young:
    Kiss You:
    Little Things:
    C'mon, C'mon:
    Last First Kiss:
    Heart Attack:
    Rock Me:
    Change My Mind:
    I Would:
    Over Again:
    Back For You:
    They Don't Know About Us & Summer Love:


    Overall:

    (Album:Take Me Home)
    (Artist:One Direction)
  • 50 Questions from my top 50 Artists

    2 Feb 2012, 1:26

    I'm doing this because i'm bored.

    01. How did you get into 29? - (High School Musical)
    I Was watchin Disney Channel, then i saw the comercial of the first movie, i decided to watch, and i loved it ♥

    02. What was the first song you ever heard by 22? - (Adele)
    Rolling in the Deep

    03. What’s your favourite lyric by 33? - ( Lindsay Lohan [/artist))
    My Innocence Probabbly
    04. What is your favourite album by 46? - (
    One Direction)
    Up All Night, only one they released

    05. How many albums by 13 do you own? - (Kerli)
    Any :(

    06. What is your favourite song by 50? - (Rebecca Black)
    LOL. My Moment <3

    07. Is there a song by 39 that makes you sad? - (ABBA)
    Maybe The Winner Takes it All

    08. What is your favourite album by 15? - (P!nk)
    Funhouse

    09. What is your favourite song by 4? - (My Chemical Romance)
    A Hard One, but i can say that Teenagers and You Know what they do to guys like us in prision are my favs
    10. Is there a song by 6 that makes you happy? - (Panic! at the Disco)
    Kaleydoscope Eyes and Nine in the Afternoon

    11. What is your favourite album by 40? - (fun.)
    Aim and Ignite, their only one lol

    12. What is your favourite song by 10? - (Shakira)
    Uh, maybe Rules and Objection

    13. What is a good memory you have involving 30? - (Fergie)
    "Fergalicious" was my jam as a kid LOL

    14. What is your favourite song by 38? - (Sum 41)
    The Jester

    15. Is there a song by 19 that makes you happy? - (Avril Lavigne)
    Push and Darlin

    16. How many times have you seen 25 live? - (Miley Cyrus)
    None :(

    17. What is the first song you ever heard by 23? - (Ke$ha)
    Tik ToK

    18. What is your favourite album by 11? - (Katy Perry)
    I Like both of them :)

    19. Who is your favourite member of 1? - (Lady Gaga)
    Huh, she is a solo artist LOL

    20. Have you ever seen 14 live? - (The Pretty Reckless)
    Ugh, no, they are doing a show here on brazil, august this year, I WISH SO MUCH I COULD GO :(((((

    21. What is a good memory involving 27? - (Nicola Roberts)
    i think i don't have lol

    22. What is your favourite song by 16? - (Natalia Kills)
    Wonderland, but i love a lot others

    23. What is the first song you ever heard by 49? - (Colbie Caillat)
    Midnight Bottle

    24. What is your favourite album by 18? - (Gwen Stefani)
    Love.Angel.Music.Baby <3

    25. What is your favourite song by 21? - (Green Day)
    Holiday

    26. What is the song you don't like by 26? - (Nicki Minaj)
    Uh, i don't know, maybe Your Love or something like that

    27. What is your favourite album by 3? - (Britney Spears)
    "Britney" <3

    28. What is your favourite song by 2? - (Rihanna)
    Wow, very hard, maybe Disturbia, Rockstar 101 or Cry

    29. What was the first song you ever heard by 32? - (Ashley Tisdale)
    Be Good to Me or Kiss the Girl, idk

    30. What is your favourite song by 8? - (Paramore)
    Hard, but Fences or Misery Business

    31. How many times have you seen 17 live? - (Lily Allen)
    None.

    32. Is there a song by 44 that makes you happy? - (Kylie Minogue)
    All the Lovers.

    33. What is you favourite album by 12? - (Glee Cast)
    Erm, i don't know

    34. What is the worst song by 45? - (Cascada)
    None that i know lol

    35. What is your favourite album by 34? - (The Pussycat Dolls)
    PCD

    36. What do you not like by 48? - (The Cheetah Girls)
    Haha, i don't like when Raven get out of the group in the third movie

    37. How many times have you seen 42 live? - (Lana Del Rey)
    Any

    38. What is your favourite song by 36? - (Simon Curtis)
    Joystick

    39. What was the first song you ever heard by 28? - (The Beatles)
    Here Comes the Sun or Hey Jude, idk

    40. What is your favourite album by 7? - (Pixie Lott)
    Turn it Up

    41. Is there a song by 41 that makes you happy? - (A Rocket to the Moon)
    Life of the Party

    42. What is your favourite album by 31? - (Black Eyed Peas)
    Elephunk

    43. What is your favourite song by 24? - (Jessie J)
    Who's Laughing Now or Mamma Knows Best

    44. What is a good memory you have involving 47? - (Aqua)
    Barbie Girl was a fun song of my childhood XD

    45. What is your favourite song by 35? - (Beyoncé)
    Halo or Love on Top

    46. Is there a song by 9 that makes you happy? - (No Doubt)
    This band makes me happy <3

    47. What is your favourite album by 5? - (Christina Aguilera)
    Stripped or Back to Basics <3

    48. Who is your favourite member of 37? - (All Time Low)
    Uh, don't have a favorite one

    49. What is the first song you ever heard by 43? - (Amy Winehouse)
    Rehab

    50. How many albums do you own by 20? - (Pitty)
    None :(